“O Brasil precisa aprender com a China como se transforma, rapidamente, investimentos em medalhas.”

Tostão (Jornal O Tempo)

O corpo fala primeiro. Termina hoje a Olimpíada. Mesmo que ganhe mais de 15 medalhas, será pouco para o Brasil, pelos enormes gastos. Em Pequim, foram 15. Os dirigentes dizem que, no Rio de Janeiro, em 2016, o Brasil deve chegar a 30 medalhas. Será? Sugiro a ida de especialistas à China para aprender como se transforma, rapidamente, investimentos em medalhas.

Ainda não aprendi as regras e os detalhes técnicos do badminton, do tae-kwon-do e de outros esportes. Assim como Antônio Prata, que lamentou “ter ficado muito tempo peregrinando de prova em prova, sempre com a angustiante sensação de que o melhor acontecia justo onde não estava”, eu não deveria ter trocado tanto de canal. Estou cansado. Ainda bem que terminou.

O comportamento das pessoas, diante da televisão, em uma Olimpíada, é bastante variável. Há os que assistem a tudo, mesmo se não gostarem ou compreenderem. Querem apenas passar o tempo. Existem também os que gostam e entendem e que tiram férias para ver tudo. Os mais numerosos são os que veem apenas o quadro de medalhas.

Pelos noticiários, Londres ficou mais vazia que o habitual. O número de turistas foi menor do que se previa, e muitos londrinos saíram da cidade. O mesmo ocorreu em Paris, na Copa do Mundo de 1998. Na época, encontrei uma torcedora brasileira, desesperada, decepcionada e surpresa. Para ela, haveria carnaval todos os dias na Avenida Champs-Elysées.

Para o Barão Pierre de Coubertin, um homem romântico e idealista, os Jogos Olímpicos deveriam ter funções educativas, morais e de união dos povos. Ele era bastante otimista. A maioria das pessoas que assiste aos Jogos quer apenas se divertir e/ou torcer. Os atletas quase só pensam nas medalhas. A confraternização dos atletas de vários países é muito mais uma obrigação simbólica e bem educada.

Se no cotidiano, com tempo para pensar e racionalizar, o cidadão, com frequência, tenta levar vantagem em tudo, imagine um atleta, na emoção de uma disputa e tendo de decidir, em uma fração de segundos, entre a postura ética e o orgulho e o desejo de ficar rico, famoso e de ser um herói. Por isso, alguns atletas ainda se dopam, mesmo com o enorme risco de serem flagrados.

Existe um preconceito com o esporte, de que seria algo menor, não intelectual, instintivo e corporal. Não é por aí. O esporte é uma disputa técnica, científica, criativa e rica em emoções. Os sentimentos, antes de chegarem à consciência, passam pelo corpo, por meio de gestos e olhares. O corpo fala primeiro. O corpo não racionaliza nem mente. “O corpo é a sombra da alma” (Clarice Lispector).

###
GALO FORTE

O Atlético continua vencendo, de todos os jeitos. Teve muita dificuldade contra o Coritiba e ganhou por 1 a 0. Ronaldinho está cada vez melhor. Além dos passes espetaculares, está correndo mais e participando da marcação. Quando o jogo aperta, os dois zagueiros, bons e grandalhões, vão para a área adversária e decidem a partida. A dificuldade do Atlético, para ser campeão, é que os principais adversários também estão vencendo.

Hoje, contra o Vasco, vice-líder, o Galo, em casa, com um jogo a menos, tem uma grande chance de ficar quatro pontos na frente. Será um jogo difícil. O Atlético precisará de muito cuidado com a bola parada de Juninho e com as jogadas de velocidade de Eder Luis, pela direita.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *