A tristeza criativa de Tom Jobim

O maestro, instrumentista, arranjador, cantor e compositor carioca Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim (1927-1994) é considerado o maior expoente de todos os tempos da música brasileira e um dos criadores do movimento da bossa-nova, no qual compôs inúmeras músicas, entre elas “Triste”, cuja letra fala de uma paixão não correspondida que acaba em solidão. A música foi gravada no Álbum Elis & Tom, em 1974, pela Polygran.

TRISTE

Tom Jobim

Triste é viver na solidão
Na dor cruel de uma paixão
Triste é saber que ninguém
Pode viver de ilusão
Que nunca vai ser, nunca vai dar
O sonhador tem que acordar

Tua beleza é um avião
Demais prum pobre coração
Que pára pra te ver passar
Só pra me maltratar
Triste é viver na solidão

              (Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

3 thoughts on “A tristeza criativa de Tom Jobim

  1. Sábia conclusão do Tom Jobim: “Assim como o brasileiro foi “educado” para perder (perdedor), o americano foi “educado” para ganhar (vencedor)”! Só que mais correto seria trocar “educado” por “DOUTRINADO”.

  2. Sábia conclusão do Tom Jobim: “Assim como o brasileiro foi “educado” para perder (perdedor), o americano foi “educado” para ganhar (vencedor)”! Só que mais correto seria trocar “educado” por “DOUTRINADO”. Infelizmente, tudo fica mais evidente quando se vai ao exterior!

  3. “Assim como o brasileiro foi e é “manipulado” para perder, o americano foi “educado” para ganhar .”

    Só um pouquinho de fermento para mudar a massa…..eh!eh!eh

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *