A Alemanha é exceção? Por que a taxa de mortalidade por coronavírus no país é baixa?

Como a Alemanha avança para conter o novo coronavírus e salvar ...

Governo da Alemanha se preocupou em produzir milhões de testes

Katrin Bennhold
The New York Times

Eles os chamam de táxis corona: médicos equipados com equipamentos de proteção, dirigindo pelas ruas vazias de Heidelberg para verificar pacientes que estão em casa, cinco ou seis dias depois de ficarem doentes com o coronavírus.

Eles fazem um exame de sangue, procurando sinais de que um paciente está prestes a entrar em um declínio acentuado. Eles podem sugerir hospitalização, mesmo para um paciente que apresenta apenas sintomas leves; as chances de sobreviver a esse declínio aumentam bastante estando em um hospital quando ele começa.

PRIMEIRA SEMANA – “Existe esse ponto de inflexão no final da primeira semana”, disse o professor Hans-Georg Kräusslich, chefe de virologia do Hospital Universitário de Heidelberg, um dos principais hospitais de pesquisa da Alemanha. “Se você é uma pessoa cujos pulmões podem falhar, é aí que você começa a se deteriorar.”

O vírus e a doença resultante, Covid-19, atingiram a Alemanha com força: de acordo com a Universidade Johns Hopkins , o país teve mais de 92.000 infecções confirmadas em laboratório a partir do meio-dia de sábado, mais do que qualquer outro país, exceto Estados Unidos, Itália e Espanha.

Mas com 1.295 mortes, a taxa de mortalidade da Alemanha ficou em 1,4%, em comparação com 12% na Itália, cerca de 10% na Espanha, França e Grã-Bretanha, 4% na China e 2,5% nos Estados Unidos. Até a Coréia do Sul, um modelo de achatamento da curva, tem uma taxa de mortalidade mais alta, 1,7%.

ANOMALIA ALEMÃ – “Fala-se de uma anomalia alemã”, disse Hendrik Streeck, diretor do Instituto de Virologia do Hospital Universitário de Bonn. O professor Streeck tem recebido ligações de colegas nos Estados Unidos e em outros lugares.

‘O que você está fazendo de diferente?’ eles me perguntam”, ele disse. “‘Por que sua taxa de mortalidade é tão baixa?’”

Existem várias respostas que os especialistas dizem, uma mistura de distorções estatísticas e diferenças muito reais de como o país assumiu a epidemia. A idade média dos infectados é menor na Alemanha do que em muitos outros países. Muitos dos primeiros pacientes pegaram o vírus nas estâncias de esqui austríacas e italianas e eram relativamente jovens e saudáveis, disse o professor Kräusslich. “Começou como uma epidemia de esquiadores”, disse ele.

MAIS MORTES  – À medida que as infecções se espalham, mais pessoas idosas foram atingidas e a taxa de mortalidade, apenas 0,2% há duas semanas, também aumentou. Mas a idade média para contrair a doença permanece relativamente baixa, aos 49 anos. Na França, é 62,5 e na Itália 62 , segundo seus últimos relatórios nacionais.

Outra explicação para a baixa taxa de fatalidade é que a Alemanha está testando muito mais pessoas do que a maioria das nações. Isso significa que captura mais pessoas com poucos ou nenhum sintoma, aumentando o número de casos conhecidos, mas não o número de mortes.

“Isso reduz automaticamente a taxa de mortalidade no papel”, disse o professor Kräusslich.

Mas também existem fatores médicos significativos que mantiveram o número de mortes na Alemanha relativamente baixo, dizem epidemiologistas e virologistas, entre os quais se destacam testes e tratamentos precoces e generalizados, muitos leitos de terapia intensiva e um governo confiável, cujas diretrizes sociais de distanciamento são amplamente observadas.

RAPIDEZ E EFICIÊNCIA – Em meados de janeiro, muito antes de a maioria dos alemães ter pensado muito no vírus, o hospital de Charité, em Berlim, já havia desenvolvido um teste e publicado a fórmula online.

Quando a Alemanha registrou seu primeiro caso de Covid-19 em fevereiro, laboratórios em todo o país haviam construído um estoque de kits de teste.

“A razão pela qual nós, na Alemanha, temos tão poucas mortes no momento em comparação com o número de infectados pode ser explicada em grande parte pelo fato de estarmos fazendo um número extremamente grande de diagnósticos de laboratório”, disse o Dr. Christian Drosten, virologista chefe da Charité. , cuja equipe desenvolveu o primeiro teste.

TESTES E MAIS TESTES – Até agora, a Alemanha está realizando cerca de 350 mil testes de coronavírus por semana, muito mais do que qualquer outro país europeu. Testes iniciais e generalizados permitiram às autoridades retardar a propagação da pandemia, isolando casos conhecidos enquanto eles são infecciosos. Ele também permitiu que o tratamento para salvar vidas fosse administrado em tempo hábil.

“Quando eu tenho um diagnóstico precoce e posso tratar pacientes precocemente – por exemplo, colocá-los em um ventilador antes que se deteriorem – a chance de sobrevivência é muito maior”, disse o professor Kräusslich.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
–   Sensacional reportagem, enviada por José Vidal, sempre atento ao Brasil e ao mundo. Mostra que a Alemanha está dando uma aula de atendimento a seu povo. (C.N.)

 

 

35 thoughts on “A Alemanha é exceção? Por que a taxa de mortalidade por coronavírus no país é baixa?

  1. Temos que levar em conta que a Alemanha é riquíssima e o número de habitantes é bem menor.

    Diferente da Alemanha no nosso país só resta pedir a Deus, caso Ele exista, para nos poupar.

    O caso nosso é o seguinte: se correr o bicho pega se ficar o bicho come.

    Com mais de 30 milhões de informais que precisam ir às ruas para se alimentar….

  2. Senhores políticos :
    Comunicamos que por razão de força maior, a partir de amanhã mesmo, nós, cidadãos brasileiros, não poderemos continuar pagando seus salários.
    Tal motivo se deve ao fato que seus serviços não foram enquadrados dentre aqueles considerados essenciais neste momento (nenhum dos senhores foi visto trabalhando nos hospitais, nem dirigindo caminhões, ônibus ou ambulâncias, nem repondo produtos nos supermercados).
    Recomendamos que os senhores fiquem em quarentena até que a crise do Corona vírus passe, devido a má condução política desse momento de crise.
    Uma vez terminado o período de quarentena, analisaremos o trabalho profissional de vocês, um a um, para vermos se é necessário e se estamos em condições de renovar seus mandatos.
    Visto que a arrecadação de impostos está diminuindo e esta é a fonte do pagamento de seus salários, auxílio paletó, auxílio moradia, auxílio educação, plano de saúde para os senhores e seus dependentes, diárias, cartão de crédito, produtos de beleza, carros oficiais, etc., nada mais justo que os senhores deem assim sua parcela de contribuição durante essa crise.
    Atenciosamente,
    Os cidadãos brasileiros.

    Quem concorda,copia e cola.

  3. Lá começou com os que foram esquiar na Áustria, aqui com os que foram passear ou trabalhar na Europa e estes que foram à China ou receberam pessoas daquelas plagas.
    Minha grande preocupação é que apareça um vírus que faça o caminho inverso.

  4. Tudo isto tem uma causa, estrutura e prevenção, o Brasil é o país mais rico da América Latina, porém, um dos mais corruptos, a Alemanha não agiu rápido, seguindo a orientação de especialistas e não de doidos que pode levar a um número de mortos grande, é parar de falar bobagens é investir em ciências.

  5. Em tradução simultânea, a Alemanha adotou a “medicina de guerra”, isolando quem se contagiou e os grupos de risco … no Brasil, por um lado, adotou-se o FiqueEmCasa ameaçando com cadeia quem precisa ganhar o pão de cada dia, por outro decretou-se “economia de guerra” para bombar os negócios da China dos políticos.

    A “medicina de guerra” alemã emprega meios “de fortuna” para socorrer o povo; a “economia de guerra” brasileira é um meio “de fortuna” para locupletar ladrões.

    Cadê as máscaras, epi e respiradores vendidos pela China para combater o vírus chinês, ministro Mandetta? Fizemos pagamento adiantado, como os portugas? Vamos receber o material antes ou depois da mortandade? Já pedimos socorro pra OMS?

    #FiquemosTodosEmCasa, a bandidocracia zela por nós.

  6. Tudo isto tem uma causa, estrutura e prevenção, o Brasil é o país mais rico da América Latina, porém, um dos mais corruptos, a Alemanha agiu rápido, seguindo a orientação de especialistas e não de doidos que pode levar a um número de mortos grande, é parar de falar bobagens é investir em ciências.

  7. O único caso em que a população inteira de um povoado foi testada ocorreu na Itália. Num município chamado Vò. Mas a população somava 3000 habitantes. Nesse povoado conseguiu-se isolar todos os contaminados.

  8. “Outra explicação para a baixa taxa de fatalidade é que a Alemanha está testando muito mais pessoas do que a maioria das nações. Isso significa que captura mais pessoas com poucos ou nenhum sintoma, aumentando o número de casos conhecidos, mas não o número de mortes.”

    -Ora, quando um doente apresentar os primeiros sintomas respiratórios graves, entre o 12 e 14 DIAS depois da contaminação, ocasião em que buscará um hospital com crise respiratória aguda, já terá contaminado muita gente antes.
    -O problema é: Como fazer isso em um país falido, onde os serviços PÚBLICOS de saúde (Lembra-se da CEME, Central de Medicamentos?) foram intencionalmente sucateados e onde faltam médicos e até Aas infantil?

    PS: Senhores jornalista, ENTREVISTEM O JOBIM. Afinal, foi ele que escolheu o que deve ser prioridade no uso dos impostos dos brasileiros.

  9. A Alemanha é exceção ? Porque a taxa de mortalidade na Alemanha é baixa ? Porque no Brasil os resultados nao são como na Alemanha ?

    HISTÓRIA RECENTE DO SISTEMA PÚBLICO DE SAÚDE NO BRASIL , QUE ANTES ERA INAMPS E DEPOIS FOI CRIADO O SUS NA CONSTITUIÇÃO DITA “CIDADÔ

    EDNEI JOSÉ DUTRA DE FREITAS

    Trabalhei por 35 anos ininterruptos no Sistema Público de Saúde, e comecei a trabalhar no PAM-BANGU da cidade do Rio de Janeiro quando ainda não havia o SUS. Era o INAMPS, hoje extinto.

    O INAMPS foi feito para atender tão somente pessoas que tinham Carteira de Trabalho, isto é, pessoas com vínculo com o INSS. Aqueles que não tinham Carteira de Trabalho não eram atendidos.

    Mais tarde, um governo federal da época (já não me lembro mais quem era o Presidente da República, mas parece-me que foi o presidente Itamar Franco) , liberou, para atendimento no INAMPS, qualquer cidadão brasileiro ou estrangeiro, com ou sem Carteira de Trabalho que precisasse de atenção à Saúde, tudo custeado pelo INSS, que era a matriz de todos os Institutos de Previdência, como INAMPS, IAPAS, etc.

    Mais tarde, anos depois, foi implantado o SUS que igulamente estava destinado a atender a todos que precisassem de atendimento médico ou paramédico, também sem exigência de apresentar Carteira de Trabalho ou qualquer outro documento, agora vinculado ao Ministério da Saúde. No INAMPS não faltava nada : nem médicos, nem enfermeiros, nem respiradores para pacientes em coma, nem medicamentos e todos eram asistidos 24 horas por dia. A alimentação dos funcionários (e pacientes, claro) era feita por funcionários do INAMPS para funcionários de nível superior, nível médio e maqueiros ou funcionáris da limpeza. Não havia empresas terceirizadas para qualquer serviço médico hospitalar, exceto consertos em aparelhos ou leitos com defeito. Foi também no INAMPS, que um MACHO que era administrador do governo da folha de pagamentos dos funcionários do INAMPS (infelizmente eu não lembro o nome deste MACHO) determinou que todos os funcionários do INSS, incluindo o INAMPS, só fossem pagos em seus proventos pelo BANCO DO BRASIL.Nada de conchavo com bancos privados. Já se passaram décadas, e nenhum administrador federal para pagamento de funcionários se atreveu a mudar esta normativa assinada por este MACHO. Até hoje, os agora funcionários do Ministério da Saúde, que substituiu o INAMPS , só pagam salários aos funcionários de carreira pelo BANCO DO BRASIL.

    Todavia, com os sucessivos governos, com os sucessivos presidentes da República, a partir da metade do governo FHC o SUS foi sendo sucateado,

    Quando o Sistema de Saúde era o INAMPS, tudo funcionava muito bem. Mas hoje, como V. Sas. podem ver nos noticiários confiáveis, os hospitais e Postos de Saúde do SUS são uns dos piores do mundo : estão sucateados, faltam profissionais, faltam insumos, não se faz mais concursos públicos para repor o pessoal aposentado, falta tudo !

    O governo Bolsonaro não tem qualquer culpa nisso, porque já pegou o SUS como um navio indo a pique, e não há recursos federais para consertar este estrago.

    Não sei como funciona o Sistema de Saúde nos Estados Unidos, mas sei que Trump sabotou e precarizou o OBAMACARE, por rivalidade política. O OBAMACARE foi criado pelo presidente Barack Obama para dar acesso não a todos, mas para muitos residentes nos EUA, nativos ou estrangeiros, a terem atendimento médico hospitalar e ambulatorial.

    O Sistema de Saúde nos EUA é todo privatizado, o que significa que os empresários que têm a posse de hospitais e ambulatórios, obviamente não trabalham de graça, e seus hospitais e ambulatórios cobram dos pacientes pelo atendimento hospitalar ou ambulatorial. O que significa que pobres, miseráveis e moradores de rua, nos EUA, não têm acesso ao Sistema de Saúde norte-americano e, doentes, ficam a ver navios, isto é, esperando a morte.

    Voltando ao funcionamento do SUS, na atualidade, era previsível o que ora está denunciando a pneumologista da Fiocruz, Margaregh Dalcomo, que diz : “Estão ocorrendo mortes por coronavirus sem diagnóstico na Rede Pública” , isto é, no SUS. E Margaregh Dalcomo defende o isolamento radical para que o Covid-19 não custe ainda mais caro.

      • Agradeço pelas sua palavras, prezado confrade Jose Vidal. Eu espero ainda estar vivo para ver o Serviço Público de Saúde se reorganizar, pelo menos no modo do extinto INAMPS, apesar de eu já estar com 72 (este ano faço 73) anos de idade. O Brasil tem riquezas naturais para se recuperar. Só falta escolha melhor pelos eleitores nas eleições que estão por vir.

        Abraços, e Saúde !

    • Caro Edney, além da valorização da CIÊNCIA como o único meio de salvação…

      -Tomara que essa doença sirva para UNIVERSALIZAR o atendimento de saúde por todo o mundo, para todas as pessoas, e, no caso do Brasil, para quebrar a MÁFIA dos planos de saúde, pois quando o caldo engrossa nessa terra, sempre jogam os doentes mais caros nas mãos dos contribuintes.

      -Tomara que os políticos, PILANTRAS que faliram a saúde pública porque tenham a certeza que NUNCA precisariam cruzar um batente de um hospital público, percebam que, para as doenças pandêmicas, não existem castas ou foros especiais.

      -E, desta vez, muros altos, cerca elétrica, seguranças armados, câmeras, jatinhos exclusivos, salas vip em aeroportos, morar em área nobre, carros blindados e gravata não fazem a menor diferença para a doença.

      -E, desta vez, não poderão ir para Portugal, tomar vinho francês às custas dos brasileiros, conforme sempre fizeram e planejavam fazer, se o caos verdadeiramente se instalar por aqui…

      Abraços.

      • Pois é, meu ´prezado confrade Francisco Vieira – Brasília, DF :

        Primeiramente, agradeço-lhe pelo comentário. O governo FHC acabou por falir com o INAMPS e extinguí-lo, durante seu mandato. O INAMPS já vinha sendo sucateado por governos anteriores, mas ainda funcionave.

        Mas foi no governo FHC que não coincindentemente, sempre ao lado de empresários gananciosos, criou-se, por uma brecha na Constituição dita “Cidadã” a picaretagem extorciva dos chamados “Planos Privados de Saúde” , com o pretexto de que estes planos seriam de “Saúde Complementar” para auxiliar o SUS , na grande demanda de pacientes. Mas, na verdade, os planos de saúde custam os olhos da cara, e só muito pequena parcela da população, isto é, a classe média alta e os ricos têm acesso a estes Planos de Saúde Privados, de empresários gananciosos.

        Eis a Lei e a data em que FHC criou os Planos privados de Saúde, sucateando o SUS , que ficou no estado que está hoje esta importante insituição pública, herdeira do extinto INAMPS :

        “Desde que a lei 9.656/98 entrou em vigor, no dia 2 de janeiro de 1999, são oferecidos no Brasil basicamente cinco tipos de planos e seguros: ambulatorial, hospitalar, ambulatorial+hospitalar, com ou sem obstetrícia, odontológico e referência. As operadoras podem oferecer cada segmentação como um tipo de plano ou combinar as segmentações para formar um plano e oferecer aos beneficiários, que podem escolher a melhor opção de acordo com suas necessidades.

  10. “Temos que levar em conta que a Alemanha é riquíssima “ blábláblá

    Fala sério! A Alemanha não tem nenhum empréstimo que pague juros altíssimos. Tem a chave do cofre a UE. Sempre foi austera. Aplicou recursos no social. Desenvolveu seu parque tecnológico. Distribuiu riqueza taxando as fortunas recebidas por pessoas e heranças. Nunca brincou com a Política não importa se governada pela direita ou esquerda, tratando como deve ser tratada a política pública. Um exemplo de como lidar com o passado nazista, não deixando no esqueci-mento, fazendo lembrar as gerações mais novas, e responsabilizando quem infringe e faz apologia.
    Claro que na Alemanha, que protagonizou duas guerras com final no seu território, e mesmo sob pesadas indenizações, reergueu das cinzas a indústria e o comércio.
    Já o Brasil, com um vasto território, riquezas, tudo em serviço e benéfico dos “investidores” estrangeiros oportunistas graças aos mais de milhões de idiotas é uma elite que se beneficia disso, e seus privilégios, mantém certo controle das coisas, para não mudar a realidade.
    Nada de imposto sobre fortunas, nem taxação maior sobre heranças.

  11. Enquanto cientistas se debruçam diuturnamente para descobrir a cura para o vírus, a nossa ex-presidente, Dilma Rousseff, o descobriu!!!

    Exclamou para todos ouvirem:
    – O vírus veio do Ipiranga! Eu vi no hino O vírus do Ipiranga ….
    e continuava:
    – Vê no hino, o vírus tá lá … O vírus do Ipiranga!

    • Vejam, a Alemanha. País do primeiro mundo, com 83 milhoes de hsbitantes, tem quase 100 mil contaminados e 1.300 mortes. O Brasil, fodido, de terceiro mundo, atrasado, com 215 milhões de habitantes, tem menos de 10 mil doentes e menos 500 mortes. O Bradil, como sempre atrás dos países desenvolvidos. Aplausos para Ângela Merkel e vaias para Bolsonaro.No final vamos ver vamos ver wuem tem razão e com quem está a verdade. Os canalhas e patifes não vencerão.

    • A Dilma não disse isso. Isto foi uma piada imbecil. (Veja que eu não coloquei “virgula”, entre a palavra piada e a palavra imbecil).

      PS: Leia mais, se prepare mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *