Ministros do STF e políticos minimizam atos e dizem que conjuntura segue inalterada

Foto postada por Bolsonaro é antiga, a velhinha morreu em 2018

Daniela Lima
Folha/Painel

Tudo como dantes. Ministros do Supremo Tribunal Federal e integrantes da cúpula do Congresso avaliam que os atos promovidos por bolsonaristas neste domingo (26) não foram significativos a ponto de mudar a conjuntura política e deslocar o eixo de pressão do Planalto para as duas instituições que foram alvo dos protestos. A adesão foi descrita como menor do que a esperada e creditada em boa medida à figura do ministro Sergio Moro, que teria “salvado” as manifestações pró-governo.

O fato de o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ter se tornado um dos alvos preferenciais dos bolsonaristas nas ruas não surpreendeu aliados dele. A legenda de Maia vinha monitorando ofensas em redes sociais e identificou esforço para fazer do democrata um dos focos de crítica.

NÃO COLOU – Apesar de ter repetido neste domingo que “quem estivesse nas ruas pelo fechamento do Congresso ou STF estaria na manifestação errada”, ministros da corte dizem que Bolsonaro flerta com fórmulas ambíguas.

Na avaliação de integrantes do Supremo, mesmo que critique pautas radicais, o presidente estimula que parcela da população se volte contra o STF e o Congresso ao dizer que os protestos são um “recado aos que teimam com velhas práticas”.

Além de exaltar os atos nas redes sociais, Bolsonaro enviou mensagens pelo WhatsApp a ministros enaltecendo as manifestações. Em uma delas, abaixo de foto de uma senhora idosa, escreveu: “Vamos discutir governabilidade como adultos?”.

INTERPRETAÇÃO – Aliados do presidente interpretaram a mensagem como um pedido para que o Congresso seja “maduro” como os que foram às ruas defender a reforma da Previdência, pauta que divide bastante o eleitorado.

O ministro Santos Cruz (Secretaria de Governo) tem recebido deputados de siglas de centro e centro-direita, individualmente, para tentar acalmar os ânimos do Congresso.

Nas conversas, o ministro afirma que o governo conhece suas próprias limitações e que vive momento de pressão, mas ressalta que após a aprovação da reforma da Previdência as coisas tendem a se acomodar.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A foto da velhinha, postada por Bolsonaro, é antiga, de outra manifestação. Ela morreu em 2018. A família dela disse que a postagem foi uma “homenagem” de Bolsonaro… O clima com o Congresso e o Supremo está muito esquisito. E o café da manhã convocado hoje por Bolsonaro com Dias Toffoli, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre deve ter difícil digestão. (C.N.)  

13 thoughts on “Ministros do STF e políticos minimizam atos e dizem que conjuntura segue inalterada

  1. São uns m…. Não tem caráter. Repito:
    Vivem na pocilga, onde chafurdam impunemente, comendo, engordando, e rindo do Brasil.
    Não sei como, mas aquela cloaca tem que ser fechada.

    • O ministro presidente do Supremo do país onde cantam os sabiás não deveria ir á TV para falar de política – pelo menos nisso deveria seguir o exemplo de países mais desenvolvidos. O Chief Justice da Corte Suprema americana, correspondente ao tupiniquim que chefia o nosso supremo, nunca se mete em política – o papel do STF é resolver casos relativos á Constituição.
      Toffoli, baixe a crista, olhe-se no espelho e pergunte-se: o que um simples advogado (como é o seu caso) pode ter para se julgar com o direito de meter o bedelho nas coisas nacionais? Va estudar, doutor. Cresça e apareça!

  2. É muito feio colocar uma foto da multidão que saudou o Papa na praia de Copacabana, como se fosse da manifestação pró Bolsonaro no último domingo. “A imagem analisada pela Lupa não foi adulterada, mas é antiga: de 2013. O registro foi feito durante a Jornada Mundial da Juventude que reuniu quase um milhão de fiéis para acompanhar o Papa Francisco, na cerimônia de abertura do evento, na praia de Copacabana. É possível, inclusive, identificar o papamóvel em meio ao aglomerado”. (via Ronald Lobato, Ivana Gaya Izabel, Cristina Delmondes, Andre Guimarães de Castro, José Luis Wensce)
    https://www.terra.com.br/noticias/mito-ou-fato/verificamos-e-antiga-foto-de-copacabana-tomada-por-supostos-apoiadores-de-bolsonaro,4802483274dae836c179517486be35b75rigqy2d.html?fbclid=IwAR2Ixw_F_Jz50PAkSAYmCY0EF3eU569cJWnBO6vM3FPpfkVJXN8NXzyQMfw

  3. Bolsonaro, ao apoiar o temas do movimento,, contra o STF e o legislativo, e depois elogiar as duas casas e convocar os presidentes das três casas para o café da manhã, naturalmente para colocar panos quente, perde toda a credibilidade. Quem pode confiar num presidente assim?

  4. O hediondo e a esquerdinha caminham juntos. É impossível separá-los. Coisa do DNA de uma ideologia nefasta. de uma religião política conhecida como socialista que seus líderes fingem defender os pobres com a ajuda dos inocentes úteis.

    Seus crentes, todos bem de vida e muitos vivendo da boquinha do estado, não têm um mínimo de escrúpulos ao querer o “quanto pior melhor”, que sabem bem que vai atingir os pobres, que eles dizem defender.

    Nos EUA o MacCain depois de perder para o Obama declarou: “temos um novo presidente e ele é de todos nós , da nação”

    Aqui, o novo presidente não tem 5 meses de governo, lutando para tentar arrumar a desgraceira que a esquerda deixou no país e os esquerdinhas, como sempre, mentem sistematicamente para derrubá-lo.

    Que país.

  5. A bem da verdade, quem mais estimula a população contra o STF e o Congresso, são as ações ou a omissão dos mesmos. Nosso Judiciário está intimamente mal educado e pessimamente acostumado. Acha que pode tudo e é o que faz. Punição para juizes no Brasil é uma completa blasfêmia ao que prega sua filosofia de trabalho. Contra os seus a venda da estátua pode ser tirada. Fora isso suas mordomias e salários são um verdadeiro ralo para onde escorre uma grotesca quantidade de recursos caros ao país. Já o Congresso, a maioria, trabalha em comunhão com os maus do outro Poder, pois precisão um do outro para se manterem onde estão, bem junto a seus privilégios.

  6. E também tem o caso do “atentado” ao Boçalnaro.

    Somado fato de ter sido um perito contratado pelo advogado do Boçalnaro, pra mim dá a impressão de que querem desviar o foco de um possível ” trabalho interno”…

    • O governo tem vastos recursos para investigar um crime desse porte, e não encontrou nada que indicasse um mandante.

      Não há indícios da polícia estar dificultando a investigação (como no caso Marielle).

      • A execução do crime com faca foi patética, que não é típico nesses casos.

        Ao que parece, o laudo foi feito pelo mesmo perito indicado pela equipe do presidente.

        Juntamente com outros indícios (a teoria do clube de tiro), eu acho que há muito mais interesse do governo em mistificar o caso e não aprofundar mais investigações, do que encontrar mais fatos desconhecidos.

        A propósito, a família, sempre rápida no gatilho do Twitter, já comentou algo ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *