“O futebol brasileiro, que deveria ser o centro de excelência técnica, vai para outros caminhos.”

Tostão (jornal O Tempo, de BH)

No passado, os craques eram as únicas estrelas do futebol. Com o tempo, surgiram outros personagens badalados, como treinadores, investidores, empresários, agentes dos técnicos e dos atletas e, agora, marqueteiros. Não tenho nada contra o marketing. Pelo contrário. É uma atividade digna, importante e necessária. Acho apenas que os marqueteiros são excessivamente otimistas.

Quando chega um contratado, jogador comum, como Marcelo Moreno, no Grêmio, é anunciado como um craque, uma celebridade.

Quando Ronaldinho chegou ao Flamengo, venderam a ilusão de que ele era ainda um magistral jogador. O torcedor acreditou. Como o time não agradava, Ronaldinho era o mais vaiado, mesmo quando era o destaque. No Atlético, como a expectativa é menor, ele ganha menos, e o time tem vencido, ele é aplaudido, mesmo jogando menos que no Flamengo.

As novas estrelas são Seedorf e Forlán. Parece que chegaram o Seedorf dos melhores momentos e o Forlán da Copa de 2010. Seedorf tem sido mais badalado que Forlán. O marqueteiro do Botafogo deve ser mais otimista. Forlán, por ser mais jovem, tem mais chance de jogar bem por mais tempo.

Nos últimos anos, jogadores famosos e caros, contratados pelos times brasileiros, vieram porque não tinham mais lugar nas melhores equipes da Europa. Muito melhor jogar aqui que na China, Rússia, Ucrânia, países árabes e outros lugares. Da mesma forma, não há mais razão dos jovens e bons jogadores brasileiros, como Paulinho, irem para esses países periféricos.

Mesmo veteranos e em fim de carreira, a maioria desses jogadores, por terem sido excepcionais, ainda são destaques nos times brasileiros. O mesmo deve ocorrer com Seedorf e Forlán. Isso justifica suas contratações, desde que os clubes paguem também suas dívidas e impostos. A Timemania, criada para isso, foi um grande fracasso.

O que mais me preocupa é ver que o futebol brasileiro, hoje tão badalado, que deveria ser o centro de excelência técnica no mundo, formador dos maiores craques, grande produtor de trabalhos, é, cada vez mais, uma indústria de negócios, de celebridades, do espetáculo e do entretenimento.

Grave, vergonhoso, é a confirmação do suborno recebido por Ricardo Teixeira e João Havelange. O presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse que suborno não era crime. E o presidente atual da CBF, José Maria Marín, fala que Ricardo Teixeira continuará recebendo R$ 100 mil por mês pelo cargo de assessor da entidade. Lamentável!

###
BOM E RUIM

O Cruzeiro, dentro de sua limitação técnica, fez uma boa partida na derrota para o Inter, em Porto Alegre, como tinha ocorrido na derrota para o São Paulo. O time não piorou em relação às vitórias anteriores. Os dois últimos adversários é que eram melhores.

Se Ceará estiver em forma, Léo deve voltar à zaga. Mateus e Victorino são fracos. Mateus é ainda pior. Borges é um bom centroavante, goleador, mas, como estava mal no Santos, e o Cruzeiro já tem um artilheiro, Wellington Paulista, não vejo com o mesmo otimismo a chegada dele. Os volantes do Cruzeiro são guerreiros, aplicados, mas com pouca qualidade técnica. Falta um ótimo armador. Mesmo veterano, Riquelme seria um bom reforço.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *