A imprensa enfim descobre o que todos já sabiam: a corrupção na Saúde do Rio de Janeiro.

De repente, a chamada grande imprensa lembrou de investigar o que todos já sabiam: a corrupção na área da Saúde no Rio de Janeiro capital, e os jornais e as TVs seguiram a revista Veja para alardear que o Tribunal de Contas do Município (TCM) encontrou indícios de fraudes em contratos do Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas) com a prefeitura do Rio, para administrar cinco Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Segundo denúncia publicada na  “Veja”, a organização social (OS) recebeu do município mais de R$ 2 milhões para pagar serviços que não eram previstos em contrato, além de ter anexado cópias de notas fiscais repetidas nas prestações de contas. Num dos casos, a mesma nota de R$ 58.233, referente a exames de raios X, foi cobrada três vezes entre os meses de outubro de 2010 e março de 2011.

O TCM constatou também que o Iabas contratou uma consultoria externa para prestar serviços administrativos nas UPAs, despesa que, embora não prevista no contrato, foi paga. A Anstafi Serviços Econômicos e Financeiros, que recebeu R$ 835 mil, tinha entre os sócios André Staffa Filho. Na época da contratação da empresa, ele também era um dos diretores do Iabas.

“Os custos dos serviços continuados contratados pelo Iabas contêm sobrepreços expressivos em todos os contratos analisados, gerando prejuízos milionários aos cofres públicos do município, considerando as despesas efetuadas a partir de fevereiro de 2010”, informa um trecho do relatório do TCM.

O Iabas é uma das organizações sociais escolhidas pela prefeitura do Rio para administrar instalações e fornecer pessoal terceirizado para várias secretarias. Além da Secretaria de Saúde, as OS estão presentes em projetos das secretarias de Assistência Social, de Cultura e de Esportes e Lazer.

Foi graças a contratos com essas organizações que a prefeitura, por exemplo, além de implantar UPAs, ampliou a cobertura do Programa de Saúde da Família de 2% da população (200 mil pessoas) em 2009 para 32% (mais de dois milhões).

Segundo a “Veja”, a maioria dos contratos com a prefeitura para gestão das UPAs foi assinada com o então diretor médico do Iabas, Ricardo José de Oliveira e Silva. Em fevereiro de 2011, ele deixou o cargo para administrar, no Rio Grande do Norte, a campanha “Natal contra a dengue”, que contava com uma verba de R$ 8,1 milhões repassada à ONG Instituto de Tecnologia Capacitação e Integração Social. Segundo a revista, ele ficou dois meses no cargo e foi afastado por irregularidades contábeis e na contratação de serviços.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Infelizmente, não vai acontecer nada. Na secretaria municipal de Saúde repete-se a roubalheira da secretaria estadual, comandada por Sergio Côrtes, o grande amigo do governador Cabral. Como se sabe, Côrtes é aquele que comprou um apartamento duplex de cobertura, com cinco vagas na garagem, no Bairro da Lagoa, pagou apenas R$ 1,3 milhão e em dinheiro vivo. Não é preciso dizer mais nada. Ninguém será demitido ou preso, não há Justiça, os três poderes estão podres.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “A imprensa enfim descobre o que todos já sabiam: a corrupção na Saúde do Rio de Janeiro.

  1. O IABAS também atua em programa de saúde escolar no Rio de Janeiro/RJ,onde realizam procedimentos: como dentário e curativos, dentro das escolas da rede Municipal.
    A questão é, o lixo desses procedimento e descartado em coleta comum sem o devido tratamento. E agora Prefeito e Governador “é caso de Saúde Pública e Vigilância Sanitária” e tem mais o IABAS já está querendo entrar com outra empresa para burlar as denuncias como a BIORIO……

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *