PT se une às Centrais Sindicais contra projeto de terceirização que o ministro do Trabalho defende

Do Repórter Sindical

Após reunião com dirigentes da CUT e representantes do Judiciário, esta semana, em Brasília, a bancada do PT na Câmara dos Deputados decidiu, de maneira unânime, votar contra o Projeto de Lei (PL) 4.330/2004, que amplia a terceirização e a precarização das relações trabalhistas.

Os parlamentares definiram ainda a criação de um núcleo político contra a proposta, coordenado pelos deputados Vicentinho e Ricardo Berzoini, que pedirá ao governo para orientar a base aliada a adotar a mesma posição.

No encontro, representantes da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) informaram que farão uma campanha nacional contra o projeto de lei.

CENTRAIS SINDICAIS

O presidente da Nova Central, José Calixto Ramos, conclamou todas as entidades sindicais vinculadas à Central a reforçarem as gestões junto aos deputados federais, nos seus respectivos Estados, visando sensibilizar as bancadas regionais na Câmara do Deputados a votar contra o PL 4.330 (terceirizações).

“É imprescindível uma ampla e firme mobilização nos Estados”, afirma o dirigente. Ele destaca que, paralelamente a essas gestões nas bases, a direção nacional da Nova Central “continuará seu trabalho de pressão e conscientização junto aos parlamentes no Congresso Nacional”.

O sindicalista lembrou que o projeto pode acarretar um retrocesso nas conquistas adquiridas ao longo dos anos. “Caso seja aprovado, vai permitir que uma empresa contrate serviços terceirizados e, além disso, essa empresa terceirizada também poderá contratar mão de obra de terceiros, ou seja, chega uma hora que já não se sabe mais a qual empresa o trabalhador estará ligado”, denunciou.

Na próxima quarta (18), o PL 4.330 será debatido em uma Comissão Geral, espécie de audiência pública no plenário da Câmara dos Deputados, que contará com a participação de dirigentes de todas as Centrais Sindicais.

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGO mais interessante e intrigante nisso tudo é que o ministro do Trabalho, Manuel Dias , defende a aprovação desse projeto, que terceiriza qualquer atividade, mesmo as chamadas atividades-fim, como metalúrgico na montadora de veículos. Afinal, que governo é esse? Que ministro é esse? Ah, Brizola, que falta você faz…(C.N.)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 thoughts on “PT se une às Centrais Sindicais contra projeto de terceirização que o ministro do Trabalho defende

  1. > > > > > > > Beneficiário do escândalo no MTE da Dilma e do Lupi vai comandar as investigações.< < < < < < < < < < <

    O ministro do Trabalho, Manoel Dias, colocou à frente da comissão que vai fazer um pente-fino nos convênios da pasta, depois das irregularidades apontadas pela Operação Esopo, da Polícia Federal, um político que tem um histórico polêmico. Conforme portaria publicada ontem no Diário Oficial da União, caberá ao secretário de Políticas Públicas de Emprego do Ministério do Trabalho, Sérgio Vidigal, escolher o coordenador dos trabalhos.

    Vidigal é ex-prefeito de Serra (ES), município que tem um convênio de R$ 4,6 milhões com o Instituto Mundial de Desenvolvimento e da Cidadania (IMDC), entidade citada na operação como a principal beneficiária pelo desvio de dinheiro público. O convênio foi feito na gestão de Vidigal, em 2008, e ainda está em vigência.

    Um dos principais assessores do secretário, Cleide Santos Costa, foi preso na semana passada, em São Paulo, na Operação Pronto Emprego. Ele é acusado de favorecer o Centro de Atendimento ao Trabalhador, uma ONG suspeita de desviar aproximadamente R$ 18 milhões de convênios financiados pelo ministério.

    Sérgio Vidigal é marido da deputada Sueli Vidigal (PDT-ES). Os dois são fidelíssimos ao presidente do PDT, Carlos Lupi, ex-ministro do Trabalho. Na época dos escândalos que derrubaram Lupi da pasta, o casal assumiu a linha de frente de defesa do presidente nacional do PDT. Vidigal ocupa a secretaria mais importante do ministério, que cuida dos recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e responde por todos os convênios de qualificação de trabalhadores e pelos recursos do Projovem — justamente onde estão as irregularidades. Ele ocupa o cargo pela segunda vez, foi levado por Lupi e saiu com a queda do ministro, assim que Brizola Neto assumiu o ministério.

    Com a ida de Manoel Dias para comandar a pasta do Trabalho, Vidigal voltou ao cargo. Junto com Vidigal, o número dois da atual gestão Manoel Dias, o ex-secretário executivo Paulo Pinto, também foi exonerado da pasta pelo ex-ministro Brizola Neto. Com a queda de Brizola Neto, desafeto de Lupi no PDT, e a nomeação do apadrinhado de Lupi, os dois voltaram a assumir postos de comando no Ministério do Trabalho.

    Mas, segundo fontes próximas, o principal objetivo de Vidigal é se eleger para deputado federal nas eleições do ano que vem. E tem costume de delegar as principais funções da secretaria, contam interlocutores. Na avaliação de técnicos do próprio ministério, a comissão criada por Manoel Dias teria que ser liderada por um servidor técnico de carreira ou entregue à corregedoria da pasta.

    De acordo com a portaria publicada no Diário Oficial, o foco da comissão será os convênios com indícios de irregularidades detectadas pela Polícia Federal, pelo Ministério Público Federal e pela Controlaria Geral da União (CGU). A comissão não tem prazo para concluir os trabalhos, o que pode demorar até um ano. De acordo com a portaria, a comissão será composta por 12 servidores da própria Secretaria de Políticas Públicas de Emprego, comandada por Sérgio Vidigal, e por dez membros das Superintendências Regionais do Trabalho, que são dominadas pelo PDT.

    Indagada a respeito do perfil de Vidigal e de seu eventual impedimento, a assessoria de imprensa do Ministério do Trabalho informou que ele foi indicado porque é o responsável pela área, justamente onde estão os processos suspeitos de irregularidades. A criação de um mutirão visa dar uma resposta quanto ao esquema de desvio de recursos públicos. Segundo a portaria, deverá ser priorizada a análise dos processos relativos às entidades investigadas por Polícia Federal, Controladoria Geral da União (CGU) e Tribunal de Contas da União (TCU). ( O Globo)
    POSTADO BLOG DO CORONEL. COTURNO NOTURNO
    PARTILHE ESTE ARTIGO

  2. A NR, diz tudo, esse ministro não sabia que seus ministério estava sendo roubado em 400 milhões; ele foi operário metalúrgico, na acepção da palavra, ou foi um duplo!?, com um ministro desse quilate, contra os direitos conquistados pelo trabalhador levando muita porrada, é mais uma prova que o PT, a muito deixou o trabalhador “à pé”, pisando em pregos!!.
    Dª Dilma, continua enganando o trabalhador em manter esse ministro, dando “apoio” ao PDT do Lupi e apaniguados, para não falar dos outros 38, que falta 1 para formar a quadrilha do “Ali Babá”, ou como estamos no Brasil, vamos considerar 39, como completa!?!?
    PT SONHO, VIROU pesadelo para o trabalhador ativo e aposentado, quando assumiu o governo, destruindo toda sua história oposicionista em defesa do trabalhador e seu Patrimônio Nacional.
    Última Esperança, 05/10/14, VOTO CONSCIENTE APESAR DE SER OBRIGATÓRIO, OU NULO, lembrando EÇA DE QUEIROZ:Político é quem fralda de criança trocar sempre pelo que contem.
    Renovar é preciso!!, o que está aí é um “câncer generalizado.

  3. Ministério do Trabalho coisa nenhuma. O governo petista defende. Dilma defende. Não esqueçam que foi o PT quem instituiu coisas abjetas como a contribuição para aposentadoria do APOSENTADO do serviço público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *