A transmissão do julgamento do mensalão pela TV nos mostra muita coisa

Jorge Brennand

A lei que rege o exercício da advocacia declara que o advogado é indispensável à administração da justiça e que, no seu ministério privado, presta serviço público e exerce função social. A transmissão ao vivo da defesa dos réus do mensalão tem fornecido provas abundantes que, na prática, esse dispositivo legal parece ser letra morta.

A impressão que temos é a de que os ministros do STF, ao fim de cada dia, são obrigados a retirar de seus ouvidos volume expressivo de entulho. Porém, o que interessa aos membros da sociedade brasileira não são as paparrotices que tem escutado na televisão e sim como irão se comportar os ministros de nossa Magna Corte.

Reinaldo Azevedo, em seu blog, no dia 05 de agosto de 2012, registra por escrito a dúvida de toda a sociedade brasileira com relação aos réus do mensalão: O Brasil que prende “pobre, preto e puta” tomará vergonha na cara para prender “político, petista e poderoso”? Com a palavra, os 11 ministros do STF. Eles decidirão que país teremos.

Membros das equipes de advogados dos componentes da quadrilha que se locupletou do dinheiro público – cuja origem é a elevadíssima carga tributária paga pelo povo brasileiro – veem tentando minimizar e desvirtuar os termos da acusação apresentada por Roberto Gurgel, procurador-geral da República, por ter tido a coragem de nomear os fatos por seu verdadeiro nome: assalto aos cofres públicos.

O texto da acusação foi contundente e demonstrativo, à saciedade, que nunca antes nesse país tinha existido um esquema de corrupção e corruptos instalados dentro do Palácio do Planalto como o apelidado de mensalão.

Reinaldo Azevedo, com muita competência sintetiza as tarefas que os ministros do STF deverão esclarecer para toda a sociedade brasileira:
– Os 11 do Supremo vão dizer se roubar o Banco do Brasil é normal.
– Os 11 do Supremo vão dizer se roubar dinheiro público é normal.
– Os 11 do Supremo vão dizer se conceder benefícios a um banco privado em troca de grana é normal.
– Os 11 do Supremo vão dizer se comprar parlamentares e partidos com dinheiro sujo é normal.
– Os 11 do Supremo vão dizer se agências de publicidade pagando parlamentares em nome de um partido é normal.
– Os 11 do Supremo vão dizer se pagar em 2003 uma campanha eleitoral feita em 2002, em moeda estrangeira, no exterior, ao arrepio de qualquer controle, é normal.
– Os 11 do Supremo vão dizer, em suma, se a safadeza deve ser tomada como a medida da normalidade brasileira.

Com a decisão dos 11 ministros, a sociedade brasileira ficará sabendo se foi dado um Basta jurídico pela Magna Corte à Ditadura da Corrupção implantada pelo PT no Brasil, na qual os cidadãos que trabalham e mantém o Estado são reféns dos corruptos.

Reinaldo Azevedo, com muita propriedade, frisa que nenhum dos ministros do Supremo participantes do julgamento do mensalão será esquecido pela sociedade brasileira, pois a memória histórica é eterna. Enquanto houver Brasil, haverá os onze ministros que julgaram os réus do que se chamou mensalão, sendo que oito foram nomeados por governantes filiados ao PT.

Sem a menor dúvida, após o julgamento de Cesare Battisti e dos Fichas Sujas, essa é a grande chance dos ministros mostrarem à sociedade que não são um mero aparelho do PT.

A nação brasileira espera presenciar a um julgamento isento e justo, sem atos ocultos ou escancarados de proteção dos que forem culpados; espera que os julgadores sejam fiéis às instituições, jamais aos políticos e seus cupinchas que cometeram atos malfeitos.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “A transmissão do julgamento do mensalão pela TV nos mostra muita coisa

  1. E agora, como iremos tirar esses bandos de vagabundos ladrões,corruptos;se nem os ministros se metem com esses bandidos. Brasileiro tem memória curta, nas próximas eleições ,nem se lembram de todos os fatos acontecidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *