A agonia de Frei Tito, nas mãos do major Albernaz

Fernando de Santa Rosa

Em “O Globo” do dia 23/11/1984, deparei-me com notícia publicada sob o título: “Exército prende Major que dava golpes como Coronel”.

Surpreso, verifiquei tratar-se do major reformado BENONE DE ARRUDA ALBERNAZ, uma das mais raras “pérolas” das cultivadas pelo regime ditatorial implantado em 1964.

Notabilizou-se ele pela combinação da truculência irracional da pior das bestas feras, com a covardia dos sádicos, o que permitiu que fosse traçado seu perfil de grande torturador e homicida.

Entre seus vários crimes, lembro-me da descrição da “Paixão e Morte de Frei Tito”, no livro “Batismo de Sangue”, de autoria de Frei Beto.

No dia 17 de fevereiro de 1970, aquele frei dominicano foi transferido do Presídio Tiradentes para a sede da Operação Bandeirantes, a famigerada “OBAN”, em São Paulo, onde, no dia seguinte, o major em questão, chefe da equipe da pesada, apareceu.

OPERAÇÃO OBAN

Começando a manipular os eletrodos para os competentes choques elétricos, disse: “Quando venho para a “OBAN” deixo o coração em casa” (como se ele realmente o possuísse). Odeio padres e não há nada que me impeça de matar um terrorista. guerra é guerra.”

Lógico que guerra é guerra. E militar só se realiza, profissionalmente, numa guerra porém, como há militares e militares, há guerras e guerras.

E por tratar-se de um desonroso tipo de guerra, forjado por um desprezível militar, veio-me à lembrança outra figura, desta vez argentina, a do comandante Astiz, notabilizado como “herói, de outra famosa guerrinha contra a juventude argentina que ousava discordar do também regime ditatorial ali implantado. Matou e torturou à saciedade em nome da pátria.

Ocorre que não tardou a surgir uma guerra de verdade e desta vez contra a Inglaterra. E lá foi o famigerado comandante, não mais para torturar e matar jovens indefesos e sim, se preciso fosse, morrer pela pátria, que, supostamente, em defesa da qual, cometera tantos crimes covardes contra seus compatriotas.

Recebeu o comando das Ilhas Geórgia e, quando os ingleses lá chegaram, o pífio herói, em vez de defender sua pátria, honrosamente, até a morte, “assinou sua rendição sem dar um tiro sequer”, mostrando, assim, toda a extensão de sua covardia e pequenez.

ALBERNAZ

Com a imaginação criadora de um autêntico irmão de Satanás, Albernaz resolveu, em meio a uma “heróica sessão de tortura”, pois esta era a sua “guerra”, promover humilhação maior ao religioso inerte e sem defesa, ordenou-lhe: “abra a boca para receber a óstia sagrada.” E introduziu um fio elétrico cuja descarga arrebentou a boca de Frei Tito.

Com a alma atormentada e enlouquecida, Frei Tito suicidou-se, em 07/08/1974, enforcado em uma árvore de um convento perto de Lyon, França.

E esta pérola da ditadura de 1964, militar frustrado, que procurou se realizar, profissionalmente, numa “guerra infame e desonrosa”, tão somente para agradar os donos do poder e, com isto promover-se, aí está. Desta vez ostentando mais outros galardões no peito: além das medalhas de torturador e assassino, também as de estelionatário e de crime por falsa identidade.

A Nação não deseja revanchismo. Exige, sim, julgamento por crime de homicídio e tortura. Não existe anistia para homicidas e torturadores do Estado. A anistia é para aqueles que cometeram atos políticos delituosos contra o estado e não a favor do Estado.

Fernando de Santa Rosa é advogado
e capitão-de-mar-e-guerra reformado

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

14 thoughts on “A agonia de Frei Tito, nas mãos do major Albernaz

  1. Prezado e querido Santa Rosa. Quanto tempo, não é? Espero que você esteja excelente.
    Mas vamos ao tema. A Nação não deseja revanchismo. Como não me chamo Nação, mas Paulo Solon, desejo e prego revanchismo contra esse idiota com problemas sexuais não resolvidos. Eu tenho filho que, nessa época que você citou, era adolescente e militante. Mas eu estava de olho. Tranquilamente colocaria meu uniforme e iria ao encontro desse Albernaz, e sem falar nada, dar-lhe-ia um tiro na testa à queima roupa, ainda que eu fosse abatido a seguir, caso ele tivesse feito isso com meu filho.
    Esse meu filho havia sido arregimentado por uma comunidade chamada Meninos de Deus, com sede em Santa Tereza, bairro do Rio de Janeiro. A mãe me pediu ajuda para tirá-lo de lá. A única ajuda que me ocorreu foi ir lá, bater à porta da tal comunidade, dando 24 horas para que meu filho saísse de lá, do contrário eu levaria sargentos e cabos sob o meu comando, invadiria o local, retiraria todos os “meninos de deus” e atearia fogo na casa, com gasolina, calcinando tudo.
    Claro que o garoto voltou pra casa no mesmo dia.
    Sou a favor da revanche.
    Grande abraço.

  2. Tantas anistias houveram no Brasil, porque após 30 anos, alguns poucos brasileiros querem revogar uma lei que foi ansiosamente esperada pelo povo, escrita pelo congresso e sancionada, a contra gosto por J B Figueiredo?

  3. Concordo com Paulo Solon.
    Não sei se monstros como esse Albernaz deveriam morrer, mas com certeza deveriam apodrecer numa cela imunda.

  4. Eu também sou a favor da revanche. Tem muitos terroristas, assassinos, que merecem o castigo, a cadeia. Mas, graças à Lei da Anistia, quase todos receberam polpudas indenizações, usufruem de aposentadorias, tudo às nossas custas. E até conseguiram chegar ao poder. Tudo isso graças à Lei da Anistia. Meus pais e meus avós, trabalhadores simples, foram às ruas para exigirem que as Forças Armadas impedissem que essas porcarias transformassem o nosso País em uma Cuba, em uma Coréia do Norte. Se for necessário, nós honraremos a memória deles.

  5. Grato, Mauro Julio. Chicão da Serra tem suas razões. Violência tem que ser combatida com mais violência.
    Aceito discordância no campo das idéias. Se pintar violência, entro na jogada, para o que der e vier.

  6. A “coragem” e a “honra” dos adeptos da ditadura milico-servil tupiniquim e da tortura institucionalizada escorre fácil e fétida, não só pelas privadas, como também pelas palavras insanas e nauseabundas de quem tomou gosto pelo próprio vômito.

  7. Gente, no tocante a essa materia de torturadores da ditadura militar mais do que manjados e expostos ao público desde a morte do Sergio Fleury, voces estão se esquecendo ou ignoram o que vem acontecendo desde que Lula chegou ao poder. Vou relembrar. Romeu Tuma foi o chefão civil da ditadura militar, chefe inclusive do notório torturador delegado Fleury. Durante TODO o governo Lula foi acobertado e premiado até com a nomeação de seu filho, Tuma Junior, para um alto cargo do ministério da Justiça, apesar de seu envolvimento com o mafioso chinês Li Kwok Kwen, vulgo Paulo Li. No finalzinho de seu governo, um procurador paulista decidiu questionar no judiciário a legalidade da legislação de anistia extensiva a torturadores de presos políticos por contrariar tratado assinado pelo Brasil. Então, o próprio Lula, que durante 8 anos sucateou a Comissão de Anistia do ministério da Justiça, procrastinando processos de vítimas e restringindo direitos delas, que jogou a AGU contra as que exigiam seus direitos no Judiciário, ACIONOU essa mesma AGU para emitir um parecer visando BLINDAR torturadores.Contou até com a cumplicidade do STF.O governo Dilma segue a mesma linha e faz pior. O caso do ex preso político e torturado Diniz Cabral Filho é vergonhoso. Esse militante caiu por culpa da atual presidenta, que, torturada ou temerosa de tortura, não posso garantir, abriu o “ponto”que ela tinha com o ele defronte ao restaurante Salazar na capital paulista, logo após ser presa em dezembro de 1969. Pois bem. O Diniz era um militante de mais idade, que já vinha sendo procurado com prioridade pela ditadura desde que foi identificado pela CIA no exterior em 1966, junto com Tarzan de Castro, Derly José de Carvalho e outros mais. Resultado para simplificar: foi torturado e cumpriu pena em companhia do Nilmário Miranda. O seu processo de recurso (?) na C de Anistia do MJ data de 2008, como pode ser facilmente comprovado no site do MJ. Com a própria Dilma toda poderosa no Gabinete Civil permaneceu o processo protelado até 2012, já então sob a presidencia dela. Foi formada então uma Caravana, dessas de autopromoção de picaretas jovens do governo, para anistiar militantes em 19 de abril de 2012 na cidade de Bauru, SP, que o próprio Nilmärio confessa em seu blog que lá esteve. Aí, então, o Diniz teve o pedido deferido, é claro, pois não podiam negar para evitar escândalo. Que passou então? Nada vezes nada, isto é, nenhum benefício foi concedido ao Diniz. No dia 1 de abril deste ano, o Diniz Cabral Filho falece SEM TER PODIDO AUFERIR SEUS BENEFÍCIOS. Então, NO DIA 2 DE MAIO DO PRESENTE, 31 dias após o seu falecimento, o governo da própria Dilma, que prejudica as vítimas da ditadura restringindo-lhe direitos e protelando processos para que morram sem benefícios, publica PORTARIA e manda AVISO ao militante MORTO que até no poder ela prejudicou quando vivia. Comprovem voces mesmos e tirem as conclusões. Por essas e muitas outras que não acredito na sinceridade e decência dessa gente que nos governa. Jogam duplo e enganam incautos.

  8. Estarrecedor, mas não surpreendente! Refiro-me à narrativa do comentarista Iaco Silva.
    Einstein, o grande cientista, já havia declarado em seu livro Como Vejo o Mundo: “Testei o homem. É um inconsequente.”
    É por isso que não abraço qualquer ideologia, mesmo de suposta natureza espiritual. Questiono qualquer autoridade. Tenho simpatia pelo anarquismo. Com a idade, ainda estou ficando mais cético de tudo, e de todos.

  9. Me“emociono”, “pranteio”, com a “indignação seletiva” por parte de colaboradores deste Blog, em relação as atrocidades cometidas durante o regime militar no Brasil.
    Estas “almas sensíveis”,se esquecem, de propósito, é claro, que pretendiam implantar aqui no Brasil, uma ditadura marxista leninista, da pior espécie, inspirada no modelo soviético -cubano, que produziu milhões de assassinatos, torturas, e todo tipo de miséria.
    Se tivemos tortura no Brasil, na verdade, aqueles que foram torturados, pretendiam também implantar uma ditadura comunista que legitima a tortura, o assassinato, e busca impor uma sistema cruel, historicamente derrotado.
    O numero de pessoas mortas, torturadas, assassinadas, durante o regime militar no Brasil, não chegou a 10 mil, um valor diminuto comparado aos mesmos episódios ocorridos em Cuba, Rússia, China, etc.
    É hipocrisia, cinismo,condenar aquilo que não se respeita, quando estão no Poder. Os que foram torturados, executados, aqui no Brasil,não eram melhores do que os seus algozes. Perderam, e estávamos em guerra declarada.

  10. Está falando bobagens, seu João Camarinha, principalmente com relação à Russia e à China.
    Não fosse o comunismo e a ditadura de Stalin, que entrou na refrega a pedido de Churchill e de Roosevelt, o nazismo não teria sido derrotado, dentro de casa, na Alemanha. Nem o fascismo da sua direita radical mussolinista, franquista e salazarista. Hitler era apoiado pelo papa Pio XII, que até mandava mensagens parabenizando o tirano nazista pelo seu aniversário. Mussolini, o generalíssimo Franco e o fascistão Salazar eram católicos radicais e ditadores perversos. A Russia virou uma superpotência impulsionada pelo comunismo. Vá ler um pouco de História.
    O mesmo aconteceu na China. Graças ao comunismo de Mao Tse-tung, a China virou uma superpotência. Hoje já pode se dar ao luxo de abrandar um pouco o comunismo, mas continua sendo governada pelo Partido Comunista Chinês.
    Aqui mesmo na Tribuna da Imprensa, em sua fase impressa, o grande mestre e jornalista Helio Fernandes reconheceu várias vezes que Mao Tse-tung havia trazido a China do século décimo para o século vinte. Está me parecendo que você é um pretencioso egocêntrico e um ignorante histórico.
    “Nós devemos banir de nossas fileiras toda a ideologia feita de fraqueza e de impotência. São errados os pontos de vista que sobrestimam a força do inimigo e subestimam a força do povo” (declaração de Mao Tse-tung sobre A situação atual e nossas tarefas”, em 25 de Dezembro de 1947).
    Com Mao, a China logo virou uma potência nuclear.

  11. Esta “estória” de que ” queriam implantar aqui uma ditadura marxista leninista, da pior espécie” é um slogan tão infantil e
    idiota, que é incrível como pessoas, após longos anos ainda acreditam nisso. O USA (Estados Unidos da América) sempre inventam/criam pretextos p/ intervirem (direta/indiretamente)em países onde tem interesses políticos ou econômicos, exemplos recentes hoje não mais c/ o slogan antigo (de livrar o país do comunismo)como foi o caso do Iraque, afeganistão, Líbia, Síria etc, etc. Na verdade hoje sabemos que o principal objetivo era o petróleo iraquiano, sem falar do Irã.Os meios de comunicações sempre foram aliados dos golpistas além da Igreja católica,no final tbém foram “vítimas” dos própios
    aliados.Vamos lembrar dos antecedentes militares, sem ameaça comunista, 1961 (posse de João Goulart) 1957. governo de J.K.
    levante da aeronáutica (Araguarça), 1963, morte de Getúlio. Nossa “república” começou com golpe militar–Mal. Deodoro, outro golpe em seguida—Mal. Floriano.Vamos aprender história do nosso país, aqui mesmo, com o prof. Hélio Fernandes. Chega de repetir asneiras, temos de conhecer melhor nosso país. Aqui, os americanos, não precisam intervirem c/ tropas militares, nem drones, nossos governantes entregam as riquezas e tudo o mais mediante propinas. Todos eles.

  12. Tortura é tortura. Um crime hediondo, condenado até nas guerras pela convenção de Genebra.
    Mas o fato é indiscutível é que essa meia dúzia de gatos pingados que pegou em armas contra os militares, não queriam acabar com ditadura nenhuma. Queriam tomar o poder para implantar a deles, igual ou pior, em que a tortura também é de praxe.

  13. Fernando, Frei Beto(não é padre)entrevistado pelo Roberto D’Davila, diz sem ser perguntado: Quem denunciou Marigella foram os inacianos. Mas, a pergunta que se impõe é: Quem denunciou os inacianos? Frei Beto em seu livro fala que ajudou muitos a cruzarem as fronteiras do RGS. Você sabe que, implantada a ditadura em 1964,era a coisa mais dificil atravessar a fronteira fortemente vigiada pelo Exército, Brigada, Gaucha e Polícia Civil. Frei Tito também foi “dedurado”. Essa turma toda que frequentava “os inacianos”, inclusive Frei Beto, são pouco confiáveis. No mínimo um deles era agente dúplo.

  14. Em primeiro lugar, Paulo Oslon, não me dirigi ao Sr;ademais, não lhe conheço, e não falo com desconhecidos, não falo com qualquer um. E mais,o artigo que comentei não foi escrito por você.
    Quem é Paulo Oslon? Algum padre,algum matemático, milionário, escritor? Nunca ouvi falar, é um ilustre desconhecido para mim.
    Quem falou bobagens, tolices, foi o sr; Paulo Oslon.
    Fascismo, nazismo, comunismo,são primos irmãos, são sistemas totalitários que se fundamentam no controle completo da vida econômica-social. Não existe qualquer semelhança entre o sistema político- econômico liberal com o nazismo. Esta é uma mentira, uma das muitas, criada pelos comunistas para enganar incautos.
    Mussolininão foi direitista, coisa nenhuma, mas sim um socialista, como provam os melhores autores da História contemporânea.
    A participação decisivados E.U.A, foi determinante na vitória dos aliados na Segunda Guerra Mundial, com a invasão da Normandia, o Dia D, determinou-se o ponto de inflexão daquele conflito, sendo esta a maior batalha travada na História, onde os russos não tiveram qualquer participação.
    “A Segunda Guerra Mundial foi preparada e provocada deliberadamente pelo governo soviético desde a década de 20, naquilo que constituiu talvez o mais ambicioso, complexo e bem-sucedido plano estratégico de toda a história humana. O próprio surgimento do nazismo foi uma etapa intermediária, não de todo prevista no esquema originário, mas rapidamente assimilada para dar mais solidez aos resultados finais.
    Os documentos dos arquivos de Moscou reunidos pelos historiadores russos Yuri Dyakov e Tatyana Bushuyeva em “The RedArmyandtheWehrmacht” (Prometheus Books, 1995) não permitem mais fugir a essa conclusão.”
    Os Srs. Stálin, Mao Zedong, Lenin, foram responsáveis pelo assassinato de 80 milhões de pessoas,e já foram para o esgoto da História. Todo o “knowhow de atrocidades”,as técnicas de tortura, matanças, campos de concentração, adotadas pelos nazistas, foram aprendidas com os “brilhantes mestres” comunistas russos citados.
    Vá devagar com a sua prepotência de falso conhecedor, Paulo oslon, pois é cretinice, burrice crônica,ser stalinista em pleno século XXI, bem como, achar que só o Sr. tem acesso aos livros e ao conhecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *