A realização dos direitos humanos e da natureza

Leonardo Boff

O tema “direitos humanos” é uma constante em todas as agendas. Há momentos em que se torna um clamor universal, como atualmente, com a criação do Estado Islâmico, que comete sistemático genocídio das minorias. Por que não conseguimos fazer valer efetivamente os direitos não só humanos, mas também os da natureza?

A Carta da ONU de 1948 confia ao Estado a obrigação de criar as condições concretas para que os direitos possam ser realizados para todos. Ocorre que o tipo de Estado dominante é classista. Como tal, é perpassado pelas desigualdades que as classes sociais originam. A ideologia política desse Estado é o neoliberalismo, que se expressa pela democracia representativa e pela exaltação dos valores do indivíduo; a economia é capitalista, para a qual tudo vira mercadoria. Por ser capitalista, vigora a hegemonia da propriedade privada, o mercado livre e a lógica da concorrência. Esse Estado é controlado pelos grandes conglomerados, que hegemonizam o poder. Estender os direitos sociais para todos seria contraditório com sua lógica interna.

A solução que as classes subalternas encontraram para enfrentar essa contradição foi elas mesmas se organizarem e criarem as condições para impor seus direitos. Assim surgiram vários movimentos sociais e populares. É mais que uma luta por direitos; é uma luta política para a transformação do tipo de sociedade e do tipo de Estado vigentes. A alternativa à democracia representativa é a democracia social, participativa, de baixo para cima, na qual todos possam caber. Enquanto isso não ocorrer, não haverá uma real universalização dos direitos humanos.

CIDADANIA

As classes subalternas expandiram o conceito de cidadania. Não se trata mais daquela burguesa, que coloca o indivíduo diante do Estado e organiza as relações entre ambos. Agora se trata de cidadãos que se articulam com outros cidadãos para, juntos, enfrentarem o Estado privatizado e a sociedade desigual de classe. Daí nasce a concidadania: cidadãos que se unem entre si, sem o Estado, e muitas vezes contra o Estado, para fazer valer seus direitos e levar avante a bandeira política de uma real democracia social.

Esses movimentos fizeram crescer a consciência da dignidade humana, a verdadeira fonte de todos os direitos, que remete à preservação das condições de continuidade do planeta Terra, da espécie humana e da vida.

Por isso, os valores e direitos básicos que devem entrar mais e mais na consciência coletiva são: como preservar a Terra? E como garantir as condições ecológicas para que o experimento Homo sapiens/Homo demens possa continuar, se desenvolver e coevoluir? Ao redor desse núcleo, se estruturarão os demais direitos. Eles serão não somente humanos, mas também sociocósmicos. O ser humano tem a função, já assinalada no Gênesis, de ser o guardião da vida. Daqui resulta o sentimento de responsabilidade e de veneração que facilita a preservação e o cuidado por todo o criado e por tudo o que vive.

GRANDES DEVASTAÇÕES

Ou faremos a viragem necessária para essa nova ética, ou poderemos conhecer o pior – a era das grandes devastações. Até hoje, todos davam por descontada a continuidade da natureza e da Terra. Essa situação se modificou totalmente, pois os seres humanos projetaram o princípio de sua autodestruição.

A consciência dessa nova situação fez surgir o tema dos direitos humano-socio-cósmicos e a urgência de que, se não nos mobilizarmos para as mudanças, a contagem regressiva do tempo se coloca contra nós e pode nos surpreender com um bioecoenfarte de consequências devastadoras. Devemos estar à altura dessa emergência.

3 thoughts on “A realização dos direitos humanos e da natureza

  1. Texto corrigido:

    O interessante da realidade é que em países com regimes democráticos liberais, que sabemos têm muitos defeitos e que Boff coloca como totalmente inadequados, são os que tem melhor qualidade de vida no planeta para a população, ao contrário dos regimes que prega Boff, como por exemplo o cubano, em que ele chama seu ditador de “meu comandante”.

    Quanto à natureza, somente os animais a vivem plenamente . Os humanos, depois da advento da mente agora a rejeitam e querem substituí-la pelo ideal. Ideal que necessita de sistemas para realizá-lo conhecidos como religiões ou ideologias. E aí está Boff , um contaminado pela ideologia comunista, se dizendo defensor da natureza, mas que não desiste de querer revogar suas leis.

    Enfim, a natureza de que Boff fala, não passa de anti-natureza, pois nela ele prega a extinção da individualidade, da alma humana, que é justamente o motor de todo o progresso que desfrutamos hoje e isso só é possível em países onde as pessoas são livres para criar e competir.

    Ou será que o computador de Boff veio de Cuba ou da Coreia do Norte?

  2. Caro Sr. BOFF, onde anda o “Direito humano” neste planeta?
    O chamado homem civilizado, age pior que fera com seu semelhante, é só olhar a nossa volta, e o Mundo como um todo; aí pergunto: ONDE ESTÁ O AMOR À “DEUS E AO PRÓXIMO COMO A SÍ MESMO”, QUE TODAS AS RELIGIÕES PREGAM, MAS NÃO EXEMPLIFICAM, COMEÇANDO PELO “CONDUTORES DE ALMAS!?!!
    O SENHOR DO UNIVERSO, NA FORMAÇÃO DO PLANETA, PREPAROU E NOS DEU UMA NATUREZA DIVERSIFICADA, COM TODOS OS ELEMENTOS PARA QUE A VIDA EXISTA, O QUE FAZEMOS COM A Srª NATUREZA: A ESTUPRAMOS E VILIPENDIAMOS, COM SANGUE E MISÉRIA, SÃO OS DOIS FATORES DO DIREITO HUMANO QUE AÍ ESTÁ, EM NOSSO BRASIL E NOS RESTO DO MUNDO.
    DEUS, DE TEMPOS EM TEMPOS, NOS MANDOU E MANDA, PACIFISTAS E ORIENTADORES PARA QUE A “VIDA EXISTA”, E O CREIO QUE O MAIOR DELES, FOI JESUS, O CRISTO, QUE NOS LEGOU UM CÓDIGO DE VIDA DE AMOR FRATERNO, “O EVANGELHO, CUJAS PARÁBOLAS, ILUMINAM NOSSO CAMINHO, MAS… PREFERIMOS MANTÊ-LAS APAGADAS, COM NOSSO EGOÍSMO E EXPLORAÇÃO DO PRÓXIMO, INDO AOS TEMPLOS DE PEDRA, CUJOS CONDUTORES, NÃO EXEMPLIFICAM O MANDAMENTO ACIMA, TRANSFORMANDO O “ESPIRITUAL EM MATERIAL”, CONTRARIANDO O ENSINO E EXEMPLO DO MESTRE JESUS, QUE DISSE, AFIRMANDO: O TEMPLO DE “DEUS” É O TEU CORAÇÃO.
    Caro Boff, estamos nos “fins de tempo” na HORA DA SEPARAÇÃO “DO JOIO DO TRIGO”, E SÓ VEMOS O “CAIM” QUE ESTA DENTRO DE NÓS, A MATAR O “ABEL”, ESQUECIDOS DO AVISO DE 2 MIL ANOS: “A CADA UM SEGUNDO SUAS OBRAS” E “PAGARÁS ATÉ O ÚLTIMO CETIL”, INSCRITOS EM NOSSA CONSCIÊNCIA – TRIBUNAL DIVINO.
    QUE DEUS ABENÇOE A HUMANIDADE, EM SUA MISERICÓRDIA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *