A parceria genial de Guilherme de Brito e Nelson Cavaquinho

O pintor, escultor, cantor e compositor carioca Guilherme de Brito Bollhorst (1922-2006), na letra do samba “A Flor e o Espinho”, parceria com seu grande amigo Nelson Cavaquinho e Alcides Caminha, apresenta o oposto ao amor antes existente, e passa a desprezá-lo.

A primeira gravação do clássico “A flor e o espinho” foi feita por Raul Moreno, em 1957, pela Todamérica, mais tarde também gravada por Elizeth Cardoso e outros grande nomes da MPB.

Nelson e Guilherme, parceiros inseparáveis

A FLOR E O ESPINHO
Nelson Cavaquinho, Alcides Caminha e Guilherme de Brito

Tire o seu sorriso do caminho
Que eu quero passar com a minha dor
Hoje pra você eu sou espinho
Espinho não machuca a flor
Eu só errei quando juntei minh’alma à sua
O sol não pode viver perto da lua
É no espelho que eu vejo a minha mágoa
É minha dor e os meus olhos rasos d’água
Eu na tua vida já fui uma flor
Hoje sou espinho em seu amor
Tire o seu sorriso do caminho
Que eu quero passar com minha dor
Hoje pra você eu sou espinho
Espinho não machuca a flor
Eu só errei quando juntei minh’alma a sua
O sol não pode viver perto da lua

(Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *