A eleição presidencial de 2014 já molda todos os comportamentos da classe política e da classe empresarial

Roberto Nascimento

Os arroubos legislativos dos senhores deputados e senadores são fruto da voz rouca das ruas na “primavera” de junho. Os parlamentares, que têm um instinto de sobrevivência aguçado, perceberam que o governo lhes estava passando a responsabilidade pelas mazelas sociais do povo, simplesmente culpando o Congresso pela demora na votação das leis.

Então, os parlamentares saíram a campo para votar rapidamente o pacote de bondades e a derrubada da PEC 37, que limitava os poderes do Ministério Público. Deu certo a estratégia, pois o governo erradamente passou recibo, pedindo calma a Renan Calheiros e Eduardo Alves, respectivamente, presidentes do Senado e da Câmara.

É que nenhum governo quer perder o protagonismo das medidas favoráveis a sociedade, quando lhe convêm, claro. Tanto é verdade que a popularidade do governo caiu a níveis assustadores (31%) e os governadores do Rio e de São Paulo foram colocados nas cordas e lá permanecem acuados.

Enquanto persistirem as manifestações de ruas, o quadro não será alterado. O Centrão, de triste memória e que era um  dos braços do regime militar, agora é chamado pelo nome pomposo de Base Aliada, tendo o PMDB e o PT como carros-chefes. Mas os dois partidos majoritários vivem em clima de divórcio, que pode ou não chegar à separação ou à conciliação, conforme o andar da carruagem.

No fundo e na forma, o cenário da eleição presidencial de 2014 já molda todos os comportamentos da classe política e da classe empresarial. A primeira, pretendendo permanecer no Parlamento futuro; e a segunda, na espera de quem bancar para usufruir dos financiamentos do Estado no distante 2015 em diante.

O primeiro tempo desse jogo interessante está em andamento, mas o segundo tempo, no ano que vem, trará muitas emoções até o apito final, simbolizado na abertura das urnas. Todo cuidado ainda será pouco, caso contrário, sofrerão até o último minuto. O juiz de 2014 será a juventude da primavera junina. E quem viver verá o espetáculo democrático.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “A eleição presidencial de 2014 já molda todos os comportamentos da classe política e da classe empresarial

  1. Somente me surpreende que o autor deste artigo nao menciona em nenhum momento o fator que podera fazer a diferenca SUBSTANCIAL nas eleicoes de 2014 e todos os partidos tradicionais estao morrendo de MEDO…. Estou falando de MARINA SILVA e a REDE SUSTENTABILIDADE.

  2. PRIMAVERA DE JUNHO, EM PRIMEIRO LUGAR, NÃO HOUVE PRIMAVERA NENHUMA, HOUVE UMA ORQUESTRAÇÃO,QUE COM CERTEZA ALGUÉM ESTÁ POR TRÁS DISSO, ENGRAÇADO QUE O PAI E NEM AMANHÃ DAQUELA BAGUNÇA TODA NÃO APARECEU.ESTRANHO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *