A propósito de vandalismos

Vittorio Medioli (O Tempo) 

É realmente deplorável assistir a atos de vândalos que queimam carros, quebram vidraças, saqueiam lojas e, mais ainda, ver jovens arriscando-se sob chuva de bombas lacrimogêneas, mesmo aqueles pacíficos em seu direito de se manifestar que, atingidos na cabeça, podem ser mortos ou ter um olho esmagado por uma bala de borracha. Balas que se usam apenas em países incivilizados ou ditaduras. O vandalismo coloca em risco policiais, também insatisfeitos e inocentes, ao soldo de governantes que não elegeram.

O vandalismo mostrado nas telas, e comentado com desgosto e semblante fechado, revolta muita gente em suas casas. Deplorável a quebra de vidraças do Palácio do Itamaraty, em Brasília. Ninguém concorda com isso. Agredir uma obra de arte projetada por Oscar Niemayer, admirada internacionalmente e que conserva obras de artistas famosos, despertou ao vivo as preocupações de milhões de pessoas. Um prédio tão genial, inspirador de milhares de outros em todo o planeta, palácio que hospeda a câmara dos botões do sistema diplomático do Brasil.

Depois ouvi dizer que vandalismo com o patrimônio e o dinheiro público é ter aberto, nos últimos dez anos, cerca de 50 novas embaixadas que se reportam a esse Itamaraty, a maioria em países exóticos e paradisíacos, dotadas com um mínimo de 25 funcionários. Nelas o embaixador mais simples ganha R$ 50 mil, o mais estrelado, R$ 70 mil, o funcionário de nível inferior, cerca de R$ 25 mil, entre o salário propriamente dito e as “verbas”. O custo de uma embaixada, segundo os dados que se podem encontrar fora da caixa-preta do Itamaraty, aponta um mínimo de R$ 10 milhões a cada ano por uma embaixada de menor porte. Nessa categoria se enquadra uma dúzia em paraísos caribenhos cercados de mar azul e fora da rota turística. Hoje o Brasil possui 92 embaixadas megalomaníacas cobiçadas por aliados e partidários que procuram o “dolce” e bem-remunerado “far niente”.

São Vicente e Granadinas (população de 121 mil), Santa Lúcia (162 mil), São Cristóvão e Nevis (51 mil), Barbados (279 mil), Antígua e Barbuda (88 mil) por um total geral de 701 mil habitantes, na mesma região, provavelmente custam mais de R$ 50 milhões por ano.

VANDALISMO DE VERDADE

Vandalismo, dizem os vândalos e os despolitizados, é deixar milhões de brasileiros correndo desesperadamente de um posto de saúde a outro sem encontrar atendimento, hospitais lotados em seus corredores, com falta de médicos, leitos e material.

Vandalismo entre esses arruaceiros é considerado deixar um idoso sentado numa cadeira escancarada por 24 horas tomando soro até ruir aos pés dos filhos que choram, apenas choram. Deixar um enfartado morrendo numa maca suja; “internar” pacientes em colchonete estendidos no chão, sem fraldas, lençóis; aguardar 15 dias para recompor uma fratura exposta que leva a amputação. Não ter fio cirúrgico e álcool, remédios e o básico.

Outro vandalismo que as ruas comentam é não ter creches para crianças que vivem em ambientes insalubres e imundos; vandalismo de Estado é prometer 6.300 creches em quatro anos e depois de 30 meses ter apenas um número insignificante e, portanto, não informado. Barbaridade é ter 39 ministérios inúteis e criar mais um para abrigar Afif Domingos, um dublê de empresário, mas assim mesmo merecer seu kit de jato-executivo, cartão corporativo, residência oficial e um sem números de assessores e serviçais.

DINHEIRO PELO RALO

Vandalismo, insistem esses baderneiros, é jogar dinheiro pelo ralo. Barbaridade é ter uma carga tributária escandinava para manter uma classe de políticos que se trancam dentro do Congresso e votam às pressas, agora, aquilo que era negociado anteriormente por benesses e nomeações.
Barbárie, gritam, é deixar escola sem carteiras e professores sem condições de dar aula.

Outro vandalismo seria nomear ministro do STF para dar impunidade a mensaleiros que nunca irão para cadeia; eleger presidente do Congresso que já foi cassado do mesmo cargo por improbidade e corrupção; primitivismo é tratar de cura gay, sem atar a camisa de força para os deputados a favor.

Vândalos são esses gringos que chegam de países ricos e ditam como se gasta R$ 30 bilhões para uma Copa, com um custo médio de R$ 800 milhões por estádio, construídos em apenas 30 meses. Enquanto isso, com creches não se gastou mais que R$ 50 milhões.

Hediondo é permitir que a Fifa, presidida por acusados de ladroagem, chegue a ter importância de papa.

Vandalismo é demolir uma potência como a Petrobras, arrasar o setor de etanol, combustível limpo que poderíamos ter em abundância.

Vandalismo é abandonar estradas e BRs, possibilitando um extermínio nas crateras que se abriram em todo o Brasil.

Enfim, este país tem muitos vandalismos a serem eliminados, para poder escapar do inferno.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

10 thoughts on “A propósito de vandalismos

  1. Vandalismos de verdade é permitir essa brutal sonegação da elite metida a moralista e ladra por excelência:
    SONEGÔMETRO: Valores sonegados pela elite ladrona brasileira
    2011: R$ 415 bilhões;
    2012: R$ 425 bilhões;
    2013, até hoje: 204 bilhões.

  2. UM ERRO NÂO JUSTIFICA O OUTRO.
    Correto. Temos que condenar o vandalismo e a baderna.
    Aplaudir as manifestaçõe e protestos pacíficos.
    Mas, incrível o vandalismo praticado pelo governo, conforme relata o Sr. Vitório Medioli.
    O que o PT encontrou de condenável quando assumiu o governo, foi ampliado, ampliado e ampliado.
    Ou seja, o PT, nega tudo o que pregou, e pratica em grande escala, tudo o que sempre condenou.
    Farsantes.

  3. O Novo Brasil de Verdade, pelo qual o povo já grita nas ruas, é incompatível com o retrocesso e tb com o continuismo do mais dos mesmos. Logo, as pesquisas que aí estão tb derreter-se-ão ao calor ainda mais intenso das ruas em 2014, bem como os nomes colocados nas pesquisas que aí estão, e que nada têm a ver com aquilo que o povo brasileiro quer, doravante, para si e para o Brasil,ou seja, a Verdade como Ela é, que, aliás, tem nome, sobrenome, apelido, sigla e endereço certos, tal seja A Revolução Pacífica do Leão (RPL), o Novo Caminho de Verdade para o Novo Brasil de Verdade, cujo apelido é Mega-Solução, porque evoluir é preciso,e, sobretudo, porque juntos, unidos ao povo pelo mesmo ideal comum, somos capazes de fazer mais, muito mais, do que o velho continuismo sozinho. Daí, a parceria imprescindível entre a RPL-PNBC-ME e os partidos idealistas se é que existem no Brasil, caso o povo tenha a pacíência de esperar até outubro de 2014.

  4. Graças aos vândalos do bem é que as manifestações tiveram resultados. Se fosse na base do beijinho, beijinho, os safados dos políticos não estariam nem aí. Na minha opinião êles foram um mal necessário pois são os excluídos que sofrem na pele. Os petistas praticavam a mesma coisa no passado e no entanto não foram taxados de vândalos!
    Eunápolis-Bahia

  5. Leia essa:
    “O jornalista Roberto Moreira, do Diário do Nordeste de Fortaleza, informa em seu blog, que o conhecido vereador Ronivaldo Maia, do PT da capital cearense, confirmou que fez o pagamento de quatro fianças para liberar manifestantes presos pela polícia por vandalismo durante ato de protesto na Avenida Dedé Brasil, em Fortaleza ocorrido antes e durante o jogo Espanha x Itália.

    Acompanhava o vereador Ronivaldo Maia (PT) no 16º Distrito Policial, no Dias Macedo, onde estavam detidos os vândalos, o vereador João Alfredo (PSOL).”

  6. Ao que parece estamos diante de dois vandalismos. Um é o vandalismo de bandidos avulsos ou contratados, fantasiados de descamisados, mascarados, anarquizando o patrimônio público e o privado. O outro é o vandalismo dos “colarinhado” que infestam o governo em todas as suas instâncias. São eles que levam o estado a destruir a nação… Cadeia para os vândalos de ambos os lados! E imediatamente, sem porra de plebiscito ou coisa que o valha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *