ABI, CNBB, OAB e outras entidades condenam as novas ‘tentativas de ruptura institucional’

Dom Walmor Oliveira de Azevedo, presidente da CNBB (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Dom Walmor Azevedo, da CNBB, é um dos signatários

Fernanda Vivas e Pedro Alves
TV Globo e G1 DF

A Associação Brasileira de Imprensa, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), e outras quatro entidades divulgaram, nesta quarta-feira (4), uma carta em defesa do voto eletrônico e em apoio ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso.

No texto, as entidades criticam “tentativas de ruptura da ordem institucional” e afirmam que “é espantoso como, sob o impacto de mais de 550 mil vidas perdidas na maior crise sanitária já enfrentada pelo país, perca-se tanto tempo e energia em tentar demolir o edifício democrático!”

URNAS ELETRÔNICAS – A manifestação ocorre após após suspeitas, sem provas, levantadas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a lisura das urnas eletrônicas. Ele defende a adesão ao voto impresso. Os argumentos usados para apontar supostas fraudes já foram desmentidos pelo TSE.

Assinam a carta os presidentes das seguintes entidades: Dom Walmor Oliveira de Azevedo, presidente da CNBB; Felipe Santa Cruz, presidente da OAB; José Carlos Dias, presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns (Comissão Arns); Luiz Davidovich, presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC); Paulo Jeronimo de Sousa, presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) E Renato Janine Ribeiro, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

SEGUNDA MANIFESTAÇÃO – O grupo afirma que, em março de 2020, já se manifestou contra “ameaças” feitas por Bolsonaro contra o Congresso Nacional e o STF. Segundo as entidades, “lamentavelmente, o processo de erosão democrática prossegue, atingindo contornos incompatíveis com o equilíbrio entre os Poderes e a manutenção do clima de paz e concórdia entre os cidadãos”.

“Nesse sentido, ameaçar a não realização de eleições em 2022, caso o resultado das urnas possa vir a contrariar os interesses daquele que detém o poder, é ofensa grave que não se pode tolerar”, diz a carta.

7 thoughts on “ABI, CNBB, OAB e outras entidades condenam as novas ‘tentativas de ruptura institucional’

  1. Ué! Recontar os votos de uma eleição caracteriza ruptura institucional?
    Estranhos sentimentos estão assolando as entidades de classe no pais.
    Sem contar que estas três, são atreladas ao petismo.
    Isso tudo esta ficando muito estranho. Tiraram o lula da cadeia, limparam sua ficha, farão que seja candidato a presidente e ainda não querem recontagem de votos, Hum, isso tem nome, e é por esse nome que costumam chamar o Bolsonaro.

    • Tá brincando com a nossa inteligência, seu Ching Ling! Recontar a eleição é possível mesmo hoje, seu Ching. Estabelecer o voto impresso vai custar uma nota preta e um tempo precioso. O país está de joelhos para a pandemia e esse abestalhado nada faz além de criar problemas. As ruas do país estão infestadas de assaltantes, milhares passam fome e o presidente nem se toca.
      Give me a break, seu Ching.

  2. Ruptura ocorreu quando tiraram do Presidente o comando das ações da covid19. De lá pra cá tudo é consequência. Danado é que a hora do não só poderá ser repentina! Vamos aguardar. Se os padres já estão preocupados é porque alguma coisa real está havendo, pois padre não se preocupa à toa.

  3. Se a sociedade brasileira não despertar para a realidade, o Brasil terminará se tornando uma nova Venezuela , tão evidentes são os atos de um presidente que despreza problemas que se agravam a cata de de soluções para os seus projetos pessoais. A gravíssima advertência do ministro Luis Roberto Barroso , presidente do Tribunal Superior Eleitoral, não é um desabafo de hoje.Ela já era feita em maio de 2020, quando Bolsonaro começou a preparação da sua reeleição relegando a segundo plano a urgência de combate a pandemia , para dedicar-se a acomodação da sua guarda pretoriana nos cargos mais importantes da República.

    Ontem, por ocasião do Seminário sobre Direito Eleitoral, no Rio de Janeiro , Barroso advertiu que não é só no Brasil que a estabilidade social, econômica e moral sofrem abalos devastadores .Registra-se hoje no mundo uma alarmante onda de “corrosão da democracia “, com políticos e gestores populista se aproveitando de todos recursos de comunicação com o objetivo claro de implantação do autoritarismo de governo com ataques as instituição.Cabe ao estamento social agir para evitar ameaças a consolidação da sobrevivência da ordem democrática , a qual todos nós temos a obrigação de servir e preservar , unindo as nossas vozes mais expressivas em defessa da prevalência do equilíbrio institucional. O País deve ficar atento aos alerta do ministro Luis Roberto Barroso convertido em profeta bíblico do Velho Testamento anunciando as desgraças para quem não quis ouvir a voz de Deus , através da leitura das ocorrências que hoje nos cercam.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *