Em carta a Dilma, Federação condena importação de engenheiros

Deu no Boletim Sindical

Ante notícias sobre provável estudo do governo federal visando “importar” engenheiros para dotar as administrações municipais de quadros capazes de elaborar projetos técnicos, essenciais ao repasse de verbas federais, a Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) encaminhou ofício à presidente Dilma Rousseff expondo a posição da categoria. O documento é assinado pelo presidente Murilo Celso de Campos Pinheiro.

O texto destaca que, como entidade representativa de cerca de 500 mil profissionais, tendo o desenvolvimento nacional como bandeira, a Federação não poderia deixar de se manifestar sobre tal hipótese, “que consideramos equivocada para solucionar o problema em pauta”.

O dirigente observa que, há muito tempo, a entidade advoga a necessidade imperativa de garantir mão de obra especializada aos municípios. “Tal providência é fundamental para dar cabo da tarefa de universalizar o serviço essencial de saneamento ambiental, o que exige a elaboração de planos municipais para o setor”, argumenta. E prossegue na defesa dos engenheiros: “A luta da categoria pela implantação efetiva da engenharia pública, criada pela Lei 11.888/08, que prevê a assistência técnica à população de baixa renda, faz ainda parte da compreensão da urgência em prover esse atendimento à sociedade”.

MÃO DE OBRA

Murilo Pinheiro afirma: “É preciso aproveitar a mão de obra qualificada disponível no País, sendo necessário que os municípios realizem concursos oferecendo remuneração justa. Essa deve ter como referência o Piso da categoria definido em lei, que equivale a nove salários mínimos, ou seja, R$ 6.102,00”.

Agora, a FNE está solicitando agendamento de audiência com a presidente Dilma Rousseff, para expor e oferecer as contribuições da entidade sobre o tema.

Ao contrário dos médicos, que demonstram preferência por bairros nobres dos grandes centros ou cidades litorâneas, o engenheiro é um profissional linha de frente. Em Suape, Belo Monte e mesmo nos pontos mais distantes (ainda que em obras no deserto africano), esse profissional está sempre presente, no comando das ações. Jornada de 40 horas. Faça chuva ou faça sol.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

9 thoughts on “Em carta a Dilma, Federação condena importação de engenheiros

  1. Minha sugestão, já apresentada, é que a sociedade pressione o governo para importar POLÍTICOS JAPONESES. Esses, quando cometem algo que envergonhe, resolvem o problema causado praticando haraquiri.

  2. Tem que importar médicos, engenheiros, arquitetos e tudo o mais, porque há vaga de sobra no BRASIL.
    Se não prestar, vai de volta.
    Porque todo esse medo dos creas, crm, cro, etc, afinal estas entidades são bom prá quê, só prá chicanear????????????????????????????????

  3. 72 anos de história do Brasil e de jornalismo com o repórter Hélio Fernandes.

    Gente vamos acessar a barra de videos do blog.72 anos de história do Brasil e de jornalismo com o repórter Hélio Fernandes.

    Gente vamos acessar a barra de videos do blog.

  4. Os gargalos de mão de obra especializada encarecendo produtos e serviços enquanto milhares de jovens recém-formados sem empregos na Europa cuja a Mão de obra é mais barata, importando Mão de Obra diminui os custos refletindo diretamente na diminuição da inflação.

  5. Porque a Dilma não renuncia? Seria bom que ela desse uma sugestão de importarmos Gestores para o governo da Suíça. Ela sugeriu médicos do exterior porque ela so se trata em Hospitais de Referencia e não enfrenta as filas do SUS.
    Agora vem com essa indecente proposta de importar Engenheiros do Exterior.
    Porque ela não manda esses engenheiros construírem um Curral para ela morar.

  6. já que está na moda, a onda de importação de profissionais.
    por quê não importamos presidentes,deputados,senadores,prefeitos e vereadores.
    de qualquer pais sério do mundo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *