A exploração mineral brasileira à beira do abismo

Mineração em crise e o governo não toma providências

Pedro Jacobi

Os três melhores indicadores de uma exploração mineral saudável em um país são: o emprego, a sondagem e o número de análises químicas feitas em laboratórios analíticos.

Depois da crise de 2008 a exploração mineral voltou a aquecer no Brasil atingindo, gradativamente, o seu pico em 2010-2011.

Nesta época a exploração mineral brasileira estava aquecida. O mercado era efervescente. Era difícil contratar geólogos experientes e quase impossível contratar a sondagem para os inúmeros projetos de exploração mineral. Os laboratórios de análises estavam abarrotados, refletindo o excelente momento da mineração brasileira.

Em 2012 somente as juniors (novas empresas) canadenses investiam US$416 milhões em 154 projetos no Brasil.

JUNIORS NO BRASIL

Foi um período de grandes descobertas minerais e o Brasil parecia ter um futuro brilhante.

Tudo ia às mil maravilhas até que, em 2011, de uma forma sub-reptícia começou o apagão mineral.

Este fenômeno foi o resultado de uma das decisões mais absurdas e pouco inteligentes, jamais feita por um governo brasileiro em toda a história republicana.

O Ministério de Minas e Energia, na época, era chefiado pelo Ministro Édison Lobão, famoso nas páginas de escândalos e corrupção e um dos arquitetos da crise, resolveu simplesmente paralisar as concessões dos alvarás de pesquisa e de lavra paralisando projetos e espantando o investidor.

UM TSUNAMI

A partir deste momento o Brasil viu um verdadeiro tsunami que arrasou, inexoravelmente, as empresas, os empregos e obliterou o setor mineral.

O governo brasileiro, na contramão da história simplesmente fechou a torneira da pesquisa e da exploração mineral ameaçando o setor com um “Novo Marco Regulatório da Mineração” que transitou, por anos, nos corredores do Congresso e, até hoje, quase 5 anos após a sua elaboração, ainda não foi aprovado.

Enquanto isso, lá fora, nos países onde a mineração recebe o devido respeito, os governos tentavam todas as formas para atrair o mesmo investidor que o MME e o Governo Brasileiro estavam expulsando do Brasil.

Esses governos foram bem sucedidos! E, hoje, estão revertendo os efeitos da crise atraindo novos investidores e novos projetos de exploração mineral.

SEM PESQUISA

Aqui no Brasil, a pesquisa mineral foi reduzida a praticamente nada. Um levantamento feito no DNPM, pela revista InTheMine, mostra um fenômeno perturbador. Os minerais mais pesquisados no mundo, que são ouro, metais básicos, e metais ferrosos estão desaparecendo das estatísticas do DNPM.

Isso é assustador e mostra a profundidade do desastre. É a pesquisa desses minérios que sustenta toda a cadeia da exploração mineral, gerando empregos, projetos, sondagens, geofísica, geoquímica e milhões de análises. A mesma pesquisa que sustenta toda uma cadeia produtiva que inclui as junior companies, as empresas de geologia e prospecção, de sondagem, laboratórios e as milhares de empresas de consultoria que fazem o setor crescer e gerar riquezas.

MINERAIS INDUSTRIAIS

Aqui no Brasil a pesquisa tradicional deu lugar aos minerais industriais. Os novos requerimentos feitos no DNPM são, principalmente, para areia, argila, granito e calcário.

Em 2013 predominaram os requerimentos para minerais industriais e, em décimo lugar veio os requerimentos para diamantes.

Em 2014 vemos o tímido retorno do ouro e do ferro que ficam na quinta e sexta posição, atrás dos industriais.

Qual o significado disso? É o fim da pesquisa mineral como a conhecemos!

É também o fim do investimento estrangeiro na exploração mineral do Brasil pois 90% da pesquisa mineral é feita para metais básicos, ouro, diamante e metais ferrosos. Um país que não busca esses minérios está fadado ao terceiro mundo.

Se ontem as juniors investiam mais de US$ 700 milhões por ano em busca de ouro, metais básicos e ferrosos em solo brasileiro, hoje os investimentos estão tendendo a zero.

E, com a falta dos investimentos, veremos as minas atuais se extinguirem sem novas descobertas minerais para repor o minério lavrado. A falta de descobertas nos obrigará a importar o minério que deveria estar sendo produzido aqui.

(artigo enviado pelo comentarista Ricardo Sales)

10 thoughts on “A exploração mineral brasileira à beira do abismo

  1. CN
    Realmente a situação está pior do que se imagina. A pesquisa mineral literalmente parou no Brasil. Instalou-se um verdadeiro circo de horrores na pesquisa mineral está tudo parado. Este ano eu só consegui trabalhar por apenas 05 (cinco) meses e assim mesmo pejotizado.

  2. LI O ARTIGO COM UM PÉ ATRÁS. DEPOIS QUE “DOARAM” A VALE E O BRASIL COMANDADO PELOS POLÍTICOS QUE ESTÃO AÍ, É MELHOR NÃO MEXER EM NADA E ESPERAR TEMPOS MAIS HONESTOS. DE TANTO APANHAR, NÃO É POSSÍVEL QUE, UM DIA, O ELEITOR BRASILEIRO NÃO APRENDA A VOTAR.

    • Para o senhor é bem mais fácil ficar com o pé atras. Venha para o nosso lado. Lado daqueles que trabalham na pesquisa mineral e estão desempregados.

    • Tempos mais honestos…
      Se for para esperarmos tempos mais honestos, com esse governo que está aí, nossos bisnetos irão perecer esperando por esse tempo.
      Segundo o cantor Geraldo Vandré, no final da década de 70, quem sabe faz a hora, e não espera acontecer.
      Depois que “doaram” a Vale, ela cresceu absurdos 147%. A maior parte do dinheiro ficou com os fundos de pensão do governo federal. Dá pra imaginar onde está o dinheiro hoje…

  3. Tá na cara que acabou a zona, devia estar tudo muito a vontade, principalmente para as firmas estrangeiras. Cara de matéria paga, visto o choro de quem deveria estar ganhando rios de dinheiro e agora diminuiu seus polpudos lucros. Deveria é estatizar novamente a atividade.

  4. A situação está bem difícil mesmo. Sou técnico em mineração e geologia sênior com experiência em todas as áreas da pesquisa mineral, com 37 anos de trabalho. Estou desempregado desde 2013. Nunca fiquei desempregado por mais de três meses. Enquanto isso o marco da mineração ainda está engavetado no congresso e as empresas de mineração fechando ou saindo do país. Precisamos, urgente, mudar nossos políticos. #mudança já!!!!!!

  5. Talvez essa matéria só seja entendida quando o Brasil começar a importar minerais e metais que deveriam ter sido descobertos aqui por uma pesquisa mineral que foi paralisada pela incompetência governamental. Estatizar? Será que queremos mais uma Petrobras para que as quadrilhas possam comer pelas entranhas???

  6. O que Eu ví no Peçem Ceará, no año 2013, foi a Exportação de 500.000 (Quinhentas mil toneladas ) de material de Mineração para os Chineses, os quales são tratados lá e aproveitados como matéria prima para diferentes indústrias , que fabricam diversos produtos, que logo são vendidos para o Brazil,causando o desequilíbrio na indústria nacional Brasileira, a qual não pode concurrir com os preços e a ínfima qualidade destas Importaçãos.

Deixe um comentário para Alfonso Molina Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *