A sobrevida do governo Temer é campo fértil para a aventura populista

Resultado de imagem para LULA E BOLSONARO

Fotomontagem do blog Não Entre Aki

Altamir Tojal

Comentei outro dia numa conversa que democracia e certeza são coisas que não combinam. E lembrei na mesma hora de Hannah Arendt tratando do caráter imprevisível da política e de sua dimensão para além dos negócios de governo. Antipetista, meu interlocutor admitia que Temer vai mesmo cair. Mas preferia que ele ficasse até a definição de um democrata para substituí-lo, alguém que trouxesse a certeza de que o país não será entregue a um populista de esquerda ou direita. Entre os seus temores, o de o brasileiro a ter de optar entre Lula e Bolsonaro na próxima eleição.

Penso exatamente o contrário. É claro que esse dilema pode se impor em diferentes cenários, seja com eleições antecipadas ou não. Mas creio que ele será mais provável na medida em que o governo Temer demorar a cair.

AVANÇO DO POPULISMO – Cada dia a mais com Temer no poder mais conturbadas deverão ser as eleições de 2018 e maior será o avanço eleitoral dos populismos de esquerda e direita, aniquilando as chances de alternativas democráticas.

Quanto mais tempo durar a blindagem de Aécio Neves, flagrado pedindo propina à JBS e armando contra a Lava Jato, maior é a ameaça de jogar por terra o trabalho da força-tarefa para processar Lula como chefe da organização criminosa petista.

O sucesso — felizmente, cada vez mais improvável — da articulação para salvar Temer e Aécio também é ruim, a meu ver, para a retomada do crescimento sustentável da economia, para as reformas e para a continuidade do combate à corrupção e à impunidade. O cenário de um governo desmoralizado, de mais recessão e mais impunidade vai gerar mais perdedores, mais ressentidos e mais revoltados contra a política. Campo mais fértil, portanto, para a aventura populista.

TÁTICAS DE SOCORRO – Registre-se que as táticas de socorro a Temer e Aécio são as mesmas usadas pelo PT para socorrer Lula, Dilma e seus “heróis do povo”: acusações de golpismo e de abusos de juízes, do ministério público e da mídia, sem falar nos argumentos sórdidos de que a corrupção sempre existiu por aqui e de que o brasileiro só não é corrupto quando não consegue ser.

Desde o impedimento de Dilma, considero errada a aposta no governo Temer. Ele teria de ser presidente, é claro, por imposição constitucional. Mas era evidente que o vice de Dilma e a quadrilha do PMDB não resistiriam dois anos e meio e, portanto, não poderiam ser a ponte para 2018.

CAMINHOS DEMOCRÁTICOS – Naquela ocasião existiam caminhos democráticos e constitucionais para encurtar o mandato de Temer, que foram ignorados intencionalmente pelo comando das forças políticas que assumiram o poder. Um deles seria o TSE cumprir o dever de julgar a cassação da chapa Dilma-Temer e o Congresso aprovar a emenda do deputado Miro Teixeira de eleições diretas para um novo presidente legitimado pelo voto popular para levar o país até 2018.

Houve, portanto, condições para um pacto político legítimo. Mas optaram pelo pacto contra a Lava Jato.

Pode ter sido avaliação equivocada de alguns e foi seguramente irresponsabilidade e oportunismo de outros tantos embarcar na canoa furada com os bandidos que ajudaram a eleger e deram sustentação aos governos do PT. Por isso me desfiliei do PSDB, que se tornou no governo Temer o que o PMDB foi nos governos do PT.

PSDB DESMORANDO – O destino trágico do PSDB, que fez oposição nos 13 anos de governo petista e agora se vê desmoronar como alternativa democrática de poder também evoca Hannah Arendt com suas reflexões sobre a irreversibilidade da ação política.

Lula e o PT traíram a confiança da militância, dos eleitores e desmoralizaram a política para milhões de brasileiros. Aécio e o PSDB seguiram caminhos que levam ao mesmo lugar. Desembarcar agora do barco afundado de Temer é o que tem de ser feito, mas não vai consertar os erros cometidos.

Mesmo nos piores momentos procuro ser moderadamente otimista. Acho que o Brasil vai se livrar de muitos falsos líderes e de algumas quadrilhas da política com a continuação da Lava Jato. Tem muita gente fazendo a coisa certa na Polícia Federal, no MP, na justiça e na imprensa.

PROCESSO VIRTUOSO – Muitos crimes foram descobertos, alguns bandidos estão presos e alguns bilhões estão sendo resgatados. A sociedade está machucada mas também está mais atenta. Não vai ser fácil parar este processo virtuoso.

Por mais espertas que sejam as narrativas do PT e por mais bem articuladas que sejam as manobras do PMDB e do PSDB, as máscaras vão caindo a cada dia. Qual a diferença de Gilmar Mendes para Lewandowski e de Alexandre de Moraes para Toffoli? Os sofismas dos advogados e assessores de Temer e Aécio são idênticos aos do Cardozão e do Instituto Lula.

A VELHA PERGUNTA – Então, o que fazer? A velha pergunta de Lenin é uma espécie de eterno retorno na política. Em primeiro lugar, entendo que é preciso respeitar a Constituição e defender as instituições democráticas. Depois, não acreditar em salvador da pátria e se convencer que melhores escolhas políticas surgem do diálogo honesto e do respeito à diferença. Isso vale para construir um pacto político legítimo, como fizeram outras sociedades em momentos de crise, e é condição necessária para a multidão a ir para a rua novamente se as instituições não fizerem o que lhes cabe.

Recorro outra vez a Hannah Arendt, “pensadora da crise e de um novo início”, nas palavras do professor Eduardo Jardim. Acho que, para os amigos da democracia, é hora de dobrar a aposta na política como campo de convivência entre diferentes e também como oportunidade de recomeço.

17 thoughts on “A sobrevida do governo Temer é campo fértil para a aventura populista

  1. LULA NÃO UNIFICARÁ ESQUERDA SE PROPUSER ‘MAIS DO MESMO’, DIZ LÍDER DOS SEM-TETO

    BBC Brasil – Para o líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto), Guilherme Boulos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não pode ser impedido “no tapetão” de se candidatar em 2018 ou numa eventual eleição direta para suceder Michel Temer no Palácio do Planalto.

    Porém, caso o petista proponha o mesmo programa com que o PT governou o país por 13 anos, aliando-se ao empresariado e recompondo com partidos que hoje apoiam Temer, Boulos defende que a esquerda construa uma proposta alternativa.

    “(Lula e o PT) mantiveram o tipo de aliança com parte do empresariado que banca as campanhas eleitorais. Foi um erro brutal, e o fato de não terem inventado esse método não os isenta. Tudo que ocorreu depois é consequência dessa opção política profundamente equivocada”, ele diz.

    Em entrevista à BBC Brasil, Boulos afirma que o grande desafio da esquerda brasileira é reconectar suas pautas à maioria do povo, superando o erro de ter tratado as ruas como palco secundário nos últimos 20 anos.

    Para ele, a realização de eleições diretas para substituir Temer é a única maneira de barrar as reformas trabalhista e previdenciária propostas pelo governo.

    https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2017/05/29/lula-nao-unificara-esquerda-se-propuser-mais-do-mesmo-diz-lider-dos-sem-teto.htm

    Do site Controvérsia

    • 20 linhas é o máximo que minha paciência me permite ler. Entretanto, quando se trata de algo sobre Lula, o Molusco, não leio nem uma linha. Não adianta insistir em encontrar conteúdo num saco vazio: Lula é rasteiro, corrupto, ignorante. Para segui-lo é preciso ser do mesmo naipe.

      • Conjunto da obra? Só se for o conjunto da obra da corrupção – mensalão e petrolão, em destaques.
        Em 13 anos de governos petistas, nada se construiu de sólido e permanente nas áreas da educação, saúde, segurança pública, infraestrutura – aí incluídos saneamento ambiental, transportes, energia, portos.
        Os anos petistas fizeram a economia retroceder ao período anterior ao início do processo de industrialização, iniciado no segundo governo Vargas. Hoje, o país tem o PIB centrado no setor primário. O agronegócio responde por 70% do PIB.

  2. O PSDB acabou de fato quando o Mário Covas morreu. Não tivesse sido ele, o partido teria se aliado ao Collor, e teria iniciado sua trajetória decadente já em 1991. Covas vetou a adesão e deu uma sobrevida ao PSDB que lhe permitiu chegar ao poder, e a FHC realizar seu governo ruinoso.
    Não se pode culpar apenas Aécio pela derrocada moral do PSDB. Serra, Alckmin, FHC e o falecido Serjão contribuíram muito para isso.

  3. Caro LUÍS HIPÓLITO BORGES … Saudações!

    “A última vez que se falou em reformas de base foi no Comício da Central do Brasil, em 1964. O presidente João Goulart levou o golpe 15 dias depois, para você ter uma ideia de como é a Casa Grande. Esse tema precisa ser retomado.”

    Vamos retomar?

    1 – http://www.ebc.com.br/cidadania/2014/03/discurso-de-jango-na-central-do-brasil-em-1964 com: “… O inolvidável Papa João XXIII é quem nos ensina que a dignidade da pessoa humana exige normalmente como fundamento natural para a vida, o direito ao uso dos bens da terra, ao qual corresponde a obrigação fundamental de conceder uma propriedade privada a todos.
    É dentro desta autêntica doutrina cristã que o governo brasileiro vem procurando situar a sua política social, particurlamente a que diz respeito à nossa realidade agrária.
    O cristianismo nunca foi o escudo para os privilégios condenados pelos Santos Padres. Nem os rosários podem ser erguidos como armas contra os que reclamam a disseminação da propriedade privada da terra, ainda em mãos de uns poucos afortunados.”

    2 – http://www.fatima.pt/pt/pages/narrativa-das-aparicoes com:
    “Segunda aparição de Nossa Senhora
    Local: Cova da Iria
    Data: 13 de junho de 1917
    Pessoas presentes: 50 a 60
    «– Vossemecê que me quer? – perguntei.
    – Quero que venhais aqui no dia 13 do mês que vem, que rezeis o Terço e que aprendam a ler. Depois direi o que quero.”
    … … …
    Conclusão: Não há esse conflito Papa x Maria; pois está bem claro na Mensagem de Fátima o pedido dos pastorinhos aprenderem a LER … ora, os Santos Francisco e Jacinta morreriam pouco tempo depois … … … e o pedido é para todos os que lerem a Mensagem, né?

    Ora, ler é fundamental para não se ser manipulado … é fundamental para se ser livre!!!

    Abraços.

  4. Não compactuo com essa tese de dizer que o mal governo cria campo fértil para a aventura populista, na democracia é normal alternativa de poder , só que a nossa democracia é diferente de qualquer de outro mundo , é ímpar .
    As teses sempre ou quase sempre quer nos induzir por caminho trassado pelo autor da mesma , é igual a julgamentos em nossa justiça, o advogado não está preocupado em fazer justiça , que receber seus honorários , o juízo da mesma forma, quer limpar a pauta …Feito este preambulo vamos ao que interessa : Temos que mudar o rumo deste titanic chamado Brasil , é escolhendo melhor é que faremos isso acontecer; independente de partidos . Como somos humanos somos egoístas na essência tentado a olhar só para o próprio umbigo , não olhamos para o próximo, errando é que se aprende , tiririca errou ao dizer que não piora …

  5. No mundo todo é sempre assim. A esquerda quando não consegue se manter no poder e imagina que alguém que não reze pelos seus catecismos possa tomar o governo, la vem o blá blá blá de sempre, é populista e de extrema direita.
    É crime ser de direita? Não é do jogo político a alternância no poder das correntes ideológicas que fazem parte do sistema democrático? Porque então do alarmismo insensato, quando um sujeito como o Bolsonaro desponta nas pesquisas? Pode ele ser deputado federal mas não pode ser presidente? E se a maioria dos eleitores o eleger, vão denunciar um “golpe eleitoral popular”?
    A democracia quando é sólida, comporta as mudanças de guardas no poder, seja de que lado for o indivíduo, o compromisso primeiro e maior é com a LIBERDADE, denunciando e rechaçando as extravagâncias totalitárias tanto de direita como de esquerda.
    É bom que no Brasil todos que tem a pretensão de assumir uma posição no poder,saibam que estarão sempre sujeitos a fiscalização e os olhares atentos dos organismos de controle da, da imprensa livre e particularmente da população que através dos recentes acontecimento, já da sinais de politização mais acentuada.
    Que o judiciário não falte ao pais, que resolva as pendencias atuais baseada única e exclusivamente na lei e destes tempos de caça ao corruptos, seja de grande valia em aprendizado.

  6. Se forem apenas os dois aí da foto terei, pela lógica, de votar no Bolsonaro. No outro já votei uma vez e tenho o resto da vida pra me arrepender.

  7. O pior é que não há muita opção. Quem evitaria a ‘aventura populista’? O Henrique Meireles, o favorito da grande mídia? O Rodrigo Maia, ou o Jobim, ou o FHC?
    Os ‘populismos’ se fortalecem quando a política tradicional deixa de ser representativa dos interesses populares.

  8. Se não cassarem o Temer no TSE ele periga se re-eleger em 2018, seguindo o exemplo do Lulla quando era o chefe do mensalão.Brasileiro gosta de eleger político corrupto, principalmente quando sabe que ele o é. O Maluf que o diga.

  9. Caro Jornalista,

    No meu tempo de juventude era sinal de inteligência e de amadurecimento andar com uma barba no queixo e uma estrela metálica na lapela, feita nas cores dourada, vermelha e branca, para ser exibida aos amigos como se fosse um troféu por ter conquistado o Nobel de inteligência. Se representasse alguma instituição considerada ilegal ou “rebelde” e, para melhorar as coisas, ainda fosse um maconheiro, maior seria o impacto e a capacidade de convencer as pessoas mais jovens da coragem e da determinação de confrontar por querer mudar as regras vigentes!
    Lembro bem de um colega de sala de aula que passava todo o intervalo (e parte da aula) dizendo “palavras difíceis” sobre conceitos etéreos que eram ininteligíveis para os jovens da turma, sobre uns tais “capital”, “dialética”, “burguesia” e “classe operária”, enquanto nos aliciava a nos levantar contra os nossos “opressores”, representados por qualquer um que tivesse o posto no local de trabalho ou o nível econômico maior do que o nosso. O primeiro ditador da lista era, invariavelmente, o diretor/reitor!
    -“Um jovem, universitário, tão desprendido e inteligente deve ter razão”, pensava-se. “Realmente, é preciso tirar os opressores do poder e colocar pessoas tão altruístas quanto esse rapaz; certamente acabarão com a roubalheira, distribuirão a justiça sem privilégios entre todos os cidadãos e nivelarão a riqueza do país entre os irmãos…”

    TRINTA ANOS DEPOIS…
    Passados mais de trinta anos, esses “intelectuais”, agora no poder, mostraram-se tão corruptos quanto os que eles criticavam. Na verdade mostraram-se piores: Os que estavam no poder nunca esconderam a condição de elitista, de gostar de luxo e de ser ladrão, enquanto que esses “intelectuais” sempre posaram de honestos, “amantes dos pobres” e de “devotos da pobreza” e da “castidade moral”. Todos prostitutas dissimuladas de virgens!
    Hoje, depois de terem parado o desenvolvimento do país por décadas, provocado o caos econômico e a deriva no meio do mar de lama, acusam qualquer um que não escreva de acordo com os seus artigos e livros embolorados ou que não apreciem um cigarro de maconha, fumado nos grupos de debate das universidades ou entre uma palestra e outra, de serem intolerantes e viúvas do fascismo.

    OU VOCÊ VOTA CONOSCO OU É UM FASCISTA
    Parecem que, acometidos pela Síndrome de Peter Pan, se negaram a crescer e ainda insistem em dividir o mundo entre o “nós” e o “eles”, sem qualquer tolerância ou meio termo. Não admitem o diálogo, a flexibilidade, a mistura de cores ou a alternância do poder nos seus conceitos mofados da década de 60.
    Só vendem o PACOTE IDEOLÓGICO se for com a “porteira fechada”, sem concessões ou exclusões: Ou o eleitor é de esquerda ou é de direita; ou a cultura é oriental ou é ocidental; ou se está conosco ou se está com o diabo; ou se é homem branco escravagista ou se é um negro escravo; ou se é um ateu assassino ou se é um fanático religioso; ou se é um vegetariano ou se é um torturador de animais; ou se é um agricultor latifundiário e improdutivo ou se é um pequeno agricultor que nada produz por ser um injustiçado.
    E o que não estiver incluído na filosofia do “nós” passa a ser considerado atraso na vida e resquício da ditadura e do fascismo.

    Parece que, apesar das dores da artrose, ainda não perceberam que o tempo passou. Parece que ainda não perceberam que a geração de “intelectuais” da qual faziam parte fracassou como revolucionários, como governantes e até mesmo como seres humanos, uma vez que, no poder, mostraram que não passam de predadores dos seus semelhantes. Canibais da própria espécie.

    Abraços.

  10. Tojal o que é Populismo? Isso é a maior estupidez que os “intelectuais” usam para não dizer nada. Ortega y Gasset esclarece dizendo: Populismo é um neologismo genérico que a elite criou para mascarar “seus preconceitos e discriminações”. Não tem nenhum valor científico. (Entre outras coisas populismo foi criado em 1950/1951 para substituir demagogia. O demagogo passaria a ser populista). Populismo criou asas hoje é tido como ideologia; já chegou aos EEUU. Trump agora é populista. Desculpa Tojal, foste induzido a erro por algum boçal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *