“A recente difuso de acusaes falsas fez a operao sangrar”, diz Dallagnol sobre vazamentos da Lava-Jato

Deltan viu dilogos privados enfraquecerem a sua imagem.

Ana Dubeux
Ana Maria Campos e
Leonardo Cavalcanti
Correio Braziliense

Entre os vrios efeitos do vazamento das conversas de integrantes da Operao Lava-Jato, est o que levou os procuradores e por tabela o ex-juiz Sergio Moro s cordas, como conhecido aquele instante em que lutadores recuam para voltar a atacar ou perdem o round. O mais exposto deles o chefe da fora-tarefa, Deltan Dallagnol, 39 anos, que viu dilogos privados enfraquecerem a imagem, principalmente por causa das palestras remuneradas.

Alvo de investigaes sobre a prpria conduta nos Conselhos internos do Ministrio Pblico, Dallagnol trata o atual momento como uma espcie de batalha. A recente difuso de acusaes falsas fez a operao sangrar. E a vm os tubares. Pessoas antes inibidas pela Lava-Jato hoje a atacam abertamente, disse ele em entrevista, por e-mail, ao Correio, em que fala sobre a Vaza-Jato, eventual candidatura e o futuro da operao contra a corrupo.

A divulgao de mensagens privadas entre colegas, com opinies e impresses pessoais, um constrangimento?

Cada mensagem est num contexto maior que envolve discusses mais amplas sobre o assunto, inclusive em conversas presenciais, conhecimento sobre o contedo das investigaes, inclusive sigilosas, interpretaes de nosso sistema jurdico e pressupostos implcitos de quem se conhece h anos, como o de que todos do grupo s agiriam de modo correto. Mas fomos hackeados e, agora, nossas mensagens so divulgadas de modo isolado ou fatiado, descontextualizadas e at mesmo editadas. Alm disso, so sempre interpretadas de acordo com a viso dos advogados dos rus, com a interpretao das leis e das regras do modo mais desfavorvel Lava-Jato.

A procuradora Jerusa Viecili pediu desculpas por ter se manifestado com os colegas em relao morte de parentes do ex-presidente Lula. Ela agiu corretamente ao se retratar?

Ela se recorda de ter se manifestado naqueles termos; ento, uma escolha pessoal, legtima e nobre. Sobre o ex-presidente Lula e o processo dele, a fora-tarefa se manifestou nos autos e o caso passou por todas as instncias do Judicirio, inclusive pelo STF.

Essas mensagens sugerem uma resistncia da fora-tarefa em aceitar que Lula fosse ao velrio de parentes. Qual era o receio?

Isso tambm est nos autos do processo. A Polcia Federal manifestou preocupao com a segurana do prprio preso, das pessoas presentes ao velrio e dos prprios policiais. O ministro Dias Toffoli encontrou a melhor soluo, determinando que o ex-presidente pudesse participar do velrio em um quartel.

Fazer palestras remuneradas em ambiente empresarial no meio de uma investigao gigante sobre corrupo tico?

, sim. A nica atividade remunerada que membros do Ministrio Pblico e do Judicirio podem desempenhar, alm de suas atribuies, a docncia. O Conselho Nacional do Ministrio Pblico e o Conselho Nacional de Justia entendem que palestras so atividade docente. Em 2017, julgando o meu caso concreto, o plenrio do CNMP entendeu que a atividade , sim, legtima. Alm disso, eu falo sobre cidadania, compliance e combate corrupo, o que converge com minha atividade no MP e com minha viso de contribuir para um mundo livre desse mal. A maioria das minhas palestras gratuita e, dos valores que eu recebo, a maior parte doada, que outro modo que encontrei de contribuir com a sociedade.

Por que o senhor mantinha um chat consigo mesmo?

Foi uma opo pessoal para guardar algumas reflexes ntimas, como se fosse um bloco de notas.

Pensou mesmo em disputar eleies?

Disputar eleies um modo construtivo de exercer a cidadania, e muitas pessoas me incentivaram a ser candidato. Decidi que tenho mais a contribuir como procurador. O Intercept enviou para a assessoria de comunicao do MPF o texto que seria minha reflexo completa, mas, na hora de publicar, eles editaram. O texto completo evidencia o carter republicano da minha avaliao, guiada, inclusive, por princpios cristos. Terminei falando, por exemplo, que minha escolha decorre no de receios pessoais, mas da minha viso sobre o que melhor para o interesse pblico.

Ainda pensa nisso?

O futuro a Deus pertence. Hoje, me mantenho integralmente focado em fazer o melhor que posso na Lava-Jato.

Por qual partido o senhor seria candidato?

No houve essa avaliao. Jamais me reuni com polticos ou legendas para discutir esse assunto, porque isso seria incompatvel com meu trabalho na Lava-Jato. O que o Intercept publicou foram pensamentos que recordo que tive. No tenho vergonha deles, porque refletem quem eu sou. Contudo, ter pensamentos lcitos e legtimos invadidos e expostos me parece uma violao da intimidade.

Que balano o senhor faz da Operao Lava-Jato at este momento?

A Lava-Jato um sucesso. Vivamos no pas da impunidade para o colarinho-branco. A regra era ningum ser punido e nenhum centavo ser recuperado. Foram para a cadeia algumas das pessoas mais poderosas do pas, responsveis por desvios bilionrios. Empresrios e polticos de diversos partidos, inclusive antagnicos, foram e continuam sendo investigados. Mais de 150 rus foram condenados a cumprir penas que superam 2 mil anos de priso. Os acordos vm recuperando mais de R$ 14 bilhes. A corrupo poltica foi desnudada. Temos o mais completo diagnstico desse cncer que adoece nosso pas. Precisamos, agora, manter e ampliar o tratamento.

At que ponto o vazamento dos dilogos o surpreendeu?

A Lava-Jato fez muitos inimigos. Sabamos que, mais cedo ou mais tarde, a reao viria. Todos tinham o Telegram como um aplicativo seguro, que era amplamente usado no MPF. Alm disso, nunca me preocupei em apagar as mensagens, porque sempre agimos de modo correto. Agora, o que mais nos surpreende so as deturpaes e descontextualizaes.

A imagem da Lava-Jato sai abalada com a divulgao das mensagens?

H fatos que todos ou quase todos concordam que ocorreram: o grande esquema de corrupo, as condenaes de poderosos, o dinheiro recuperado. Agora, existe a tentativa de criar uma narrativa para desconstruir o que foi feito e criar um clima favorvel para anulaes de condenaes e para evitar outras penas que ainda no foram aplicadas. Tenho dito para as pessoas ignorarem os textos interpretativos e irem direto para as mensagens. Muita gente j percebeu a maldade contra a Lava-Jato.

A sada do ex-juiz Srgio Moro da 13 Vara prejudicou de certa forma o andamento da Operao Lava-Jato?

A dedicao e a competncia de Srgio Moro foram amplamente reconhecidas na Lava-Jato. Ele saiu do dia a dia do caso para tentar mudar as engrenagens do sistema de Justia, que esto ajustadas para produzir a impunidade dos protagonistas do nosso capitalismo de compadrio, que manda no pas. Isso uma tarefa difcil, mas importantssima se queremos realmente virar a pgina da grande corrupo poltica brasileira. Nosso sistema erra dos dois lados: pune em demasia o fraco, e nada pune o forte. A Lava-Jato rompeu a impunidade dos fortes e segue firme em Curitiba, com novos juzes.

As investigaes devem encontrar um eventual mentor ainda no descoberto que foi responsvel pela intruso no Telegram?

A Polcia Federal j identificou quem invadiu o Telegram. Um dos presos tem longa ficha criminal que aponta a prtica de crimes por dinheiro. Um dos envolvidos chegou a dizer que o plano era de vender as mensagens. razovel supor que ele possa ter recebido para passar minhas mensagens adiante. At porque ele teve movimentaes de ordem milionria, incompatveis com seu patrimnio e renda, e porque nada foi passado das outras 300 autoridades que teriam sido invadidas com sucesso. Mas preciso aguardar o desfecho das investigaes para saber exatamente o que ocorreu. Confiamos na PF.

A quem interessa a divulgao dos dilogos?

A leitura de conversas entre autoridades chama a ateno do pblico, independentemente de seu contedo. Mas os principais interessados nessa divulgao so os que querem derrubar a Lava-Jato, suas investigaes e processos. So tambm os poderosos que se corromperam e no querem que a operao os alcance e aqueles que tm saudades da impunidade generalizada. Essa divulgao coloca em jogo os direitos constitucionais privacidade e informao. Ambos devem ser ponderados. O que temos visto o enfraquecimento do direito privacidade e ao sigilo profissional para viabilizar a divulgao de fofocas, opinies pessoais, cogitaes e at mesmo de estratgias, planos e atos de investigao legtimos. Isso tem prejudicado investigaes em curso que tramitam sob sigilo. No h interesse pblico nisso. Muito pelo contrrio, quem perde a sociedade.

Houve exageros na divulgao das operaes ao longo da fora-tarefa da Lava-Jato?

Os crimes praticados que foram exagerados, eles que chocaram o pas e ganharam o interesse da mdia. Se o Ministrio Pblico desse uma coletiva para divulgar que um estudante falsificou uma nota de R$ 100 ningum daria repercusso. Prestamos informaes pblicas para a imprensa, porque respeitamos sua importncia na democracia. Mas, o que gera impacto no o fato de divulgarmos uma nota ou darmos entrevista, mas sim a gravidade dos crimes e os cargos importantes que os criminosos tinham na Repblica.

Por que o senhor no aceitou convite para esclarecer essas questes no Congresso?

O trabalho da fora-tarefa tcnico e jurdico. O Congresso desempenha um papel fundamental em nossa democracia, mas um palco poltico. Vimos como foi com o ministro Sergio Moro. Houve uma disputa entre narrativas, uma guerra poltica. As mesmas declaraes foram usadas para concluses radicalmente opostas. Ns submetemos nosso trabalho e prestamos contas dele ao Poder Judicirio. O Legislativo outro Poder.

Procuradores da fora-tarefa so criticados por parte dos eleitores pela parcialidade, por escolherem alvos, como no caso do ex-presidente Lula. Como responde a isso?

Ns vamos aonde as provas nos levam. No caso do ex-presidente, por exemplo, existem oito aes penais contra ele, em geral por corrupo e lavagem de dinheiro referentes a diferentes contratos pblicos, tramitando em trs jurisdies: Braslia, So Paulo e Curitiba. Uma nona acusao foi oferecida nesta semana em So Paulo, por corrupo, apontando que uma empreiteira pagou mesadas a seu irmo. Atuam nelas promotores e juzes independentes, concursados e sem vnculos poltico-partidrios. Em Curitiba, por exemplo, o nmero de procuradores na fora-tarefa da Lava-Jato variou entre seis e 15, todos independentes, sem chefes. As decises relevantes so conjuntas e, no caso das acusaes e condenaes do ex-presidente, foram unnimes. Nas trs aes de Curitiba, foram rastreados documentalmente pagamentos de empreiteiras que beneficiaram direta ou indiretamente o ex-presidente, no montante de R$ 19 milhes. Parte do dinheiro foi para comprar o apartamento contguo ao seu, que ele passou a ocupar. Duas dessas aes j foram sentenciadas por dois juzes distintos, e o ex-presidente foi condenado. A primeira delas foi confirmada por sete julgadores em duas instncias superiores. Cinco deles foram nomeados pelo prprio Lula ou por Dilma Rousseff. Em todos esses casos, a ltima palavra caber ao Judicirio, mas alegar perseguio poltica nesse quadro construir uma teoria da conspirao.

Como sair de uma situao de glria pelo trabalho na Lava-Jato para questionamentos, como ocorre agora?

No buscamos glria ou poder. Buscamos servir com excelncia e contribuir para um pas melhor. Os questionamentos talvez contribuam para fazer as pessoas perceberem que nenhum grupo de pessoas vai mudar o Brasil. A mudana cabe aos brasileiros. Cada um tem que parar de reclamar dos outros e fazer a sua parte. Se o poltico ruim, mude o poltico ou cobre preparo e uma atuao adequada. Se o brasileiro no vota bem, leve informaes para as pessoas. No d para escolher o candidato em 15 minutos ou pegando panfleto na rua e esperar que tudo ser diferente.

Em algum momento, no seu trabalho, houve afronta lei?

Nunca ultrapassamos a linha da lei e da tica. Se algum procurador tivesse visto algo errado nas investigaes e processos, no pensaria duas vezes em se afastar. Recentemente, na Procuradoria-Geral da Repblica, procuradores renunciaram porque discordaram de algo que aconteceu l. A equipe aqui em Curitiba sempre seguiu e segue unida. Agora, evidentemente, ns no damos s leis a mesma interpretao dada pelos advogados dos rus da Lava-Jato. Se fosse assim, pediramos a absolvio dos rus, a anulao dos casos e que o Estado devolvesse aos rus o dinheiro recuperado.

O que mudou no pas para surgir uma onda contrria Lava-Jato? Ou ela sempre existiu por parte de uma parcela da populao?

A maioria da populao apoia a Lava-Jato. No existe uma onda contrria operao, essa no a realidade do Brasil. Talvez, seja a realidade em alguns gabinetes polticos e ncleos militantes decepcionados com a condenao de seus lderes ou com a revelao de que eles praticaram corrupo. O que existem so crticas, o que normal e saudvel se forem expressadas de modo pacfico e republicano. A Lava-Jato colheu provas de corrupo envolvendo muitos poderosos, inclusive o presidente mais popular da histria recente do Brasil. A investigao no julga seus governos ou sua histria, mas sim, atos e fatos praticados definidos pela lei como crime. claro que isso desagrada interesses ligados a essas pessoas, que tm aliados em todos os setores, como rgos pblicos, empresas e at na mdia. A recente difuso de acusaes falsas fez a operao sangrar. E a vm os tubares. Pessoas antes inibidas pela Lava-Jato hoje a atacam abertamente.

Houve troca de mensagens com Moro desde que ele assumiu o Ministrio da Justia?

Houve conversas com o ministro antes e depois de ele assumir. A questo no se houve conversas ou por qual meio, mas qual o seu contedo, que sempre foi a busca do interesse pblico.

Moro seria um bom ministro do STF? Por qu?

A atuao de Sergio Moro como juiz merece todo reconhecimento, assim como sua vida e produo acadmicas. Mas no cabe a mim especular sobre a carreira dele.

E presidente da Repblica? Moro seria um bom presidente?

Tambm no cabe a mim fazer essa especulao, que poltica e foge da minha especialidade.

Como era a relao da fora-tarefa de Curitiba com a equipe da PGR? Havia divergncias?

Como em todo trabalho havia, por vezes, discordncias sobre qual o melhor caminho para atingir o interesse pblico, mas, em geral, elas foram equacionadas. Dentro da prpria equipe, muitas vezes discordamos, o que saudvel. O importante que todos atuem sempre nos limites da lei, da tica e do interesse pblico.

H uma desconfiana por parte de pessoas que acompanham a Lava-Jato de que autoridades norte-americanas interferiram na investigao da Lava-Jato. Ao longo dos ltimos cinco anos houve troca de informaes com autoridades norte-americanas?

Vejo essa desconfiana na forma de teorias da conspirao, em blogues que ligam a Lava-Jato CIA ou a interesses estrangeiros. Inventam todo tipo de maluquice. Agora, um dos traos marcantes da Lava-Jato foi a cooperao interna, entre rgos, e internacional, com mais de 50 pases, sempre com respeito soberania de cada um. A cooperao com a Sua, por exemplo, permitiu alcanar documentos de contas bancrias usadas para pagar e receber propinas. Trabalhar com as autoridades americanas foi importante para obter documentos bancrios e recuperar recursos desviados. A Lava-Jato forneceu tambm provas de corrupo para vrios pases da Amrica Latina.

O que espera do seu futuro?

O que me preocupa o futuro do pas, onde meus filhos vo viver. Falam que a prioridade a questo econmica, mas fecham os olhos para o fato de que s teremos uma economia forte no mdio e no longo prazo se enfrentarmos o capitalismo de compadrio e a grande corrupo poltica brasileira. O compadrio uma face perversa de um sistema extrativista, em que parte das elites desviam dinheiro e empobrecem a nao, como disseram Daron Acemoglu e James Robinson no livro Por que as naes fracassam. Nosso sistema eleitoral capturado pelo dinheiro, como mostra o recente livro de Bruno Carazza. A corrupo grassa, reformas anticorrupo esto na gaveta, o combate corrupo est se esfacelando e est sendo criado um clima favorvel impunidade.

Em que o senhor busca inspirao e fora para enfrentar essa fase?

Na minha f, no meu propsito de servir ao pas e de reduzir o sofrimento humano e a misria que a corrupo causa, e em exemplos de pessoas que, ao longo da histria, lutaram por dcadas contra injustias histricas e arraigadas.

Houve pedido para empresas investigadas na Lava-Jato doarem para um instituto que apoia o combate corrupo?

Isso nunca ocorreu. Ao longo da operao, vrios cidados que no conheo me perguntaram como poderiam apoiar a causa anticorrupo. Indiquei que essas pessoas procurassem entidades apartidrias em que confio, como a Transparncia Internacional, o Instituto Mude e o Observatrio Social. Se eles ofereceram ajuda e se ela foi aceita, isso um assunto deles, dos cidados e das entidades.

Ao aceitar o cargo no governo Bolsonaro, o ex-juiz Sergio Moro abalou a imagem da Operao Lava-Jato?

Creio que j respondi a essa questo anteriormente ao falar sobre o ministro.

O ministro Gilmar Mendes chamou a fora-tarefa da Lava-Jato de organizao criminosa para investigar pessoas. O que acha disso? Gilmar Mendes tambm se referiu fora-tarefa como falsos heris. O que diz sobre isso?

Nunca pretendemos ser heris nem buscamos esse ttulo. Alm disso, essa histria de heris pssima, porque os cidados se veem como espectadores ou mesmo vtimas e ficam passivamente esperando que os heris resolvam o problema. Contudo, apenas a sociedade pode mudar o pas. Quanto s agresses injustas do ministro Gilmar, no vou ficar trocando ofensas com ele. Acredito que a sociedade saber discernir o que est acontecendo.

Em mensagem aos colegas, o senhor disse que defendeu o
respeito lista trplice, mas a indicao de Augusto Aras deve se consolidar e hora de trabalhar pelo MP. um voto de confiana?

Seria mais democrtica e transparente a indicao de um dos nomes constantes na lista trplice. Mas a realidade que foi indicado um nome de fora da lista. Sem um trabalho coordenado com o PGR, a Lava-Jato no funciona. Quase todos os nossos acordos batem em algum com foro. Nossos casos acabam l. E as decises do STF sero fundamentais para nossas investigaes e processos. O novo PGR est se propondo a fazer um bom trabalho na Lava-Jato, designou timos colegas que j atuavam l at recentemente, e tm condies para isso. Vamos cobrar isso dele, mas tambm precisamos fazer nossa parte, precisamos colaborar. preciso ter uma atitude construtiva para que o Ministrio Pblico alcance os melhores resultados em prol da sociedade.

2 thoughts on ““A recente difuso de acusaes falsas fez a operao sangrar”, diz Dallagnol sobre vazamentos da Lava-Jato

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.