A saúde pública é coisa séria demais para ser entregue às ambições comerciais

Welinton Naveira e Silva

Já disse aqui, mas vou repetir. Quando passei alguns meses levantando o estado geral do parque térmico gerador de energia elétrica no interior da Amazônia, de belíssima natureza e riquíssima, constatei a grande falta de atendimento médico para a população, por conta da inexistência desses profissionais, que optam pela escravidão aos planos médicos privados, ganhando uma miséria por consulta, mas morando nas grandes cidades.

Só mesmo quem reside no interior de nosso imenso Brasil poderia dar a verdadeira opinião. Nem mesmo os excelentes salários disponibilizados por muitos desesperados prefeitos conseguem atrair esses profissionais para o interior do Brasil.

O Brasil, a exemplo de inúmeras outras nações, não consegue formar a quantidade de médicos necessários Pela indisponibilidade de médicos no país, a alternativa de contratação desses importantes profissionais no estrangeiro não está sendo inventada nem inaugurada pelo governo da presidente Dilma Rousseff/PT. Antes, muito antes, inúmeros países já lançaram mãos desse expediente. Basta dar uma olhada na internet. Dentre eles, a Inglaterra, Irlanda, França, EUA, Suíça, Suécia, Austrália, Canadá, Portugal etc.

NOS GRANDES CENTROS

Para quem mora nos grandes centros, dispondo de farto atendimento médico na rede pública e privada, fica muito fácil combater a contratação de médicos estrangeiros para atendimento da carente população do interior. Muito triste e trágico, é ver uma pessoa, às vezes o próprio filho, ter que passar por grandes sofrimentos, até mesmo falecendo, exclusivamente por conta da falta de qualquer atendimento médico disponível. No interior, a quase totalidade da população não possui os necessários recursos financeiros para se deslocar rapidamente em busca de recursos médicos nas grandes cidades.

A saúde pública é coisa séria demais para ser entregue às ambições comerciais, corrupções, negligências e incompetências. Boa parte da saúde pública já estaria funcionando em alta qualidade, caso os políticos e dirigentes fossem proibidos de fazer uso da medicina privada, principalmente, daqueles raros centros de medicina privada de alta qualidade, normalmente situados em São Paulo.

Por tratar-se de um assunto sério demais, já deveria ter eficientes meios de pronta denúncia e documentação de qualquer irregularidade e incompetência ocorridas na saúde pública e na saúde privada, com todas as pertinentes reclamações bem à disposição do povo, via internet.

 

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

11 thoughts on “A saúde pública é coisa séria demais para ser entregue às ambições comerciais

  1. Desculpe, mas quem mora nos grandes centros não dispõe de farto atendimento médico, nem na rede púbvlica nem na rede privada. O redator da notícia parece que não mora no Brasil. O problema é a má gestão e a corrupção. Se oriente para depois escrever

  2. Creio que não seja protecionismo de classe. A questão é importar médicos e pagar pelo serviço a um intermediário que repassará ao contratado valor muito abaixo do mercado. De nada adianta médicos sem a infraestrutura necessária. Por exemplo, os hospitais da cidade do Rio de Janeiro recebem pacientes de muitos outros municípios do estado porque esses não possuem tomógrafos, aparelhos de hemodiálise, laboratórios de análises clínicas, etc. De nada adianta médicos sem água tratada e coleta de esgotos sanitários.

  3. Realmente moro numa grande cidade e só vejo sucatização da saúde.
    Amigos médicos contando suas desventuras, tendo que brincar de Deus. Com 1 só respirador e diversos pacientes a requerê-lo, precisa-se escolher quem vai sobreviver. Não há quem suporte ver algo assim. Chamam o CRM e lá os conselheiros fecham. Os líderes comunitários obrigam a abrir e ponto final.
    Isso é duro de aguentar! Muitos amigos estão deprimidos. Visitem o antigo PAM Irajá, hoje transformado em “hospital”, sem a menor condição de funcionamento!Isso bem aqui …aqui no Rio. Vejam com seus próprios olhos!
    E acham que trazer médicos-escravos de Cuba vai resolver a questão? Haja hipocrisia!

  4. O QUE ACOTECE É QUE OS PREFEITOS DOS DIVERSOS MUNICÍPIOS CONTRATAM MÉDICOS, COM ÓTIMOS SALÁRIOS. QUANTO PERDEM AS ELEIÇÕES, OS NOVOS PREFEITOS DEMITEM OS MÉDICOS ANTIGOS E CONTRATAM NOVOS, DO PARTIDO DELES. QUEM VAI QUERER UM EMPREGO DESSES? ISTO É UM PAÍS FALIDO !!!

  5. Adoniram tá certo quanto à desorientação do articulista.

    Por essas e outras, acho que o patrocínio deste blog deve ser comercial e não de pessoa física.
    Acho menos imoral.

  6. Quanto à saúde, faça como aquele pilantra que deveria estar na cadeia por ser o chefe do mensalão mas disse que não sabia de nada e que quando inaugurava postos de saúde dizia que queria ate ficar doente para usar aquelas maravilhas de atendimento.
    Quando o canalha, que é do partido desse articulista, ficou doente, foi para o melhor hospital privado.
    FATO

  7. Prezado Sr. MAURO JÚLIO VIEIRA, Saudações.

    Que eu saiba, nada impede que uma Empresa compre anúncio no nosso bom “Tribuna da Imprensa onLine”. Quanto aos abnegados Pessoas Físicas que pagam Mensalidade, pelo ainda pequeno número e que perfazem +- R$ 1.5OO,OO/mês, não atingem nem 5% do que seria minimamente necessário. O ideal seria que todos pagassem uma pequena Mensalidade e ainda que fossem acionadas todas as outras fontes possíveis, como Propaganda, Comissões, etc. Quem trabalha merece ganhar e nosso Jornal virtual “Tribuna da Imprensa”, vale muito. Abrs.

  8. Agora lembrei-me que lí aqui que, para atuar comercialmente com as Empresas, haveria o bom “Tribuna da Imprensa onLine”, que se transformar também numa Pessoa Jurídica, com bastante Investimento em Contabilidade, enfim grandes despesas iniciais, que ainda não se julgou conveniente fazer. Creio que essa é causa porque é necessário Mensalidades. Quando se atingisse um bom patamar de Mensalidades, aí sim se poderia partir para o próximo passo. Esperemos, tenho certeza que chegaremos lá. Em suma, não é tão simples assim, prezado Sr. MAURO JÚLIO VIEIRA, Abrs.

  9. Quem paga é sócio e sócio têm direito a voto.
    Já contribuí muito.
    Mas vi muita ideologia ou religião por aqui na capa, o que contraria os meus princípios. E pior, de gente crente no totalitarismo como Boff, Santayana, Jãnio de F e outros dessa laia que acredita no ódio e na violência como salvação da humanidade.

  10. Prezado Sr. MAURO JÚLIO VIEIRA, Saudações. Sem querer tornar infindável esse bom bate-papo, ouso dizer que quem paga é PROPRIETÁRIO do bem comprado, e o nosso bom TI onLine vale muito. Quanto a o Jornal ter um certo viés Político, é natural, mas o importante é que ele dá ampla margem a todas as correntes de opinião se manifestarem. E o senhor brilhantemente defende com ardor seus pontos de vista. Abrs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *