A fase é péssima para Dona Graça Foster, não sai das manchetes negativas. Excelente artigo de Ivo Herzog, pedindo (exigindo) a expulsão de Marin da CBF. Inflação é o susto do dia.

Helio Fernandes

Desde que veio a público afirmar, “as ações da Petrobras vão subir” não acertou uma, seus passos são sempre negativos. As ações não subiam, ela mesma se encarregou de desmentir o que havia afirmado a favor dela: “Anunciando publicamente a alta das ações, a presidente da empresa se livra da possível acusação de informação privilegiada”.

É isso. Desde o início dos pregões da Bolsa (segunda-feira), a Petrobras ficou perigosa e suspeitamente entrelaçada com o grupo EBX (Eike Batista). De uma queda violenta durante quase toda a segunda-feira, como venho mostrando, detalhadamente, passou à recuperação inacreditável e inexplicável.

Dona Graça se complicou não desmentindo os boatos espalhados e usufruídos pelo bilionário. E sua situação se agravou (o regime da Petrobras é presidencialista, ela é acusada de ser grosseira com funcionários que estão abaixo dela, e demasiadamente amável com autoridades acima),com declarações positivas a respeito do Porto de Açu, à beira da falência. E a Petrobras não pode afirmar, “no futuro usaremos esse porto”. Que porto?

Utilizar um porto, seja de quem for, obrigação da PEtrobras, resguardados todos os seus direitos e o do cidadão-contribuinte-eleitor, que é dono de tudo. Mas vir a público anos antes da existência desse porto, avisando que vai escoar sua produção por ele, o que é isso? E num momento em que a afirmação serviria, como serviu, para a mais revoltante especulação?

É lógico que Dona Graça sabia da repercussão de sua subida no palanque acionário do explorador. Tinha que conhecer o poder da palavra. Se não conhecia, não podia nem pode presidir uma empresa como a Petrobras.

Dona Graça devia ser investigada.Ou, no mínimo, deve uma explicação à opinião pública. Ninguém vai investigá-la, é claro. Mas bilhões e bilhões jogados (a palavra exata é essa) diariamente, deviam ser caso de polícia. Já que a CVM, sonolenta, não pode aparecer.

A CORAGEM E A SERENIDADE DE IVO HERZOG

Engenheiro, participante e, ainda mais, filho de Wladimir, assassinado pela ditadura, denuncia o presidente da CBF como cúmplice (no mínimo) da morte do pai. Muito já foi dito desse ex-“governador”, que para entrar também na estrada da corrupção, era “vice” de Maluf.

Inesperadamente, com todo esse passado, surge como presidente da CBF, que controla a paixão do cidadão brasileiro, que é (ou era, em outros tempos) o futebol.

Quem quiser pode ler o artigo de Herzog, na Folha de ontem. Vou transcrever apenas um trecho, entre aspas, como fez o autor: “Queremos projetar nossos melhores cumprimentos a um homemque de há muito vem prestando relevantes serviços à coletividade, embora nem sempre tenha sido feita justiça ao trabalho (…). Queremos trazer cumprimentos e dizer do nosso orgulho em contar na polícia de São Paulo com o delegado Sergio Paranhos Fleury”.

SÓ MARIN SE ORGULHAVA DE FLEURY

No momento em que esse José Maria Marin ameaça processos por “injúria, calúnia e difamação”, o conhecimento desse discurso, mal escrito mas elucidativo, é importantíssimo. E contrariando e contradizendo Marin, a ditadura não tinha por Fleury o mesmo orgulho.

Tanto que não podendo controlar as torturas comandadas por Fleury, decidiram orgulhosamente eliminá-lo. O que fizeram fácil e rapidamente. “Por acaso”, Fleuty bateu violentamente com a cabeça na quilha de um barco, desapareceu.

A propósito, quando Marin assumiu a CBF, fui o primeiro e único a revelar: Marin foi “vice”de Maluf de 1978 até 1982, quando saiu para se candidatar a deputado (naquela época não havia reeleição). Marin assumiu no que chama de “biênio”, mas foram 8 meses como “governador”. Ele confirma tudo em artigo (também na Folha), só que despreza as aspas, como é desprezado por todos os torcedores da seleção, mesmo comandada pelo retrocesso.

OS JUROS SUBIRÃO?

Em abril parece difícil, em maio, certo e garantido. Ontem, Felfim, o mais longo ministro da ditadura, escreveu artigo sobre o assunto. Como na véspera esteve com Dona Dilma, deve ter resumido alguma coisa, lógico, falaram sobre inflação.

Mas a grande divergência sobre isso é entre o BC e o ministro da Fazenda. Dona Dilma ouviu Delfim, mas não pode intervir. Só esperar.

QUEREM ACABA COM PARTES ENORMES
DO HISTÓRICO MURO DE BERLIM, PARA
CONSTRUIR EDIFÍCIOS LUXUOSOS

Isso é um absurdo total. Os protestos surgem da Alemanha, crescem pela Europa e pelo mundo. É preciso impedir esses vândalos de ocuparem, com o poder do dinheiro, territórios que pertencem mais à História do que à Geografia.

Estive várias vezes na Alemanha, duas delas já construído o muro, e não fui conhecê-lo. Na Copa do Mundo de 1974, ia ver o jogo Alemanha-Chile em Berlim, em estava sediado em Frankfurth. Motivo principal: o jogador da Alemanha (campeã desse 1974) Breitner, comunista, prometeu fazer um gol por causa do assassinato de Allende.

Estava de carro, fui me despedir de João Saldanha, ele me disse: “A passagem pelo muro está levando entre 3 e 4 horas. De aviãolleva 30 ou 35 minutos, igual a Rio-São Paulo”. Como Saldanha era eclético mesmo, sabia tudo, fui de avião. Ida e volta rapidíssima, vi Breitner fazer o gol prometido (um chute fabuloso de longe da área), mas não conheci o Muro de Berlim. Indesculpável, Irrecuperável, Irreparável. Inexplicável.

AS “COINCIDÊNCIAS” DE EIKE

Ontem, logo na abertura do pregão, seu porta-voz anunciou: “A OGX (holding) descobriu petróleo na Bacia de Campos e gás em Parnaíba”. O poço de Campos já foi desmoralizado diversas vezes, e atualizado em outras. O gás do Parnaíba, nada importante, principalmente para a profundidade da crise do grupo. Mas serviu para mais especulação e “puxada” em ações.

###

PS – Até a hora do almoço, o OSX estava em alta de 16,4%. A LLX, que não tinha nada com isso, seu ponto mais frágil e desesperador é o Porto do Açu, no mesmo período, subia 7.75%. As outras, mais ou menos.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *