A pedido de Odebrecht, Lula atuou contra a Andrade Gutierrez na Venezuela

Resultado de imagem para lula odebrecht charges

Charge do Alpino (Arquivo Odebrecht)

Leticia Fernandes
O Globo

Em um dos esclarecimentos que prestou à Justiça, Emílio Odebrecht conta que reclamou com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de suposto favorecimento do governo brasileiro aos interesses da Andrade Gutierrez, concorrente direta da empresa, em dois negócios na Venezuela. Depois da ofensiva, a Odebrecht ganhou uma das licitações, referente à hidrelétrica de Tocoma, e uma empresa estrangeira se beneficiou do outro negócio na área siderúrgica, que Emílio não soube precisar qual seria.

Emílio contou que, a pedido do filho, Marcelo Odebrecht, reclamou ao petista que o governo estava “agindo ativamente” junto a membros do governo venezuelano em favor da Andrade Gutierrez e que seu governo atuava de forma “unilateral” para beneficiar a empreiteira rival.

RECLAMAÇÃO — Cheguei a ter a oportunidade, a pedido de Marcelo, de conversar com o próprio Lula de que isso não podia estar acontecendo — afirmou Emílio: “No fundo foi uma reclamação de que o governo dele estava, em detrimento de outras, prestigiando uma licitação que me lembro bem houve na área de siderúrgica e na área de uma hidrelétrica” — contou.

O patriarca disse ainda que a Andrade Gutierrez estava sendo apoiada pelo Itamaraty e por “pessoas dentro do Planalto”. Emílio não soube precisar, porém, que integrantes do governo estariam envolvidos no suposto favorecimento.

Segundo ele, Lula ainda tentou minimizar o suposto favorecimento da empresa concorrente: “Ele ouviu e disse ‘você tem toda razão, vou ver’. Ele procurou minimizar, achando que não era, e eu disse: ‘Ó, presidente, eu não trago para o senhor coisas que eu não tenha confirmado’.

CHÁVEZ E CAPRILES – O patriarca da empresa relata ainda, num outro vídeo, uma conversa que teve com Lula sobre a situação política da Venezuela. De olho na estratégia que a Odebrecht adotaria no país, Emílio pede que o petista receba o líder da oposição ao governo Hugo Chávez, Henrique Capriles, porque Chávez não ficaria no poder “o resto da vida”. Ele diz acreditar que o pedido foi atendido.

“Eu procurei transmitir ao presidente Lula a consciência de que o governo Chávez não é um governo que vai ficar lá o resto da vida, mais cedo ou mais tarde eles sairiam. Capriles era a liderança que personificava a oposição, então era importante que o Brasil não desse as costas para o Henrique Capriles, que queria ter um encontro com o governo” — conta, acrescentando:

“Então eu disse a ele: ‘Lula, atenda, ou me diga que não vai atender porque preciso começar a pensar na minha estratégia de saída da Venezuela’. “Acho que ele deu sequência” — emenda Emílio.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Como se vê, a promiscuidade era tamanha que a Odebrecht interferia até na política externa brasileira. E tudo isso só aconteceu porque Lula era muito religioso e sabia se curvar ao deus Dinheiro. E ainda há quem diga que Lula é comunista. Só pode ser Piada do Ano. (C.N.)

4 thoughts on “A pedido de Odebrecht, Lula atuou contra a Andrade Gutierrez na Venezuela

  1. Quem vai dar jeito no Brasil?

    Nunca se viu tamanha contaminação das instituições, nos 3 poderes.

    Enquanto o povo brasileiro chora, pela dor do desemprego e falta de assistência, uma minoria de ladrões ri de toda uma nação.

    Como reagir ao avanço desses apátridas?

    Onde estão escondidas as autoridades decentes, civis e militares?

    SOCORRO!

  2. “Os relatos de Vidigal como de outros executivos há propinas pagas em valores diferentes e em momentos distintos. Marcos Vidigal chega a revelar que no sistema de Caixa 2 da empreiteira, o tribunal era conhecido como “Casa de Doido”.

    “O sistema não informa TCE apenas ‘Casa de Doido’, relata o executivo da Odebrecht.”
    Link
    http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/delta-quitou-divida-com-odebrecht-pagando-propina-ao-tce-diz-delator.ghtml

    Casa de doido?
    Triste mas faz sentido

  3. Tudo considerado (delatores sobre Lula), digo sem nenhuma paixão política, sinceramente, o que eu concluo sobre as acusações é que:
    1) Não há alegação de crime em lugar nenhum.
    2) As alegações de Marcelo não tem materialidade nenhuma, e parecem uma acusação forjada sob pressão;
    3) Não há qualquer alegação de enriquecimento ilícito de Lula ou de participação em licitações fraudulentas;
    4) Os favores que ele teria prestado para a Odebrecht teriam sido basicamente no exterior, o que consiste em ação do máximo interesse nacional;
    5) As alegações do diretor sobre os favores prestados a Lula devem ter materialidade e devem ser fáceis de provar;
    6) Excetuando a alegação da MP, Lula não era mais funcionário público, então se usou seu prestígio para intermediar os interesses da companhia agiu como lobista, o que é comum entre ex titulares do executivo, sem transgredir a lei; https://goo.gl/b2Kmqy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *