A presidente Dilma, enfim, realizou o sonho de Raul Pilla

José Carlos Werneck

O sonho do político Raul Pilla de implantar no Brasil o regime Parlamentarista foi realizado pela nossa presidente Dilma Rousseff, que sem plebiscito, mensagem ao Congresso ou qualquer outro tipo de consulta, implantou a forma de governo que o ilustre gaúcho dedicou toda sua vida pública para tornar realidade.

Raul Pilla foi o político brasileiro, que no Congresso Nacional mais lutou, como deputado federal pelo Rio Grande do Sul, para implantar o sistema de governo parlamentarista. Indubitavelmente, foi o mais importante defensor deste sistema de governo ao longo da história da república brasileira.

Nascido em 1892, em Porto Alegre, este filho de imigrantes italianos participou ativamente da política, tendo iniciado muito cedo sua vida partidária. Participou dos acontecimentos mais importantes do século XX , no Brasil e em seu estado natal. Deputado por cinco mandatos, renunciou em 1966, pois sendo um ardoroso defensor da democracia liberal, não aceitava o autoritarismo do regime militar. Faleceu em 1973, sem ter visto o Parlamentarismo ser implantado como regime de governo definitivo em nosso País.

REGÊNCIA TRINA

Não é que agora, para surpresa de todos, a presidente Dilma implantou o parlamentarismo, aperfeiçoando ainda mais o sistema, que ao invés de ter somente um primeiro-ministro, voltando à Regência Trina, conseguiu três governantes nas pessoas do vice-presidente Michel Temer, do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha e do presidente do Senado Federal, Renan Calheiros!

Finalmente Raul Pilla poderá descansar em paz!

10 thoughts on “A presidente Dilma, enfim, realizou o sonho de Raul Pilla

  1. Não é dessa maneira que o PARLAMENTARISMO tem que ser implementado, nem muito menos do jeito que foi em 1961.
    È sem dúvida muito melhor do que esse horroroso PRESIDENCIALISMO DE COOPTAÇÃO ou melhor dizendo PRESIDENCIALISMO DE CORRUPÇÃO, que só pode dar certo se o PRESIDENTE DA REPÚBLICA for um ser praticamente perfeito, isto é, INTEGRO, COMPETENTE E COM HABILIDADE POLITICA., em suma, alguém praticamente impossivel de aparecer,com certeza uma chance de menos de 1 para 1.000.000.
    Há uma certa esperança quando por exemplo José Serra declara que poderia dar apoio a um eventual governo do Temer, desde que haja um compromisso de se implantar um parlamentarismo de fato e de direito já a partir de 2018.Até mesmo porque, apesar do Aécio não ter citado isso em nenhum momento da campanha e do FHC não ter tido interesse no seu mandato, o regime PARLAMENTARISTA faz parte do programa do PSDB.
    Aí, importantes detalhes teriam que ser definidos, qual seria o papel do futuro Presidente, por exemplo,praticamente decorativo como na Alemanha ou com muito poder como na França. Aliás se for para ser decorativo, é o caso até mesmo em se pensar na volta da monarquia
    Tudo isso dessa vez teria que ser feito de maneira difierente, primeiro implanta-se o novo regime e depois de um tempo, já com um governo com certeza muito melhor do que o atual, aí sim se faz um referendo para se sacramentar um novo regime, muito mais saudável, flexivel e democrático do que o atual.

  2. Werneck sem dúvida você é um intelectual de gabarito. É prazeroso ler o que escreves, mas, nesta abordagem sobre o parlamentarismo” você joga para arquibancada”. A situação é tão degradante que a única coisa sensata que podemos querer é que se investigue a fundo todas as mazelas, julgando e punindo os culpados. Mesmo que fossem outros os personágens, a comparação ou analogia está “”fora do tom”. O parlamentarismo está anos luz dessa “trindade”. O que vemos é a mais deslavada chantagem. Três acusados no mensalão “acuando” a presidente que não tem quem a socorra. Todas suas iniciativas antes de serem apresentadas recebem imediatamente reprovação dos chatangistas. Ora é Cunha (gatuno conhecido e reconhecido), ora Renan (mafioso de longa data), com o consentimento tácito de Temer (gato escondido com as unhas de fora). Deves estar curioso por eu ter incluido Temer como acusado no mensalão. Saiu na mídia que ele levou segundo um dos delatores 700 mil reais. Lá também estava a resposta de Temer: Não conheço e nunca falei com essa pessoa. Quanto ao ilustre político gaucho, maragato, depois libertador e depois udenista Raul Pilla, façamo-lhe justiça: ele, junto com Golbery do Couto e Silva que sugeriram o parlamentarismo de ocasião para que Jango fosse empossado depois da renuncia de Janio em 1961. Falas também em “regência trina”, regime implantado depois da volta de Dom Pedro I para Portugal deixando criança com cinco anos o principe imperial Dom Pedro II depois aclamado imperador do Brasil como D. Pedro II.

  3. Prezado Aquino,
    É com imensa tristeza que constato que nem você,nem o excelente comentarista Willy Sandoval, não
    captaram a ironia do texto.Muito grato por seus elogios.Acho que não mereço tanto.Mas vindo de pessoa como você,veterano e profundo conhecedor de nossa história política,fico muito honrado.
    Grande abraço e muita saúde!
    Werneck

  4. Marcos Jorge,
    Como diz o Helio Fernandes:
    Perfeito!
    E é por isso,que temos estes políticos de baixíssima qualidade,roubando sem parar,acabando com o País e nos deixando cada dia mais pobres!

  5. Wreneck tua ironia foi tão sutil que que eu preferi entendê-la como comparação ou analogia que juridicamente é a mesma coisa. Quanto aos elogios você bem os merece.

  6. Quanto a participação de Marcos Jorge e Sandoval, Werneck, eu gostei porque são temas (parlamentarismo e ironia) fascinantes, que poderiamos desenvolver saindo do mesmismo que já nos cansa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *