A impunidade dos velhos corruptos não pode derrotar a geração da Lava Jato

Charge do Que Mário? (masquemario.net/blog)

Roberto Nascimento

A podridão não poderá ser revogada, pois se tornou cláusula pétrea entre nós. O que o PT fez, por incompetência atávica e adquirida, foi deixar rastros no Mensalão e no Petrolão, pois quase todos os partidos políticos receberam doações legais ou ilegais das empreiteiras. E de onde essas empresas obtiveram tais recursos bilionários? Do Tesouro Nacional, através de empréstimos subsidiados do BNDES, Caixa e Banco do Brasil, além dos aditivos contratuais e superfaturamento de obras públicas.

Empresário não doa, generosamente, dinheiro de suas empresas para partidos políticos sem contrapartida, porque mantêm o chamado “espírito animal” bastante exacerbado.

A podridão só não está maior graças à Lava Jato, e é aí que mora o perigo. Todas as conversas entre os poderosos giram em torno de se chegar a um divisor comum que liquide a Lava Jato. Essa operação “Mãos Limpas” brasileira apavora os corruptos de todas as tendências, que vêm pressionando o Supremo para mudar o entendimento acerca da prisão dos réus após condenação em segunda instância.

UM RETROCESSO – Se realmente alguns ministros mudarem o entendimento já pacificado no tribunal, será um retrocesso inquestionável. Todo o processo de moralização que começou no Mensalão irá para o fundo do poço.

A primeira consequência prática será o fim da delação premiada. Ora, sabendo que poderão procrastinar seus processos até o final dos tempos, através de recursos sem fim interpostos por advogados experientes que sabem evitar o trânsito em julgado, os corruptos e corruptores não mais terão motivos para fazer delação premiada, porque haverá a certeza de conseguirem prescrição da pena.

PRESSÃO SOBRE O SUPREMO – A pressão do sistema de poder está terrível em cima do STF. Se os ministros cederem, o Brasil não terá mais a quem recorrer. Os corruptos voltarão a delinquir com força total. Com isso, eles podem ser acompanhados nessa tunga da nação por aqueles que ainda permanecem honestos e serão desestimulados a obedecerem à lei.

Seguindo a velha máxima da Antiguidade: “Em Roma, como os romanos”. Ou seja, viraremos uma cipoal de cidadãos enlameados na corrupção desenfreada em todos os setores da sociedade, com imponderáveis consequências, que podem provocar até mesmo a desagregação do país, como hoje ocorre no Iraque, na Líbia e também na Síria.

ACORDOS DE LENIÊNCIA – Além da impunidade por prescrição, com cumprimento da pena somente após o trânsito em julgado do último recurso, os corruptos e corruptores ainda pressionam por acordos espúrios de leniência, que mais se parecem concessão de anistia pela roubalheira praticada.

Se conseguirem tal modificação nas leis moralizadoras, corruptos e corruptores se tornarão tão fortes que a sociedade poderá esperar também pelo amordaçamento do Ministério Público, já tentado e que refluiu pela pressão do povo nas ruas em 2013.

Pode-se esperar também pelo cerceamento da liberdade na Internet, cujo fortalecimento incomoda os barões da imprensa, que estão perdendo leitores e logo estarão tentados a apoiar as medidas restritivas.

CERCEANDO A INFORMAÇÃO – Desde os primórdios da humanidade, os poderosos cerceiam a informação aos seus súditos, para poderem governar sem oposição alguma. Não precisamos ir longe no tempo para lembrar o exemplo de Nelson Mandela, o líder negro que passou décadas preso nas masmorras da África do Sul pelos governos de minoria branca que o temiam, devido à luta contra a segregação racial.

Que o Criador tenha piedade de nós, pois estamos precisando de muita ajuda, principalmente o povo do Estado do Rio de Janeiro, que vem sendo destruído por maus governantes. Que fazer?

3 thoughts on “A impunidade dos velhos corruptos não pode derrotar a geração da Lava Jato

  1. Será que alguém ainda tem alguma dúvida de que o STF irá voltar atrás sobre a possibilidade de prisão, sem se ter o trânsito em julgado? Claro que não, e para isso basta considerar:
    1- Quando é do interesse daqueles que detêm o poder a constituição deve ser seguida à risca, o que não acontece quando se prevê, por exemplo, a suficiência que deveria ter o valor do salário mínimo para a subsistência de um trabalhador e sua família;
    2- O STF, em ultima análise, é controlado por quem detém o poder, ou seja, por aqueles que nomeiam e influenciam na nomeação dos seus integrantes e também pela ampla mobilização popular, quando se manifesta de forma contundente;
    3- Justamente em decorrência do receio de qual seria a intensidade com que a população se manifestaria contrariamente ao que já sabidamente se decidiria, deu-se o adiamento da sessão, até que, digamos assim, se baixe a poeira.

    • Mário Sérgio;

      As últimas informações da delação premiada de Sérgio Machado contendo críticas contundentes aos Ministros que votaram a favor da medida moralizadora, quanto a prisão dos condenados em 2ª Instância terá o condão de sacramentar definitivamente o entendimento pacificado no Colegiado.

      Os corruptos estão arrancando os cabelos com a perda do privilégio de arrastar os processos infinitamente. Como têm mais recursos e advogados luminares que sabem o caminho das pedras contavam com o execrável instrumento do trânsito em julgado, ou seja, mesmo todos sabendo,, inclusive as pedras da rua, da culpabilidade dos corruptos eles permaneciam em liberdade até que os infinitos recursos protelatórios fossem sendo derrubados um a um.

      Ora, na situação anterior, da prisão somente após todos os recursos protelatórios, ninguém da alta cúpula do PODER seria preso. Um ex-senador de Brasília, empreiteiro e arrolado no processo do Prédio da Sede do Tribunal Regional do Trabalho em São Paulo já estava a quase 30 anos solto, livre, leve e fagueiro.

      Portanto, não podemos agora, em hipótese alguma dar um passo atrás na decisão moralizadora do STF. As pressões serão intensas vindas do Legislativo e do Executivo. Mas, quem detém a última palavra é o senhor de todos os anéis, sua excelência o povo eleitor, esse ente poderoso e temido por políticos de todos os matizes e ideologias.

      Por falar em ideologias, nunca em tempo algum sentimos a falta delas no país e no mundo. Parece que o senhor ideologia chamado dinheiro comanda a vida de gregos e troianos.

  2. A corrupção endêmica que assola o país, não se restringe somente ao petróleo. A Petrobras esta sendo massacrada na imagem da empresa por culpa de seus maus empregados e das empreiteiras contratadas pela Diretoria da estatal. No entanto, outras empresas também foram usadas para fins políticos e para não ser injusto com o setor do petróleo e gás, uma devassa nos negócios ilícitos de todas as empresas públicas seria medida saneadora e que trará um imenso alívio nas contas públicas, caso os recursos desviados pudessem voltar para o Tesouro.

    Para isso, o tal acordo de leniência proposto pelo governo Dilma, antes do impeachment não deveria prosperar. Mas, não tenho nenhuma dúvida que seguirá com qualquer governo. A moralização das ações de governo é um empecilho ao toma lá dá cá, que sustenta os governos na Câmara e no Senado. Para manter os votos dos aliados no Congresso, o presidente precisa de leniência com a caneta.presidencial. Traduzindo: É preciso nomear o afilhado do político, mesmo que o indicado seja um verdadeiro zero a esquerda. Expertise, meritocracia e outras baboseiras do gênero não são as credenciais que valem na hora da nomeação. Se alguém acredita nessas balelas deve acreditar em cabra-cega, mula-manca e saci-pererê, talvez até na cegonha.

    Tristes trópicos, sempre com os mesmos erros e as mesmas catástrofes políticas e sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *