Abandonado até pelo procurador-geral, seu fiel aliado, Trump está cada vez isolado

William Barr - Donald Trump

William Barr já reconheceu publicamente a vitória de Biden

Deu no Estadão

O secretário de Justiça dos Estados Unidos, William Barr, disse nesta terça-feira, dia 1º, que o Departamento de Justiça não descobriu evidências de fraude eleitoral generalizada que possa mudar o resultado da eleição presidencial deste ano. A declaração contrapõe as repetidas acusações do presidente Donald Trump de que a eleição foi roubada – ele se recusa a aceitar a derrota para o democrata Joe Biden.

Em uma entrevista à agência Associated Press, Barr disse que os procuradores dos EUA e agentes do FBI têm trabalhado para acompanhar reclamações e informações sobre fraudes que receberam, mas não descobriram nenhuma evidência que mudaria o resultado da eleição. “Até agora, não vimos fraude em uma escala que pudesse ter afetado o resultado da eleição”, disse Barr.

NA CASA BRANCA – Pouco depois da publicação da entrevista, Barr foi visto na Casa Branca e muitos analistas especulavam que ele poderá deixar o governo.

Durante a gestão Trump, Barr foi um dos aliados mais fiéis ao presidente. Antes da eleição, ele disse que o voto pelo correio poderia ser vulnerável à fraude. Por causa do novo coronavírus, a votação por correspondência neste ano foi a maior da história das eleições americanas.

Mesmo sem evidências de irregularidades, Barr emitiu, no mês passado, uma diretriz para todos os procuradores dos EUA dando aval para prosseguir com quaisquer “alegações substanciais” de irregularidades de votação, antes que o resultado fosse certificado. O memorando deu um poder aos promotores para driblar uma regra do próprio Departamento de Justiça que vetava procedimentos antes de a eleição ser certificada.

PILGER FOI AFASTADO – A diretriz culminou com um pedido de afastamento de Richard Pilger, o principal responsável por investigações de crimes eleitorais no Departamento de Justiça.

Sem nenhuma evidência, a equipe de campanha de Trump, agora liderada pelo advogado Rudolph Giuliani, tem divulgado uma versão falsa de uma grande conspiração dos democratas para despejar milhões de votos ilegais. A campanha republicana entrou com vários processos em Estados-chave, que foram todos rejeitados, até mesmo por juízes republicanos que consideraram que as denúncias careciam de provas.

Trump também protestou contra a eleição em tuítes e entrevistas, embora seu próprio governo tenha dito que a eleição de 2020 foi a mais segura de todos os tempos.

E o procurador-geral William Barr chegou a baixar diretriz que abria brecha excepcional para que os promotores locais questionassem a votação.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Cada vez mais isolado, Donald Trump vai ficar na História como um empresário e apresentador de TV que entrou na política, elegeu-se presidente e saiu da Casa Branca totalmente desmoralizado, por adotar um comportamento ridículo, patético e lamentável para quem era tido como o homem mais importante do mundo. (C.N.)

5 thoughts on “Abandonado até pelo procurador-geral, seu fiel aliado, Trump está cada vez isolado

  1. Cada dia mais se manifestam as deficiências e riscos de um regime presidencialista-imperial, como o americano e brasileiro para com a nação presidida.
    O destino, condições de vida e segurança de centenas de milhões de cidadãos dependentes de decisões, caprichos, interesses pessoais e até fobias do presidente de plantão, que nem por um exame médico passa, mesmo sendo um funcionário público, é algo inconcebível numa análise isenta, racional e exaustiva da situação.
    Mas para mudar para uma fórmula mais racional implicaria obrigatoriamente na elaboração de uma nova Carta, plebiscitos e alteração na maior parte da legislação vigente e isso vem contra os interesses gerais da classe política que veria o risco de ter sua imunidade e privilégios comprometidos.
    Sendo assim, o único caminho possível seria a inciativa popular através de campanhas nas redes, manifestações de rua, pressão sobre veículos de imprensa e
    arregimentação de líderes sociais e formadores de opinião, tudo absolutamente apartidário sem protagonismo.
    Impossível! Dirão os céticos e eu até concordo, se continuarem a preferir a lúdica e inútil atividade de relatar as misérias já conhecidas de todos, criticar por antagonismo ou esporte, ofender pelo ódio ou simplesmente subir á tribuna e brindar o público com sua erudição, seus conhecimentos de idiomas ou dotes poéticos, a cambio de direcionarem essa virtudes e ate defeitos em pró de ideias, estratégias e planos para derrotar nossos algozes.
    A mais longa caminhada começa com um primeiro passo.

  2. Não se preocupem pessoal.

    Logo, logo o vira-lata de norte-americanos Eliel virá nos presentear com uma revelação saída das redes sociais de norte-americanos conspiracionistas fundamentalistas de que tudo isso foi criado pelos jesuítas para dominar o mundo, mas primeiro tinham que ter derrubado do Trump.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *