A voz das ruas e os toucas-ninja

Percival Puggina

Se as pessoas que estão saindo às ruas nestes dias, em todo o país, votaram na Dilma e há uma década estufam o próprio peito com as fanfarronadas de Lula, o Brasil está salvo. Se são outras pessoas, estamos perdidos. Se as pessoas que estão saindo às ruas são as mesmas que chamavam golpistas quem se dispusesse a escrutinar a péssima biografia dos governos petistas, estamos salvos. Se forem outras, estamos perdidos. Ou seja, se o petismo não estiver perdendo força como religião hegemônica no país, por conversão de antigos fiéis ao até agora minoritário reduto da sensatez, então nada está acontecendo.

Os sensatos abriram as portas do clube e saíram à rua, apenas isso. O placar do jogo político permanecerá o mesmo. E Deus se apiede do Brasil. Dilma continuará percorrendo o país para operar prodigiosa multiplicação de inexistentes bilhões, em meio a muita festa e louvação.

Faço estas considerações com absoluto senso prático. A alma brasileira foi envenenada pela propaganda do governo. Milhares de comunicadores, diariamente, compram essa propaganda como coisa boa e reproduzem o ufanismo oficial. É de se ver e eu vi, é de se ouvir e eu ouvi, nestes últimos dias, eminentes formadores de opinião embasbacados ante as mobilizações populares, como que exclamando: “Mas estava tudo tão bem! O Brasil é uma de satisfações cercada pelo oceano das inconformidades! O próprio Lula disse, não disse?”. Disse.

E quanto e-mail desaforado recebemos, ao longo destes últimos anos, eu e alguns outros, enquanto brandíamos a verdade em nossas passeatas lítero-panfletárias de protesto! Faziam para conosco como os empedernidos cardeais fizeram com Galileu. Recusavam-se a esquadrinhar a realidade através da luneta da verdade:”Noi non vogliamo guardare perché se lo facciamo potremmo cambiare”. Não olham porque mudar de opinião pode custar caro. A mentira paga melhor.

Todos os indicadores confirmavam o que dizíamos e os olhos viam: a educação pública é um desastre, vive-se ao completo desabrigo dos aparelhos de segurança pública, temos poltronas nos estádios de futebol e pacientes deitados sobre colchões no chão dos hospitais, a infraestrutura brasileira dá sinais de haver trombado contra um PAC acelerador  da destruição, o Erário é rapinado em moto-contínuo pelo arrastão dos corruptos. Mas, como vai o Brasil? Ah, o Brasil é outra coisa. O Brasil vai às mil maravilhas. Foi bafejado pela fortuna. Saiu das mãos de um gênio prodigioso para as de uma testada e competente gestora. Meu Deus!

TRÊS OBSERVAÇÕES

Por fim, três observações. Primeira: passe livre é marotagem; é querer andar de graça com os outros pagando a conta.

A segunda é para lembrar que, em Porto Alegre, a mobilização inicial contra o preço das passagens foi empreendida por militantes de partidos de esquerda, notadamente do PSOL. Eles foram para a frente da Prefeitura armados de paus, pedras, latas de tinta, toucas ninja (bem como se tem visto, agora, em toda parte), enfrentaram a polícia e vandalizaram o prédio e seu entorno. Naquele ato não houve “infiltração” alguma! Os malfeitores eram alinhados com partidos que não rejeitam o emprego da violência para fins políticos.

Terceira: não parece prudente adotar como coisa certa que os malfeitores “são uns poucos”. Não, não são uns poucos, são muitos, muitíssimos, como as próprias imagens mostram à exaustão. “Se a maior violência neste país tiver que vir desses movimentos, que venha”, disse num debate na TVCOM certo defensor desse vandalismo.

Tampouco parece prudente, então, desconsiderar o risco de que a esplêndida massa de cidadãos retamente intencionados venha a ser apropriada pelo que de pior existe em todos esses movimentos. Saiba, no conjunto do espectro político há quem, com o mesmo e justo discurso que enfeita as ruas e nos traz júbilo ao coração, vista toucas ninja.

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

12 thoughts on “A voz das ruas e os toucas-ninja

  1. Sete notas de Carlos Brickmann

    PUBLICADO NA COLUNA DE CARLOS BRICKMANN (Estadão)

    Millôr e a passeata
    Millôr Fernandes, gênio do texto e da frase, assim sintetizava a democracia: “Todo homem tem o sagrado direito de torcer pelo Vasco na arquibancada do Flamengo”. Foi o que faltou na grande passeata quase pacífica da Avenida Paulista, quando militantes de partidos políticos foram expulsos pelos demais manifestantes, ampla maioria na demonstração.

    É verdade que a postura dos militantes partidários foi provocadora. Petistas, seguindo as ordens do presidente do partido, Ruy Falcão, tentaram tomar a frente da passeata, para aparentar que a controlavam; outros grupos partidários também se uniformizaram e levaram bandeiras próprias, não as da manifestação. Mas, por provocadores que fossem, tinham esse direito, que lhes foi negado. Millôr tem razão. Mas também é verdade que quem torce pelo Vasco na arquibancada do Flamengo tem de assumir o risco.

    O som do silêncio
    Gritos, palavras de ordem, bombas. Mas o ruído mais estrondoso das manifestações foi o causado pelo silêncio da presidente Dilma, do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e de Lula, o ex-presidente em exercício.

    Vácuo entre orelhas
    O chanceler Antônio Patriota disse que o povo está ganhando mais e por isso se manifestou. Seu pensamento não revelou nada que já não se soubesse sobre ele, mas não precisava tornar tão explícito o vácuo que existe entre suas orelhas.

    Constatação
    A presidente e seus ministros reuniram-se no Palácio do Planalto, na sexta, para discutir a crise que já durava duas semanas.

    Saíram e a sala continuou vazia.

    O especialista
    O governador do Rio, Sérgio Cabral, aquele que foi fotografado numa festança privada em Paris com amigos empreiteiros, todos com guardanapos na cabeça, suas esposas exibindo para as fotos caríssimos sapatos Louboutin, foi à TV dissertar sobre corrupção.

    As emissoras de TV só procuram quem conhece o tema.

    Bolsa-Copa
    Na véspera de Dilma ser vaiada no Estádio Mané Garrincha, já com manifestações pipocando pelo país, foi publicado em edição extra do Diário Oficial a União, dia 14, o decreto 8.028/13, autorizando o pagamento de diárias a autoridades federais que queiram assistir aos jogos da Copa das Confederações.

    A diária de hotel é de R$ 581,00 para ministros (mais verba para viajar a qualquer cidade-sede das partidas); para os comandantes de Exército, Marinha e Aeronáutica, é de R$ 406,70. Outros funcionários também têm direito a esse tipo de diária, embora menos substancial. Pelo decreto, a diária ainda pode ser duplicada.

    O acusado
    Aquilo que se conseguiu evitar durante duas semanas de confrontos entre manifestantes e policiais, a morte de alguém, acabou acontecendo em Ribeirão Preto, SP. Alexsandro Ichisato de Azevedo teve a prisão solicitada pela Polícia sob a acusação de avançar com seu carro, um SUV Range Rover, contra 13 manifestantes que ocupavam uma esquina, atropelando-os. Houve três vítimas: duas moças feridas, uma delas gravemente, e um rapaz morto, Marcos Delefrate, 18 anos. Ao que se saiba, não houve atrito anterior: os manifestantes pediram a Azevedo que retornasse; ele ameaçou avançar duas vezes e, na terceira, avançou e matou.

  2. Imaginem o PT no Governo de SP (toc toc toc).

    No primeiro aumento na taxa de violência, o governador através de seu secretário do meio ambiente (pois covardia é o lema deste partideco, veja Haddad e Lula como fogem quando as crises aparecem) dirá que isto é bom pois é um reflexo da melhoria da economia, pois as vítimas compraram mais coisas que chamam a atenção dos mais necessitados. Similar à “crise do papel higiênico” na Venezuela que falaram que é o resultado da melhora do consumo das pessoas (comem mais, logo…).

  3. A MINHA SOLIDARIEDADE COM A FAMILIA DESSE RAPAZ QUE FOI ATROPELADO,MARCOS DELEFRATE, ESTARIA ERRADO O PAI DESSE MENINO FAZER VALER O DITATO ” OLHO POR OLHO” OU SERA QUE VAMOS ACEITAR COMO FIZERAM COM O POBRE MORTO POR THOR NUM ACIDENTE ?

  4. Se alguém puder, por favor me explique: como é que em SP, berço do MPL, até agora não apareceu um protesto contra os gastos da construção do estádio do Corinthians, palco da abertura da Copa?

  5. O pior que nessas manifestaçõ~es, bandidos, malandros, marginais, ladrões se infiltram nas passeatas para roubar, saquear.
    È o que tá acontecendo, inclusive aconteceu vários “incidentes” destes na minha região..

  6. Bem, encontrei em meus arquivos uma matéria feita pela Revista do Brasil em março de 2011 sobre o engajamento político da juventude brasileira. Na época o MPL estava nas ruas tentando reverter o aumento do preço das passagens dos ônibus autorizado pela gestão do Prefeito Gilberto Kassab. Uma série de entrevistas foi realizada com pessoas com diferentes ideologias políticas, desde membros da juventude do PSDB, do PT e PV à anarquistas. Eu creio que a maior lição que o MPL e tudo isso que está acontecendo nos deixa é que o povo pode sim mudar e determinar os rumos de uma nação quando o mesmo age de forma POLITIZADA e ORGANIZADA e o Passe Livre é um grande exemplo disso. Um grupo pequeno, apartidário, sem lideranças, mas extremamente POLITIZADO nos deu uma lição de verdadeira cidadania. Infelizmente neste país a palavra política adquiriu um significado pejorativo. Muitas pessoas (principalmente jovens) se afastaram e perderam o interesse por ela, como se o rumo de suas vidas não fosse determinado por decisões políticas ( meu amigo, vivemos em sociedade e não cada um em uma ilha). Quem aí já não disse ou não ouviu alguém dizer “eu odeio política”, “não me interesso por política porque não quero ser usado e manipulado por ninguém” e coisas do tipo? Sim, o gigante acordou, mas infelizmente acordou DESPOLITIZADO, ignorante da sua história, meio atordoado e perdido em meio a um descontentamento e uma histeria geral, enrolando-se em uma bandeira nacional como se essa fosse a sua tábua da salvação. Penso que cabe ao gigante inteirar-se mais sobre o que está acontecendo, estudar um pouco mais a história ( que é realmente cíclica) e voltar a interessar-se pelo que determina a vida de todos nós: a politica!

  7. Sr. Puggina,

    Como o sr.pode ler acima, o movimento do passe livre, não começou em Porto Alegre, e sim em São Paulo, através do
    movimento apartidário MPL, há vário anos, era pequeno no começo, vem crescendo todos os anos. O passe livre não é malandragem, nos países civilizados os mais ricos pagam pelos mais pobres. Nesse caso poderíamos chamar de malandragem
    os ricos que frequentam as Universidades Públicas, principalmente as de medicina, e que quando se formam não querem
    trabalhar nos rincões afastados do país, deixando as populações carentes sem assistências médicas.

  8. PARA LER E REFLETIR:

    “O Brasil é alvo das mesmas conspirações que tentam desestabilizar a Turquia”.

    “O mesmo jogo está sendo jogado agora no Brasil. Os símbolos são os mesmos, os cartazes são os mesmos, Twitter e Facebook são os mesmos, a mídia internacional é a mesma. Eles (os manifestantes) são liderados a partir do mesmo centro”.

    “Eles estão se saindo melhor em alcançar no Brasil o que não puderam alcançar na Turquia. É o mesmo jogo, a mesma armadilha, o mesmo objetivo”.

    “Quem ganhou com estas três semanas de protestos? O lobby da taxa de juros, os inimigos da Turquia”.

    “Quem perdeu? A economia da Turquia, mesmo que em pequena escala, e o turismo. Eles ofuscaram e mancharam a imagem e o poder internacional da Turquia”.

    Recep Tayyip Erdogan – 1o. Ministro da Turquia

    Fonte: FOLHA DE SP – http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2013/06/1299877-premie-diz-que-protestos-no-brasil-sao-fruto-de-conspiracao-internacional.shtml

  9. Respeito o autor por sua capacidade, lucidez e modo claro de escrever. Este artigo nos faz lembrar que nos últimos anos só o PAC deu certo: Programa de Aumento da Corrupção.

  10. “Eles foram para a frente da Prefeitura armados de paus, pedras, latas de tinta, toucas ninja (bem como se tem visto, agora, em toda parte), enfrentaram a polícia e vandalizaram o prédio e seu entorno.”

    Não dá p/ comparar estes manifestantes (a verdade é que políticos só entendem essa linguagem)com os bandidos que destruíram despropositadamente lojas, bancas, concessionárias, inclusive roubando mercadorias. Vale lembrar que esses vândalos são fruto do vandalismo praticado na educação por décadas. Não por coincidência, é a geração que foi arrancada dos CIEPS, vandalizados pela Elite, com o PMDB de Moreira Franco à frente.

  11. Caro Acyr Ramos:
    Seu texto seria totalmente verdadeiro SE o conceito de política não tivesse sido convertido, pelos próprios praticantes, para politicagem, SE os políticos não fossem politiqueiros. Portanto, o que o gigante precisa em primeira instância é distinguir a diferença.

  12. Ac Acyr Ramos.

    O senhor esta certo. O movimento passe livre começou em SP a alguns anos. E parece que não deu certo. O movimento de diminuição do custo de passagens? Este sim ! Começou em Porto Alegre em 2013 e menos de 40 dias se espalhou pelo Brasil todo. Porto Alegre é a unica capital que os estadios estão sendo costruidos com recursos do Gremio e do Inter junto a iniciativa privada. As manifestações em Porto Alegre se notarem ja avançou desta pauta. A caminhada sai da prefeitura e vão em direção a sede do Grupo RBS e Jornal Zero Hora, onde entrando na avenida Ipiranga sede do Grupo, que acontecem os confrontos da policia e manifestantes. Acompanhando o manifesto da pra sentir uma oposição forte A REDE GLOBO e tudo que ela representa.O povo ja esta esgotado de jornalismno chapa branca .E este papel a Globo faz muito bem. E com relação a passe livre? Ja existe o vale transporte e as passagens de estudante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *