A pressão precisa continuar, para haver mudanças

Vittorio Medioli
O Tempo

O PMDB, acuado pelos indiciamentos do petrolão e assustado com as manifestações que encheram as ruas do país, pedindo impeachment e moralização, reagiu sem pestanejar durante a semana que passou. Ainda mais com a cabeça a prêmio de suas principais lideranças congressuais e de seus governadores.

Apresentou, na vigésima quinta hora da crise, propostas de austeridade que merecem ser levadas a sério. Cortar na carne dos governos e das administrações públicas despesas e gorduras.

Passou da hora de se fazer essa justiça. Soa, sem dúvida, pura demagogia saindo da boca de quem mais atuou (PMDB) para escancarar os cofres públicos ao assalto de quadrilhas. Última e recente proposta: conceder a cota de passagens para parentes de parlamentares. O acinte durou poucas horas, o suficiente para mostrar a indigência moral que assola o Congresso Nacional.

Resta entender a capacidade de um mesmo partido gerar propostas monstruosas e outras que seguem ao encontro do bom senso, tudo isso em poucos dias e sem mudar de paletó.

AUTORIDADE MORAL

Aperceberam-se, com milhões de pessoas nas ruas, de que falta autoridade moral aos governantes e à Corte para pedir mais sacrifícios ao contribuinte, exatamente a quem trabalha de verdade e dá sustento à nação. A sensação de ser roubado e feito de palhaço deixou de ser sentida apenas na classe média. As pesquisas apontam uma queda de popularidade do governo, que teve precedente nos piores momentos da história republicana, como foi a cassação do presidente Fernando Collor.

Os senhores parlamentares se atribuíram um aumento salarial de 50% a partir de fevereiro, outros aumentos de verbas de gabinete, ajudas de custos no mesmo índice, em cascata atingindo Assembleias estaduais e Câmaras municipais. Ainda se preparou um aumento de repasse de dinheiro público para as cotas dos partidos. Isso passando de R$ 1 bilhão a cada ano. Pouca-vergonha.

URGÊNCIA NA TRAMITAÇÃO

Há de se esperar que a proposta do PMDB avance, receba emendas e se aperfeiçoe, que a sociedade civil se mobilize e exija urgência e prazo máximo de 60 dias de tramitação para os cortes propostos. Mesmo que seja um lance demagógico de quem tem pouca moral, que se leve adiante.

A proposta é de que os ministérios sejam limitados por emenda constitucional ao número de 20. Já é um começo, apesar de existirem fórmulas de deixar tudo igual. As reduções deveriam ser orçamentárias e alcançar todos os Poderes e todas as instâncias.

É PRECISO CORTAR

O Poder Legislativo, que o PMDB preside no Congresso, virou um ralo por onde saem, a qualquer título entre os mais esfarrapados, salários estratosféricos, mordomias de figuras que apenas se dedicam a assaltar finanças públicas e montar mensalões.

Cortar em um terço os cargos do Legislativo e cortar pela metade seus orçamentos, a começar dos municípios, seguindo pelos Estados e subindo até o Congresso Nacional.

Cortar os cartões corporativos ou ao menos dar-lhes total transparência, assim como aos empréstimos do BNDES que vão para outros países bancar obras de infraestrutura que aqui faltam tanto quanto ou até mais que lá fora.

Obviamente não é tarefa fácil, mas a mobilização popular, apenas ela, poderá estimular a vergonha que até hoje faltou para termos um sistema mais justo.

7 thoughts on “A pressão precisa continuar, para haver mudanças

  1. Deu na Veja de hoje, 23.3.2015

    Funcionários dos Correios tentam evitar por meio de uma batalha judicial e de greves que os participantes do Postalis, fundo de pensão da estatal, tenham redução de um quarto nos seus salários a partir de abril de 2015 pelo período de quinze anos e meio. A conta é resultado de um déficit atuarial de 5,6 bilhões de reais no Postalis, controlado pelo PT e PMDB, provocado por investimentos suspeitos, pouco rentáveis ou que não tiveram ainda rendimento repassado ao fundo. Também sob influência dos dois partidos políticos, o Funcef, dos empregados da Caixa Econômica Federal (CEF), e a Petros, da Petrobras, contabilizam prejuízos bilionários.
    Partiu do conselho deliberativo do Postalis a decisão de impor aos funcionários a contribuição extra que terá forte impacto sobre os salários. No primeiro momento, ficou definido um corte de 25,98% nos contracheques. O déficit será reavaliado a cada ano a partir do retorno dos investimentos e da expectativa de vida dos participantes.
    Um funcionário que tem salário de 10.000 reais, por exemplo, receberá 2.598,00 de reais a menos no final do mês apenas para cobrir o déficit, além o valor da contribuição definida. Vão pagar o porcentual extra os funcionários mais antigos, aqueles que entraram nos Correios até 2008. Isso equivale a 75% do pessoal da empresa.

    • é um castigo mais do que justo a esses funcionários que deixaram que aparelhassem o seu sindicato e fundos de pensão. Os mesmos que perimitiram que a estrutura dos correios fosse usada e abusada pelos PETRALHAS na reeleição da PRESIDANTA!
      CASTIGO VEM A CAVALO!
      CRIEM VERGONHA NA CARA E EXPULSEM OS PETRALHAS DE SEU SINDICATO E MAIS AINDA DOS SEUS FUNDOS DE PENSÃO!
      DESFILIEM SEUS SINDICATOS DA CUT!
      VOCES DERAM ASAS PARA COBRAS!
      VOCES ESTÃO SENDO UMA DAS MAIORES VITIMAS, JUNTOS COM O POVO EM GERAL!
      VENHAM PARA AS RUAS DO LADO CERTO, PARA PEDIR O IMPEACHMENT DA PRESIDANTA E DOS PETRALHAS DO PODER!

  2. CAMPANHA DO “MAIS UM”

    NO DIA 12 DE ABRIL

    TODOS QUE PARTICIPAMOS DO

    MEMORÁVEL 15 DE MARÇO,

    VOLTAREMOS ÀS PRAÇAS E RUAS

    SEMPRE LEVANDO MAIS UM

    OU MAIS DOIS, OU MAIS TRÊS, OU MAIS . . .

  3. A coisa está mesmo feia, Sr. Medioli: de um orçamento total de R$2,4 trilhões, sobra apenas uma merreca de R$56,0 bilhões para o país investir. Isto é, o equivalente a 1% do PIB.

    É fácil imaginar as consequências para o médio e longo prazos para a economia de um País que precisa, segundo da Confederação Nacional de Transportes (CNT) investir um trilhão de reais em infraestrutura e logística para suster algum desenvolvimento sustentável.

    É fácil saber as consequências que nós, nossos filhos e netos terão pela frente. Não vou nem repetir o quanto do orçamento é gasto – na atualidade – com saúde, segurança e transporte. É uma assombro!

  4. O Zé Mané correios, vai ser roubado 2 vezes ou mais. Os Lalaus, vão ser premiados!?!??
    Quem indica o Presidente e Diretores, os poltiqueiros que estão na desgovernança do País.
    A conta do roubo do cofre público desse País é paga sempre pelo Zé e Maria Babaca, que sobrevive no me engana que eu gosto e Pão e circo com 7×1.
    A lei contra o roubo mandado pela Dª Dilma, é piada de mau gosto, pois, dá a chave do cofre a ministros, QUE SÃO EXEMPLOS DE SORDIDEZ, que o JUIZ Moro e Equipe, já os colocou no “penalti”, E QUE O STF, CUMPRA SEU DEVER DE JUSTIÇA COM CHUTE, FAZENDO GOL NA PAPUDA!!
    queira DEUS, que esse despertar do “Berço Esplêndido”, seja pacifico, defenestrando os bandidos transvestidos de “políticos”, 15 de março mais de 2 milhões nas ruas, vamos multiplicar!!! POR UM BRASIL DECENTE E JUSTO, É PRECISO DAR UM BASTA NA HIPOCRISIA E ROUBO DO COFRE PÚBLICO PELA CANALHADA!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *