64% dos brasileiros reprovam a demissão de Mandetta, aponta Datafolha

Pesquisa foi divulgada um dia após demissão de Mandetta

Filipe Matoso
G1

Pesquisa do instituto Datafolha publicada nesta sexta-feira, dia 17, pelo site do jornal “Folha de S.Paulo” revela os seguintes percentuais de aprovação e rejeição à demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde: ‘Presidente agiu mal’: 64%,  ‘Presidente agiu bem’: 25%, ‘Não sabe’: 11%

Conforme a “Folha”, o instituto ouviu 1.606 pessoas por telefone, e a margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. A demissão foi anunciada nesta quinta-feira, dia 16, por Mandetta, em uma rede social. Em seguida, o presidente Jair Bolsonaro fez um pronunciamento no Palácio do Planalto no qual anunciou o oncologista Nelson Teich como novo ministro.

DIVÓRCIO CONSENSUAL – No pronunciamento, Bolsonaro comparou a demissão de Mandetta a um “divórcio consensual”. Na sequência, Teich também fez um pronunciamento no qual disse ter “alinhamento total” com o presidente da República.

Ainda de acordo com o Datafolha, os entrevistados também deram as seguintes respostas sobre a “avaliação do desempenho de Bolsonaro em relação ao surto de coronavírus”: ‘Ótimo/bom’: 36%, ‘Regular’: 23%, ‘Ruim/péssimo’: 38%, ‘Não sabe’: 3%

DIVERGÊNCIAS – Nas últimas semanas, Mandetta e Bolsonaro passaram a divergir publicamente sobre algumas medidas de combate ao coronavírus, como o isolamento social.

Enquanto Mandetta defende o isolamento, assim como orientam a Organização Mundial de Saúde (OMS) e os especialistas, Bolsonaro pede a “volta à normalidade”, o fim do “confinamento em massa” e a reabertura do comércio, de lotéricas e de igrejas.

Desde que começaram as divergências, Mandetta passou a dizer, quando questionado se deixaria o cargo, que “médico não abandona o paciente”. Bolsonaro, por sua vez, passou a dizer que “médico não abandona o paciente, mas o paciente pode trocar de médico”.

PROTOCOLOS –  Além disso, Bolsonaro foi a um ato na Esplanada dos Ministérios a favor do governo, passou a sair para ir a padarias e a farmácias em Brasília e passou a cumprimentar grupos de pessoas, gerando aglomerações e contrariando as orientações das autoridades de saúde.

Em uma entrevista ao Fantástico, no último domingo, dia 12, Mandetta chegou a dizer que o brasileiro “não sabe se escuta o ministro ou o presidente”.

11 thoughts on “64% dos brasileiros reprovam a demissão de Mandetta, aponta Datafolha

  1. De 1511 agora são 1606, quem são? Como conseguiram os telefones? São assinantes da folha, Uol?
    Como é feita a pergunta?
    Pelo amor de Deus deixem de ser tolos. Nós não merecemos isso.
    Esse vagabundo, EMBUSTEIRO, já mostrou quem é no showzinho dançando todo sapeca é canto “viver e não ter a vergonha….” Quem não tem vergonha é ele. Agora fico perplexo como nós brasileiros somos ingênuos. Sinceramente vocês acreditam nesse vagabundo? Acreditam?
    Postem mais artigos com ele. Aliás o BOTAFOGO é recordista aqui.
    Ah país vagabundo.

  2. Parece que o brasileiro não sabe o que é um ministro!
    Revendo:
    MINISTRO
    substantivo masculino
    1.
    auxiliar direto do mandatário supremo de uma nação, que chefia um ministério e compõe o gabinete.
    ……………………………….
    Ministro é subordinado. Ocupa cargo demissível “ad nutum”!
    Não gostou ou não concorda com o superior, tenha a hombridade de pedir as contas.
    Caso contrário é simples, demissão!
    Foi o que aconteceu.

  3. Top Trends Brasil ontem: #ForaMaia. (é o equivalente 34% a tudo que se comentou em torno do seu nome no Twitter nos últimos 12 meses).Tirem as suas conclusões, pois o próprio “Twitter” afastou a possibilidade de “robôs”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *