A criminalização de um crime

Militantes do MST, preparados para fazer reivindicações

Percival Puggina

Durante décadas, o PT lastreou sua relação com a sociedade na organização de movimentos ditos sociais nos quais se arregimentavam grupos de interesse. Cada grupo escalava seu antagonista, fosse ele legal, institucional ou coletivo. Surgiram, assim, centenas de redes, plataformas, associações, uniões, fóruns, frentes que se espalhavam e se reproduziam por divisão celular (mitose ou meiose), mas sempre mantendo as características ideológicas da célula-mãe.

Muitos desses corpos sociais são utilizados pelo partido como massa de manobra para manifestos, mobilizações e, em incontáveis casos, para prática de invasões, depredações e perturbações da ordem pública. Um número considerável deles vive de recursos públicos.

“CRIMINALIZAÇÃO”

Sempre que fatos dessa natureza aconteciam, a ação da autoridade pública e a reação política eram denunciadas como criminalização dos movimentos sociais. De tanto ouvi-la, memorizamos a expressão. Acusar seus legionários de fazerem aquilo que à vista de todos faziam era um mau hábito da “zelite”.

Era algo que feria a sensibilidade petista. Na essência das ações violentas e na respectiva proteção partidária fica perfeitamente identificável a genética revolucionária da célula-mãe: a lei só serve quando útil à causa. Fora disso, integra uma ordem burguesa que pode e deve ser demolida.

EXASPERANTE CONTRADIÇÃO

É nesse contexto e só nele que se pode compreender a conduta dos parlamentares que têm composto, na Câmara e no Senado, a agitada tropa de choque do governo substituído.

A insensibilidade e tolerância que marcam seu longo convívio com a organização criminosa instalada no coração do governo não combina com visível sofrimento físico que lhes causa o menor contraditório sobre temas regimentais. Há aí uma exasperante contradição! É como se não houvesse mal algum em infringir gravemente a lei penal, a responsabilidade fiscal, a ordem pública, ou obstar a ação da Justiça.

Mas ai de quem não leve a sério um judicioso despacho do ilustre deputado Wilson Maranhão! Dedos em riste e tumultos no plenário denunciarão a iletrada obtusidade dos que divirjam.

QUESTÃO DE ORDEM

É uma legítima questão de ordem: a revolução não pode parar! Faça-se o diabo, faça-se até o inimaginável de que se seja capaz, mas a revolução não pode parar. Armaram-se nesse submundo ideológico os crimes de responsabilidade cometidos pela presidente.

A esquerda que só anda de jatinho e acusa a “zelite” de não gostar de pobre em avião de carreira vê suas lesões ao Estado de Direito como instrumentos legítimos a serviço da mais nobre das causas. Os que jamais mencionam a crise em que enfiaram o país construíram e habitam mansões nos aprazíveis loteamentos da utopia. Ali, triplex de cobertura na beira da praia de Guarujá é coisa de “Minha Casa Minha Vida”.

MORO NOS REPRESENTA

Sou um dos milhões que saíram às ruas. Participei de todas as mobilizações desde novembro de 2014, quando já era nítido o estelionato eleitoral. Sei que o último dia 12 teria sido uma data como outra qualquer não fora um ano e meio de clamor popular por impeachment e não fora o Dr. Sérgio Moro.

Assim nasceram as dezenas de requerimentos pedindo a abertura do processo de acusação à presidente. Ao contrário do que o ex-governo tenta impingir aos desinformados, é Moro que nos representa. Nunca Eduardo Cunha!

Não esqueçamos: há dois meses, em 13 de março, os poderes de Estado assistiam pela TV a manifestações de seis milhões de pessoas no país. E então se decidiram. E então se mexeram. O crime de responsabilidade já integrava o mundo dos fatos, mas a decisão política de acusá-lo firmou-se naquele dia, no Parlamento, e ouso dizê-lo, também no Supremo.

2 thoughts on “A criminalização de um crime

  1. Durante 13 anos deram migalhas do que caia de suas mesas fartas para o pobre povo, que acreditou que estava sendo bem tratado. Hoje a verdade está vindo à tona, muitos acordaram, mas muitos estão ainda anestesiados, vivem ainda em suas cavernas, com medo do futuro, de perder o pouco que lhes era repassado em troca da eternização no poder de um grupo. Perdidos só sabem gritar: é golpe! é golpe! Não querem entender que o golpe está sendo dado a no mínimo 13 anos.

  2. Percival Puggina, deves dizer em que lugar essa fotografia foi feita. Com toda razão que tenhas não podes escrever o que escreveste sem dizer quem fotografou, aonde foi feita a fotografia. Em que estado, município, fazenda sítio. Eu sou contra qualquer ato de violência, mas acho prudente dizer foi alí. O líder é fulano. Essa fotografia não parece ter sido feita no Brasil, Ou então é armação. Todos brancos, limpinhos parecendo terem tirado as camisas na hora. PESSOAL DO MST É GENTE CALEJADA QUEIMADA DE SOL. Tá com medo Puggina? Isso é uma bobagem muito grande. Só tem medo quem não conhece o Brasil. Armação não vale.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *