ABC da Amazônia

Sebastião Nery

O almirante Faria Lima, governador do Rio, foi convidado para um Congresso de Engenharia Sanitária, em Manaus. Foi, participou da sessão solene de inauguração. No dia seguinte, deu entrevista lá mesmo:

– Não acredito em congressos e encontros semelhantes. Esses técnicos só falam e, além de não apresentarem solução para os problemas, nunca dizem onde está o dinheiro para seus planos e projetos. Atrás deles, sempre há alguém ou alguma organização que eles representam e nunca revelam.

Havia um passeio para ver o desmatamento da Amazônia, muito denunciado no congresso. O governador não foi. Preferiu ficar no hotel. Perguntaram-lhe sobre os contratos de risco do governo para tirar madeira.

– Para desmatar, não é preciso contrato de risco nenhum. No Rio, queimaram tudo e não foi preciso contrato de risco nenhum. O que é preciso é saber, sempre, quais são os interesses atrás dessa conversa toda.

***
GENERAL NERY

Em 24 de abril de 2008, escrevi sobre o conflito, em Roraima, em torno da reserva indígena Raposa-Serra do Sol, mostrando que é uma região riquíssima em minérios, terra feita de ouro, diamantes, e que não se tratava de uma simples disputa entre 18 mil índios e seis arrozeiros (plantadores de arroz) por um pedaço da floresta, mas de uma briga pelo que está embaixo do chão, uma verdadeira “Raposa Mineral”.

Recebi do brilhante general Durval de Andrade Nery (da reserva do Exercito, além de baiano e primo), dirigente do Cebres (Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos), um estudo sobre “A Amazônia cobiçada e ameaçada”, que é um verdadeiro “ABC da Amazônia”. Lá ele diz:

***
SEXTO PAÍS

1 – “A Amazônia brasileira mede aproximadamente 4 milhões de km2 e se estende pelos estados do Acre, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá, e parte dos estados de Rondônia, Mato Grosso e Tocantins. Ocupa 50% do território brasileiro. Se constituísse um país à parte, a Amazônia seria o sexto do mundo, cabendo em seu interior metade do continente europeu”.

2 – “Vivem na Amazônia cerca de 145.000 índios de 210 etnias diferentes. Os territórios da Alemanha, Espanha, Portugal e Bélgica somados reúnem espaço similar, abrigando, no entanto, 125 milhões de habitantes, o que é uma primeira amostra de quão estranha e equivocada é a nossa política indigenista, que precisa urgentemente ser repensada”.

3 – “A Amazônia é região de floresta tropical primária, praticamente virgem. Apenas 8% da sua superfície foram expostos à ação antrópica, quer dizer, sua vegetação primária retirada e substituída por outra natural. Esta, por sinal, só avança 0,2%. Nos 300.000 km2 alterados pelo homem acham-se incluídos 150.000 km2 de cidades, fazendas, etc.”.

***
MUITO OURO

4 – “Os dados disponíveis comprovam a vocação mineral da Amazônia. Já foram localizados cinturões de rochas verdes nos quatro cantos da região. Essas seqüências fornecem pistas seguras sobre a presença do ouro nas rochas mais antigas do continente sul-americano: 2 milhões de km2 e formadas por mais de 200 chaminés vulcânicas”.

5 – “Calculou-se, em 1986, que se poderiam extrair, de depósitos secundários, mais de 15 mil toneladas de ouro puro, que na época valiam 200 bilhões de dólares e equivaliam a 32% das reservas medidas do planeta. Essa a razão pela qual, no início do governo Collor, os japoneses propuseram a troca da dívida externa brasileira pelo ouro da Amazônia”.

6 – “Só recentemente começaram a aparecer os depósitos primários do metal, localizados pela Vale do Rio Doce na província mineral de Carajás, que, por sinal, ocupa uma área cortada por seqüências de `cinturões de rochas verdes’. Mais recentemente, a Anglo American, mineradora sul-africana, encontrou grande depósito primário no Amapá, nas vizinhanças da Serra do Navio, onde o Grupo Antunes, testa-de-ferro de empresas norte-americanas e japonesas, esgotou uma grande jazida de manganês que, no futuro, poderá fazer falta ao Brasil”.

***
TODOS OS MINÉRIOS

7 – “A margem esquerda do Amazonas, do rio Negro até o Jari, revelou-se o maior depósito primário de cassiterita do País. As rochas da mina de Pitinga são também hospedeiras de ouro, nióbio, tântalo, zircônio, ítrio e criolita, flúor usado como fundente na eletrólise do alumínio”.

8 – “As `chaminés’ vulcânicas dos `escudos’ amazônicos são mais de 200. Só três foram submetidas a pesquisa. O morro dos Sete Lagos, no município de São Gabriel da Cachoeira (AM), é o maior depósito de nióbio do mundo, e ainda com óxidos e carbonatos de ferro, manganês, titânio, apatita, barita, fluorita, wolframita e minerais radioativos”.

9 – “Outras duas `chaminés’, localizadas no Baixo-Amazonas setentrional (PA), guardam mais de 2 bilhões de toneladas de anatásio, minério de titânio. Somadas essas reservas com as localizadas em Tapira (MG) e Catalão (GO), que totalizam 1 bilhão de toneladas, o Brasil desponta na liderança dos detentores de reservas de titânio”.

10 – “Os `escudos’ da Amazônia encerram a quarta maior reserva de cassiterita do planeta, a quinta de minério de ferro, além de quantidades apreciáveis de chumbo, cobre, cromo, diamante, lítio, manganês, molibdênio, pedras preciosas, prata, tântalo, tungstênio, zinco, zircônio e minerais radioativos, particularmente o tório”.

O general Heleno, ex-comandante da Amazônia, sabia bem por que falou.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *