A Bolsa-Família e o sugestivo caso das costureiras do Ceará

Dione Castro da Silva

Muito boa a crítica (construtiva) de Percival Puggina aos diversos “vales” da época de FHC (vale-filho, vale-leite, vale-gás) que foram “arredondados” para Bolsa-Família na era PT. Continua um programa sem saída: a mãe não é obrigada a nenhuma contrapartida. As crianças continuam trabalhando para sustentar a família, analfabetas, sem saúde, sem direito a nada; só não vê isso quem não quer.

Aí, vem um “luminar” e diz que nos países desenvolvidos é reconhecida a função social da matenidade – sim, caras-pálidas, mas lá existe um sistema fiscal, para fiscalizar se a criança está frequentando a escola, se a mãe está fumando crack com o dinheiro ganho.

Clama por divulgação a história das costureiras do Ceará: lá, a indústria têxtil tem um grande peso na economia do Estado e os empresários do setor estavam precisando de mão-de-obra. Para isso, procuraram o governador Cid Gomes e propuseram um acordo: juntamente com o Senai, o governo ofereceu um curso de qualificação de costureira e, em contrapartida, após o curso, os empresários tinham 500 postos de trabalho para serem preenchidos por essas mulheres.

A única exigência do governador: as vagas teriam que ser destinadas a 500 mulheres clientes do programa do governo federal Bolsa-Família! Terminado o curso, os empresários esperavam assinar 500 carteiras de trabalho, remuneração de 1 salário mínimo + benefícios…

A primeira dificuldade surgiu aí: as mulheres só aceitavam o emprego se “recebessem por fora”, sem anotação na carteira. Por quê? Porque, com a carteira assinada, “perderiam” a Bolsa-Família. Resultado: nenhuma, repito, nenhuma carteira assinada… Elas preferem receber o bolsa-família a trabalhar.

Esse estado de coisas só vai ter fim quando os políticos brasileiros se empoderarem do Brasil, ao invés de se empoderarem no Brasil.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

2 thoughts on “A Bolsa-Família e o sugestivo caso das costureiras do Ceará

  1. …pagando valores que variam entre R$ 0,10 e R$ 0,20 centavos por peça costurada” ISSO é
    ESCRAVIDAO!

    … So mesmo vindo de alguem que se diz apolitica, que nao gosta de partido, mas que é seletiva na hora de atacar. Felizmente, alguem no coment acima, postou link que desmente o texto acima.
    Esse tipo de gente que defende a permanencia da miseria absoluta de grande parte de um povo que por 503 anos viveu no mais completo abandono. Infelizmente, nosso sistema permite que pessoas que declaram eterno voto nulo, fiquem a ocupar meios midiaticos para opinar e cobrar, como se isso nao fosse sim, uma atividade politica, apesar de, nao sei se intencional, nao conseguir entender essa relaçao.
    Fazer o que?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *