A voz das ruas interpretada

Aldo Temperani Pereira

Em sua genial e conhecida  Alegoria da Caverna (em A República), Platão  fala sobre as enormes dificuldades que o ser humano enfrenta na  tentativa de apreensão dos fatos reais. Na sua imagem,  estamos acorrentados em uma caverna, observando  sombras. Também ouvimos murmúrios longínquos , vozerios confusos, que, acoplados  às imagens distorcidas, ajudam-nos a pintar um somatório de ilusões que consideramos ser a realidade.

Perseu Abramo  (Padrões de Manipulação na Grande Imprensa) compara a realidade exposta pela grande mídia  às imagens de espelhos dos parques de diversões, com suas múltiplas deformações. Maximização e minimização de fatos, ocultação na elaboração da pauta jornalística (este não se trata de fato jornalístico, aquele outro sim…), fragmentação da notícia com seleção de aspectos e descontextualização,  inversão da versão pelo fato, abuso da repetição de frases, graduação das fontes em mais, ou menos, “oficiais”, opinião em lugar da informação, etc.,etc., etc.  O produto disso tudo seria algo relacionado com a verdade, porém, como uma nota de dinheiro falso, se constituiria em  contrafação da realidade.

Já para discorrer, com sinceridade e justiça sobre o mundo da política na casa da mãe Joana, e a fidedignidade dos  seus discursos, relativamente à realidade dos fatos, necessário o articulista dispor-se (o que não é o caso) a infringir alguns artigos do Código Penal, diploma que, sem ser eficiente para coibir a roubalheira geral, pode criar embaraços aos denunciantes desavisados.  Assim, limitamo-nos à amena constatação de que o País não tem projetos, exceto o eleitoral, e que, por isso, o leme da nação encontra-se na mão da confiável classe dos marqueteiros.

MANIFESTAÇÕES ESPONTÂNEAS

A grande  novidade é que, dias atrás, tivemos manifestações de rua  espontâneas, articuladas pela internet, quando pessoas, em sua maioria oriundas da classe média, mostraram, de modos variados, sua profunda insatisfação com o governo. Esta a mensagem clara e insofismável, dita com todas as letras, exigindo um basta à corrupção e à ineficiência administrativa que nos levaram ao caos nas áreas de saúde, educação, segurança pública e transporte coletivo, no País todo.

Como era de se esperar, entrou em cena a turma de sempre, interpretando à sua maneira a voz das ruas. Jogadas publicitárias (de surpreendente incompetência), enveredando pelo besteirol, resultaram em uma “agenda positiva” constituída de descabelados absurdos demagógicos, tudo ao sabor do improviso. Nossa “Presidenta” que, fato preocupante, jamais foi vista  de bom humor, fez jus à fama e realizou até a façanha de criar desestímulos para  a juventude que pretende, no futuro, cursar medicina. Não se falou do essencial, do enorme sorvedouro de riquezas chamado governo federal, que transforma em frustração todas as esperanças brasileiras. Foi, por notória falta de grandeza, manhosamente, excluído da pauta o assunto chamado pacto federativo.

Confiam, os chefes do espetáculo, que manifestações espontâneas, por não possuírem canais adequados de realização daquelas vontades nem apoio midiático, deverão, como no passado, dissolverem-se no ar sem produzirem maiores efeitos. Mas estão enganados. Em nossos dias, pela facilidade de arregimentação de massas oferecida pela internet, particularmente se somada a um governo que rapidamente se demite da autoridade, as coisas podem, evidentemente, seguir rumo inusitado e terrível, mergulhando toda a sociedade na anarquia e violência.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 thoughts on “A voz das ruas interpretada

  1. “Mergulhando toda a sociedade na anarquia e violência” …
    Isto é referente a quê??? Já estamos num mundo de violência explícita e oficialmente declarada, faz tempoooo!!!
    Devemos glorificar as manifestações, a não conformação com esta porcaria de governo que temos em todos os âmbitos: municipal, estadual e federal!!! Sabe? A pior classificação social para uma pessoa é “Conservador”. Para os conservadores, ninguém deve mexer em nada, pois como está … está muito bom. O “resto é o resto”, “não tenho nada a ver com isto”, blablabla. Eis a voz de quem está, na verdade, se lixando para os outros e, de bom discurso em bom discurso … vai se escondendo … e crê que vai mantendo sua posição covarde.
    A voz das ruas … nunca esteve tão forte!!! E vai ficar ainda mais e mais forte, após o discurso que o Papa Francisco fez agora, para os argentinos. Nossa sociedade está totalmente apalermada diante de tantos e tamanhos crimes contra o povo. Os poderes estão apodrecidos e desmoralizados. Então … vamos esperar que “eles mesmos” façam leis que protejam o povo e que lhe dê pelo menos um pouco de dignidade para viver ou sobreviver??? Não!!! A HORA É ESTA!!!
    VIVA OS JOVENS!!!!!!

  2. ora meu caro já esquecemos de tudo vem o carnaval eleições e as mesmas promessas que nunca serão cumpridas e como sempre os que estão fora do poder querendo voltar e os que estão querendo permanecer.Tudo não passa de jogar as coisas do hoje para o futuro este nunca chega; que desanimo.

  3. NÃO HÁ O QUE RETOCAR NA ANALISE LUCIDA DE UM PAÍS CAÓTICO.O BESTEIROL DE HOJE É O FEBEAPA DE ONTEM MULTIPLICADO “N” VEZES.AGORA A SAFADEZA GENERALIZADA É UMA PESTE SOCIAL

  4. O que reforça e comprova a tese é qui a 4 anos após todos os escândalos estamos sem reformas politica e ainda usamos o velho e falso CP.Hoje só há duas correntes uma para eleger Bolsonaro outra o Lula se não for preso!As opções são péssimas e o fato gerador a corrupção não é o cerne da questão!Só um bode na sala ! Tudo para que a direita venha com toda a força. O estado de direito já não é desejado. Preferem uma ditadura militar de direita com perseguições e assassinatos por mera oposição de ideias como ocorreu em 1964..O pouco discernimento levará o povo a colocar um idiota transloucado e com imperfeições de caráter ou um ladrão comprovado..Nada mudara!Tudo ficará como dantes no quartel de Abrantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *