A dvida impagvel, de 1 TRILHO e 400 BILHES, que no provoca nenhuma risada em 190 milhes

Antes mesmo do engraadssimo e logicamente intil acordo ortogrfico, a lngua portuguesa (?) j apresentava contradies, quo dessemelhantes, com palavras rigorosamente iguais, que representavam definies inteiramente diferentes.

Entre essas, uma, IMPAGVEL, a mais elucidativa e de grande importncia na economia, no passado, presente e futuro do Brasil, e no seu desenvolvimento, no desperdcio delirante e alucinante dos recursos do pas.

IMPAGVEL , ao mesmo tempo, a palavra que faz todo mundo rir, esquecendo os momentos difceis e s vezes insuperveis. E lembra, sem que possamos esquecer de modo algum, o maior obstculo para provocar o enriquecimento geral, que a chamada DVIDA INTERNA.

O Brasil jamais teve DVIDA INTERNA. O que assustava era a DVIDA EXTERNA, que comeou com a independncia em 1822. Portugal devia Inglaterra, esta queria que algum pagasse ou parcelasse. O Brasil aceitou, como recusar?

Sem liberdade e com os juros sobre juros, essa DVIDA, digamos, foi arruinando o pas. Em 1960, fim do governo JK, j estava em 1 bilho de dlares, e foi crescendo.

Quase terminando a ditadura, j beirava os 200 bilhes, fora os juros, amortizados e renegociados.

(O nico presidente que se recusou a renegociar e expulsou de seu gabinete o Rotschild audacioso foi Prudente de Moraes, em 1896. Mas logo veio Campos Salles, que foi a Londres renegociar, que Repblica).

A DVIDA INTERNA comeou em 1994/95, lgico com FHC, o homem do retrocesso de 80 anos em 8. Foi crescendo violentamente, quando Lula assumiu j era de 700 BILHES. O juro sobre essa DVIDA j estivera em 44 por cento (vejam a loucura que era o pagamento, perdo, amortizao dessa DVIDA).

Durante mais de 30 anos, combati diria e desassombradamente essa DVIDA que sugava todo o esforo do trabalho de mais de 150 milhes de pessoas. (Na poca). As multinacionais recebiam esses juros espantosos, enquanto o total ia crescendo, fizeram tudo para que eu parasse a luta, no conseguiram nada.

Exigiram ento minha cassao, o que ocorreu em 1966, 3 dias antes da eleio, na qual, segundo as pesquisas, eu seria o deputado federal mais votado no MDB. No meu livro sobre Fernando de Noronha, que a ditadura no deixou que a Nova Fronteira (editora de Carlos Lacerda) publicasse, conto toda a histria.

Depois passei a combater tambm a amortizao da DVIDA INTERNA, cujos ttulos (apropriadamente chamados de BNUS) esto em quase dois teros na mo dos banqueiros multinacionais (globalizados), e um tero de posse de brasileiros (?).

FHC, que, como est dito, chegou a pagar 44 por cento de juros, entregou o governo a Luiz Inacio Lula da Silva, com a remunerao da DVIDA QUE NO DEVAMOS em 26 por cento. isso que se chama de CRIME CONTRA A PTRIA?

Sabendo que nas relaes financeiras globalizadas, existiam duas palavras amaldioadas, CALOTE ou MORATRIA, embora reiterando que o Brasil no DEVIA nada, fiz a proposta correta, digna, irrefutvel, indiscutvel e irrespondvel da AUDITORIA.

Eu propunha APENAS (na explorao internacional existe lugar para esse APENAS?) que se explicasse opinio pblica como que uma DVIDA INTERNA, que comeara quase de forma insignificante, inesperadamente atingia o nmero que atingiu?

Para terminar por agora: chegamos a pagar de juros 150 BILHES DE REAIS POR ANO. O governo Lula, sem ter como pagar e sem a audcia para negociar, enganou o cidado, dizendo: Estamos ECONOMIZANDO 90 BILHES POR ANO. No economizaram nada, era o que chamaram gozadoramente de SUPERVIT PRIMRIO, que no existe no mundo inteiro e na economia.

* * *

PS O que existe DFICIT ou SUPERVIT. Primeiro excrescncia. J imaginaram, esses 150 BILHES ANUAIS, investidos em INFRAESTRUTURA, mais ou menos como fazem EUA, ndia e China?

PS 2 Um dia, na distncia dos tempos, se os juros cassem para 5 por cento, (o que no acontecer de maneira alguma) a DVIDA subiria, no mnimo, para DOIS TRILHES. Ento, estaramos pagando de juros 100 BILHES, m-i-s-e-r-a-v-e-l-m-e-n-t-e. Mas ainda com a ECONOMIA FALSIFICADA DO DEFICIT PRIMRIO. Aqui, Del Rei.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

2 thoughts on “A dvida impagvel, de 1 TRILHO e 400 BILHES, que no provoca nenhuma risada em 190 milhes

  1. Quando Jango foi aos EUA, em 1963 para pedir mais prazo, prestaes menores emenda juros, tudo negado , a dvida externa era de 2 bilhes e 500 milhes de dlares .o capital internacional exigiu, dentre outras condies , a indenizao da Cia de Energia Eltrica do RGS, algo em torno de 150 milhes de dlares enquanto a Justia Gacha, pelo Dr Danilo Frasca, arbitrou em 18 milhes . Fracassou o Jango e sobreveio 1964.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.