A grande paixão do poeta Álvares de Azevedo

O dramaturgo, ensaísta, contista e poeta paulista Manuel Antônio Álvares de Azevedo (1831-1852), no poema “Pensamentos Dela”, em seu estilo ultra-romântico,  fala de sua grande paixão.

PENSAMENTOS DELA
Álvares de Azevedo

Talvez, a noite, quando a hora finda
Em que eu vivo de tua formosura,
Vendo em teus olhos… nessa face linda
A sombra de meu anjo da ventura,
Tu sorrias de mim porque não ouso
Leve turbar teu virginal repouso,
A murmurar ternura.

Eu sei. Entre minh’alma e tua aurora
Murmura meu gelado coração.
Meu enredo morreu. Sou triste agora,
Estrela morta em noite de verão!
Prefiro amar-te bela no segredo!
Se foras minha tu verias cedo
Morrer tua ilusão!

Eu não sou o ideal, alma celeste,
Vida pura de lábios recendentes,
Que teu imaginar de encantos veste
E sonhas nos teus seios inocentes!…
Flor que vives de aromas e luar,
Oh! nunca possas ler do meu penar
As páginas ardentes!

Se em cânticos de amor a minha fronte
Engrinaldo por ti, amor cantando,
Com as rosas que amava Anacreonte,
É que alma dormida, palpitando…
No raio de teus olhos se ilumina,
Em ti respira inspiração divina
E ela sonha cantando!

Não a acordes contudo. A vida nela
Como a ave no mar suspira e cai…
Às vezes, teu alento de donzela
E de teus lábios o morrer de um ai,
Tua imagem de fada, num instante
Estremecem-na, embalam-na expirante
E lhe dizem: “sonhai!”

Mas quando o teu amante fosse esposo
E tu, sequiosa e lânguida de amor,
O embalasses ao seio voluptuoso
E o beijasses dos lábios no calor,
Quando tremesses mais, não te doera
Sentir que nesse peito que vivera
Murchou a vida em flor?

             (Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

4 thoughts on “A grande paixão do poeta Álvares de Azevedo

  1. Conheço bem o papel que me deram
    A minha sina e o sinal de Caim
    E muito antes do bondoso Abel
    Me censurar o céu
    Me censuraram o céu
    Eu sei dos idos e dos descaídos

    ( Aldir ) de memória

  2. 1) Grande Álvares de Azevedo; letra linda, leitura louvável !

    2) Licença: em 23 de junho de 1884 nascia em Santos, SP, Martins Fontes, autor entre outras obras de “Verão (1917)”. Lembrando que há uma grande editora em SP chamada Martins Fontes.

    3) Fonte, BN, Agenda, 1993.

    3)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *