A foto maravilhosa de uma natureza ainda mais maravilhosa

 

 

A foto nos foi enviada pelo jornalista Valter Xeu (site Pátria Latina), que a recebeu de Marcos Messias, sem indicação de quem fez a foto. Mesmo que não seja verdadeira e se trate de um trabalho em fotoshop, nada diminui a beleza desse momento. Valeu, Xeu! (C.N.)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

2 thoughts on “A foto maravilhosa de uma natureza ainda mais maravilhosa

  1. Não tem foto, mas aproveito para comunicar aos delirantes que não existe pátria latina. Aliás, por falar nisso, alguns países da América latina não aderiram ao Mercosul e criaram o mercado do Pacífico. Já passaram na frente do Mercosul em termos de faturamento.
    Desde o começo desse produto do sentimentalismo ideológico, que é o mercosul, eu já havia dito que isso só iria prejudicar o Brasil.
    Confiram os fatos.

  2. Sem data para avançar, Mercosul convive com insatisfação e dúvidas

    Marcia Carmo

    De Buenos Aires para a BBC Brasil

    Tensão entre Brasil e Argentina seria um dos motivos da paralisação do Mercosul

    O adiamento da próxima reunião de cúpula do Mercosul, anunciada nesta semana, ocorre em um momento em que o bloco ─ formado por Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela ─ vive um momento de insatisfação de seus membros e de dúvidas sobre seu futuro.

    A cúpula estava prevista para junho e agora permanece sem data definida, com previsão para agosto ou setembro, de acordo com assessores do Ministério das Relações Exteriores do Uruguai.
    Notícias relacionadas
    Maduro busca apoio de Mercosul em meio a tensão com EUA
    Integração regional idealizada por Chávez fracassou, dizem analistas
    No Chile, Cristina Kirchner esfria negociações entre Mercosul e UE

    Oficialmente, o adiamento foi anunciado para dar tempo para que o presidente eleito do Paraguai, Horacio Cartes, participe do encontro após tomar posse, em agosto. O país foi suspenso do bloco em junho passado.

    Por questões internas, a Venezuela (cujo status oficial como membro pleno ainda depende de aprovação pelos paraguaios) também teria pedido mais tempo antes de assumir a presidência temporária do Mercosul.

    No entanto, analistas e fontes ligadas aos países-membros destacaram a existência de vários motivos de insatisfação, que se somam a sinais de que o Uruguai está buscando ampliar sua participação em outro bloco, a Aliança do Pacífico (formada por Chile, Colômbia, Peru e México).
    ‘Nova etapa’

    “O grupo tem dado sinais de estar paralisado e de não ter condições de fechar acordos com outros blocos”, disse o professor de relações internacionais da Universidade da Republica, de Montevidéu, Marcel Villant.

    “Mas acho que este adiamento responde a uma questão institucional, para dar tempo ao Paraguai para que tenha novo presidente empossado.”

    Para o professor de Relações Comerciais e Internacionais da Universidade Tres de Febrero, de Buenos Aires, Felix Peña, o Mercosul está terminando a “etapa de fundação” para entrar em uma nova etapa “que não sabemos qual será”.


    O grupo tem dado sinais de estar paralisado e de não ter condições de fechar acordos com outros blocos.”

    Marcel Villant, professor de relações internacionais da Universidade da Republica, de Montevidéu

    Esta etapa inclui, como chamou, “ruídos” entre o Brasil e a Argentina e a atenção que o Uruguai tem dado à Aliança do Pacífico.
    Brasil e Argentina

    Segundo observadores brasileiros, nos últimos dias, o mal-estar do Brasil com a Argentina está ligado à decisão do governo da presidente Cristina Kirchner de estatizar as ferrovias do país que estavam desde os anos 1990 sob a concessão de uma empresa brasileira, a ALL (América Latina Logística).

    Nos bastidores do governo brasileiro, em Brasília, afirmaram que a medida era “esperada”, mas o que surpreendeu foi a forma como foi anunciada, sem aviso às autoridades brasileiras, o que teria aumentado a “desconfiança” entre os dois países.

    Brasil e Argentina costumam ser apontados por assessores dos governos e por especialistas como “âncoras” do bloco.

    Devido a estas e outras diferenças com a Argentina, o Brasil apoiou o adiamento da reunião, como contaram assessores governamentais.

    Além da ALL, a lista de insatisfações do Brasil com seu sócio inclui medidas do governo argentino que levaram à suspensão de investimentos da companhia de mineração Vale no país vizinho e à manutenção da exigência da Declaração Juramentada Antecipada de Importações (DJAI), que atrasa as vendas do Brasil para o mercado vzinho.
    Aliança do Pacífico

    Alguns setores do governo e do empresariado brasileiro reforçam a visão de uma paralisação no bloco.

    Segundo eles, outros grupos estão avançando nos entendimentos enquanto o Mercosul está “preso” a questões como as disputas entre Brasil e Argentina e as dificuldades (atribuidas no Brasil à Argentina e na Argentina ao Brasil) a acordos como entre o bloco e a União Europeia.

    “Definitivamente não é um momento glorioso do Mercosul”, disseram negociadores brasileiros do bloco sul-americano.

    Por sua vez, o vice-presidente do Uruguai, Danilo Astori, disse que seu país está interessado em “passar de observador para membro pleno” da Aliança do Pacífico, informou nesta semana a imprensa uruguaia. O bloco comercial foi lançado no ano passado.

    “O problema é que enquanto dois sócios do bloco (Argentina e Venezuela) estão voltados para questões internas como controle de câmbio, outros querem avançar, mas veem o Mercosul limitado, como é o caso do Uruguai”, disse Marcel Villant.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *