A indispensável divisão de forças na política internacional


Carlos Newton

Ao contrário do que proclamou o genial escritor alemão Erich Maria Remarque, desta vez há algo de novo na frente ocidental. Depois da queda do Muro de Berlim, em 1989, e da derrocada da União Soviética, em 1991, o mundo vinha submetido a um regime imperialista comandado pelos Estados Unidos, com apoio da Grã-Bretanha, da França, da Itália e da Espanha, entre outros “aliados”.

Os EUA faziam o que bem entendiam, suas tropas entravam e saíam de nações independentes com a maior desfaçatez. Iraque, Afeganistão e Líbia foram vítimas indefesas. Era como se não existisse a Organização das Nações Unidas e o mundo tivesse realmente dono.

Mais recentemente, as forças imperiais se voltaram para a Síria e o Irã. A situação chegou a tal ponto que o presidente dos Estados Unidos anunciou que iria atacar a Síria “sem tropas”, ou seja, apenas bombardeando o país, matando indistintamente homens, mulheres, idosos e crianças, sem que os sírios pudessem esboçar qualquer reação.

GUERRA SEM RISCOS

Em matéria de crueldade e covardia, na História da Humanidade, nunca se viu nada igual, porque guerra sem tropas significa guerra sem riscos, uma guerra totalmente desigual, sem a menor possibilidade de revide, algo nunca visto antes.

Essas notícias saíram nos jornais e ninguém se interessou. Era como se fosse uma coisa normal, embora o Papa Francisco tivesse pedido orações para a paz na Síria.  De resto, um silêncio inquietante. Mas essas orações parece que surtiram efeito, pois o presidente russo Vladimir Putin decidiu peitar os Estados Unidos, a China fez-lhe companhia no Conselho de Segurança,  o Parlamento britânico se lembrou de que a civilização precisa avançar e não retroagir, e a própria ONU mostrou-se menos subserviente aos Estados Unidos.

Obama não teve como ordenar o covarde ataque “sem tropas” e assim surge a esperança de que o imperialismo se contenha e  o entendimento entre Rússia e China prossiga, pois até poderia incluir os outros BRICS (Brasil, Índia e África do Sul), para que haja um paz que possa nos conduzir a um mundo melhor, que seja de todos e não tenha donos.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

15 thoughts on “A indispensável divisão de forças na política internacional

  1. ” E o Sol da Liberdade, em raios fúlgidos, Brilhou no céu da Pátria nesse instante. Brasil, um sonho intenso, um raio vívido, de amor e de esperança que a terra Merece. Gigante pela própria natureza, e o teu futuro espelha sua grandeza, terra adorada, entre outras mil és tú Brasil, ó Pátria amada”. Jo soy Brasileiro, Bolivariano, desde criancinha, com muito orgulho, com muito amor. VeMM conosco, Brasil, e vc tb Marina pois o teu lugar é ao nosso lado. O Mapa do Novo Brasil e Nova América do Sul é nosso. Simbora para o futuro pelo Novo Caminho para o Novo Brasil de Verdade. O resto é só mais dos mesmos e cópias baratas. Com partidos, ou sem partidos, ou apesar dos partidos, o fato é que a Hora de descortinarmos os novos horizontes é agora. Evoluir é preciso. E com a RPL-PNBC-ME o Brasil pode mais, muito mais. E tenho dito.

  2. Quando a Alemanha se jogou na sua maior aventura do Terceiro Milênio, em meses ela conquistou a Europa, dominando os países que invadia com impressionante facilidade e rapidez.
    Com base nessas conquistas, Hitler quis avançar e exterminar o seu possível maior inimigo, a Rússia.
    Esta grandiosa nação, ainda sendo reorganizada após a revolução bolchevique, não estava preparada para enfrentar a máquina nazista, que chegou às portas de Moscou e empurrou os soviéticos para dentro do país. A vitória parecia iminente.
    Ledo engano.
    Com invejável sentido patriótico e generais competentíssimos, a Rússia reage, vence os alemães em seu território, e foi o primeiro Exército a entrar em Berlim, hasteando a sua bandeira no alto do Reichstag.
    Quase 70 anos após o maior conflito da História da Humanidade, mais uma vez a Rússia é o contrapeso para que a maior potência militar atual não tenha o domínio do mundo, e não faça conosco o que bem entender, porém, desta vez, tendo a Rússia ao seu lado outra poderosa nação, a China, diferentemente quando foi aliada dos americanos no passado.
    Ratifica-se, desta forma, a célebre filosofia chinesa, Yin Yang, onde yin e yang são duas energias opostas. Yin significa escuridão sendo representado pelo lado pintado de preto, e yang é a claridade. A luz, que é uma energia luminosa e apresenta-se de maneira muito intensa, é o yang, e a luz muito fraca, é o yin. Segundo os chineses, o mundo é composto por forças opostas e achar o equilíbro entre elas é essencial.
    Pois o equilíbrio encontrado é a mãe Rússia!

  3. Faroeste Americano

    A sociedade capitalista, de base no roubo, de há muito que vem materializando os sentimentos do homem, destruindo a alma humana, facilitando oportunidades de negócios e lucros, sem maiores escrúpulos. Vale quem tem. Valores espirituais e morais, que se danem. Importante é ter a grana. Muita grana.

    Principalmente nas grandes cidades, os laços familiares e de amizades estão em extinção. A solidão vai tomando conta das pessoas. A solidariedade vai se tornando escassa, sem espaço na fria sociedade de consumo. Os filmes enlatados importados dos EUA dominam os canais de televisão, despejando nos lares, diariamente, imenso lixo de gratuita violência e exemplos de mau caráter. Já começamos a ter os bárbaros crimes tão comuns na materialista sociedade norte-americana.

    Para piorar tudo, a economia mundial continua patinando no atoleiro da atual grande crise, aflorada em final de 2007, com milhares de falências e desempregados no primeiro mundo, inclusive nos EUA. Diante desse tenebroso cenário econômico, a gigantesca indústria bélica dos EUA necessita mais do que nunca de distúrbios, bombardeios, invasões militares e guerras, vistas no Afeganistão, Iraque, Líbia, Egito e outros, contaminados pela “primavera árabe”. Vendem bilhões em armas. Sem escrúpulos algum.

    Não fosse a Rússia de Putin, os EUA já teriam invadido a Síria e o Irã. O campo para mais outra invasão militar já estava pronto, graças aos trabalhos da CIA treinando opositores aos governos daquela região. Distúrbios, invasões militares e guerras, aquecem a indústria bélica norte-americana, além disso, proporcionam oportunidades de posse e controle de gigantescas reservas do petróleo, alheio.

    Mais do que nunca, os EUA agem como nos velhos filmes de faroeste. E, diante dessa cruel verdade, quem não tiver um potente revolver na cintura, acaba sendo baleado, jogado ao chão e humilhado, bem às vistas de todos. Acorda, Brasil.

  4. Faroeste Americano

    A sociedade capitalista, de base no roubo, de há muito que vem materializando os sentimentos do homem, destruindo a alma humana, facilitando oportunidades de negócios e lucros, sem maiores escrúpulos. Vale quem tem. Valores espirituais e morais, que se danem. Importante é ter a grana. Muita grana.

    Principalmente nas grandes cidades, os laços familiares e de amizades estão em extinção. A solidão vai tomando conta das pessoas. A solidariedade vai se tornando escassa, sem espaço na fria sociedade de consumo. Os filmes enlatados importados dos EUA dominam os canais de televisão, despejando nos lares, diariamente, imenso lixo de gratuita violência e exemplos de mau caráter. Já começamos a ter os bárbaros crimes tão comuns na materialista sociedade norte-americana.

    Para piorar tudo, a economia mundial continua patinando no atoleiro da atual grande crise, aflorada em final de 2007, com milhares de falências e desempregados no primeiro mundo, inclusive nos EUA. Diante desse tenebroso cenário econômico, a gigantesca indústria bélica dos EUA necessita mais do que nunca de distúrbios, bombardeios, invasões militares e guerras, vistas no Afeganistão, Iraque, Líbia, Egito e outros, contaminados pela “primavera árabe”. Vendem bilhões em armas. Sem escrúpulos algum.

    Não fosse a Rússia de Putin, os EUA já teriam invadido a Síria e o Irã. O campo para mais outra invasão militar já estava pronto, graças aos trabalhos da CIA treinando opositores aos governos daquela região. Distúrbios, invasões militares e guerras, aquecem a indústria bélica norte-americana, além disso, proporcionam oportunidades de posse e controle de gigantescas reservas do petróleo, alheias.

    Mais do que nunca, os EUA agem como nos velhos filmes de faroeste. E, diante dessa cruel verdade, quem não tiver um potente revolver na cintura, acaba sendo baleado, jogado ao chão e humilhado, bem às vistas de todos. Acorda, Brasil.

  5. Prezado Welinton,
    Sei que além de ti existem outros colegas que são adeptos a termos a bomba atômica, aparentemente uma arma que faria com que obtivéssemos mais respeito perante outras nações.
    Não concordo, respeitosamente.
    Atirá-la contra argentinos, bolivianos, colombianos?!
    Si, porque se pensam que os americanos nos veriam com outros olhos a partir do momento que tivéssemos um arsenal atômico, ledo engano.
    Nossos aviões ou mísseis sequer levantariam voo, diante do aparelhamento eletrônico sofisticado dos Estados Unidos em descobrirem qualquer movento neste sentido.
    Então, o tal artefato é dispensável para o Cone Sul americano.
    O que precisamos, e nossos governos têm sido criminosamente omissos neste sentido, é fortalecer nossas Forças Armadas!
    Reaparelhar o Exército com armas modernas; a Aeronáutica com caças atuais; a Marinha com mais submarinos e porta-aviões.
    Guarnecermos de modo infinitamente maior e mais bem cuidada as nossas fronteiras amazônicas, as do oeste brasileiro e as do sul, principalmente com a Argentina, que sempre nos vê como um possível inimigo.
    E, se depois dessas medidas entenderem que devemos ter a bomba, então estaremos em melhores condições de até transportá-la ou armazená-la mas, agora?!
    Eis o que penso a respeito, Welinton, que vejo mais necessidade de atenções básicas que imaginarmos um País dotado de arsenal atômico, além de termos de rasgar o acordo que assinamos de Não Proliferação de Armas Atômicas (se é este o termo), que nos traria de imediato muitos problemas de ordem mundial, também!

  6. Prezado Francisco Bendl

    É claro que bomba atômica, sem mísseis de longa distância, é inoperante. Sem sentido algum. É claro que todos os países possuidores dessa insuperável arma de defesa, gozam de muito respeito no conturbado e perigoso cenário mundial. As armas convencionais nunca serão capazes de deter o formidável e devastador poder bélico dos EUA. Basta ver o que ocorreu em suas últimas invasões militares, no Iraque e na Líbia. Hoje, mais do que nunca, falar grosso, só com elas.Perguntem ao Putin.
    Saudações
    Welinton

  7. Nos brasileiros temos inveja e rancor de 2 países: EUA e Argentina.
    Tem gente por aí que por detestar a Argentina diz cretinices tipo: Maradona só jogava dopado,
    Maradona é maconheiro,
    Zico e Ronaldo foram melhores que Maradona etc.
    Outros dizem que não gosta de argentino porque eles são racistas, preconceituosos etc.
    Racistas e preconceituosos? Ora bolas, isto tem de sobra no Brasil.
    A todo o momento o paulista está espancando nordestino, criticando nordestino, chamando-os de classe inferior etc.
    E digo mais, o baiano adora criticar o sergipano, diz que Sergipe é o nosso quintal. Chama o cearense de cabeça chata etc.
    E o jogador Edmundo? “A gente vem na Paraíba, um paraíba apita, só pode prejudicar a gente, né?”.
    Porque nós seres humanos não olhamos para o nosso próprio rabo quando dirigimos críticas a seus semelhantes?
    Porque nós seres humanos às vezes mesmo tendo telhado de vidro costumamos jogar pedra no telhado do vizinho?
    Ah, e o Tango é bem mais bonito de ser dançado que o samba.

  8. Carlos Newton, saudações
    Texto irretocável. Texto objetivo e claro.
    Há alguns dias, você publicou um texto meu, denominado “Capitalismo: Ontem, Hoje e Amanhã”.
    Pois bem. Não houve uma linha sequer, nem uma linhazinha contestando o que escrevi. Alguns se manifestaram a favor … enquanto outros, ao invés de apresentar seus argumentos contrários, optaram pelo desvio do assunto em pauta (a exploração do homem pelo homem, a cruel ditadura imposta pelo Deus Dinheiro, o crime hediondo da Globalização da Desigualdade patrocinado pelos ianques), preferiram discorrer sobre Marx, Lênin, Stalin, etc. Como seja: aceitaram o Capeta-Lismo sem reação, não vieram com nada para contrapor os fatos que apresentei com nomes, datas, eventos, épocas, etc. Por favor consulte o artigo, CN! Ninguém contestou o que escrevi. Simplesmente ninguém. Nem há como.
    Uma pena que percebemos brasileiros apoiando homens como Roberto Campos, um dos mentores da nossa submissão à ditadura imposta pelos Estados Unidos ao mundo. Foi de fato um crime contra a Pátria Brasileira, Bob Fields aumentar nossa dívida externa em 25%, como lembrou o Helio.
    E o que temos agora, CN? Os Estados Unidos, mais uma vez … mais uma vez … mais uma vez … estão prestes a prejudicar o mundo inteiro com uma gestão/administração tão irresponsável quanto louca e criminosa. Estão em mais uma paralisação!!! E nos próximos dias estarão discutindo como aumentar (novamente,novamente, novamente) o teto da dívida deles, atualmente em US$16,6 trilhões!!! Eles estão perdidos, falidos, quebrados, desmoralizados e poderão levar o mundo a mais uma bancarrota!!! Em 1929 … coube ao povo salvar o país. Em 2008 … coube ao povo salvar (e ainda está salvando) o país. Até quando??? Até quando??? Cabe o Brasil aliar-se aos chineses e russos, sim!!! Temos que construir alianças fortes!!! E para terminar por hoje, por hoje (HF!!!). Está nos jornais: “Alegando falta de caixa, Estados Unidos deixaram de pagar parcela de setembro”. Mais. “A decisão do congresso dos EUA de não aprovar o Orçamento do país já afeta as relações com o Brasil. Em reunião ontem, a Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) retomou o grupo de trabalho que avalia retaliações de US$1 bilhão aos americanos. O motivo: os EUA não repassaram, em setembro, US$12 milhões a produtores brasileiros de algodão”…
    CN, é provável que este mundão, sempre tão sofrido e castigado pelos reis, imperadores e crueis e sanguinários ditadores como os Estados Unidos, nunca tenha sido tão cruelmente vitimado por tamanhas atrocidades. Não há, simplesmente não há, na História das Nações, tão sistemática aplicação de horrores de todas as espécies, imposta para provocar a miséria em muitos milhões de habitantes no mundo. Eles estão expostos!!! Eles estão mais delirantes do que em qualquer outra ocasião!!! A indispensável divisão proposta por você, CN, está no centro das discussões de todo o mundo. Ninguém aguenta mais!!! Basta!!!

  9. Prezado Francisco Bendl, saudações.

    “Com invejável sentido patriótico e generais competentíssimos…” e uma estratégia sem paralelo no mundo (STALIN e ‘seus’ generais), os alemães enfrentaram 2 inimigos poderosos/imbatíveis: a fome e o rigorosíssimo inverno russo, graças à brilhante tática criada: desocupação/evacuação das fazendas e destruição de todo o alimento; resultado: o exército alemão avançava mas não tinha víveres, alimento. A fome e o frio o dizimava aos magotes. Em razão disso, por atacarem com as famosas divisões Panzers, cujos tanques eram totalmente blindados, à exceção da tampa do motor – o ponto fraco – os russos criaram uma inteligente tática: adestraram cães da raça rusky siberiana – aqueles mesmos, lindos, de olhos azuis, puxadores de trenó, da seguinte forma: mantinha-os esfomeados nas fazendas que haviam sido desocupadas e os alimentos destruídos e, à aproximação dos tanques inimigos, colocava-se pedaços de carne fresca justamente na parte do tanque que não era blindada; a seguir, soltavam os cães famintos portando cinturões recheados de explosivos. Dessa forma, os cães da raça husky siberiana explodiram várias divisões panzers, fazendo ‘churrasco’ de ‘dobermans! Os russos, à par a semelhança conosco, brasileiros,sempre souberam aproveitar, em tempo de querra, em seu favor, os rigores do seu clima.

  10. Newton, teu artigo merece elogios. É o retrato fiel dos acontecimentos. Putin peitou os EU e peitou para valer. Escreveu um artigo para o povo americano que foi um verdadeiro libelo. Atrás de si o premier chinês, como a dizerem: acabou o tempo da covardia. Daqui por diante todos os impasses têm que serem resolvidos na mesa de negociação.Putin agigantou-se aos olhos do mundo. Os reflexos atingirão todo o oriente médio.

  11. “Em matéria de crueldade e covardia, na História da Humanidade, nunca se viu nada igual”. BRAVO, Carlos Newton!!!
    Eis a maior ditadura do mundo, em qualquer época, os Estados Unidos da América, em ação!!!
    Invade por invadir.
    Explora por explorar.
    Tortura por torturar.
    Mata por matar.
    São mestres em produzir a sensação de liberdade, de democracia, de ir-e-vir, etc.
    Mas são os DITADORES MAIS SANGUINÁRIOS DA HISTÓRIA, EM TODOS OS TEMPOS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *