Acima e além da multidão

http://www.cartapolis.com.br/wp-content/uploads/2013/08/barroso-572x210.jpg
Carlos Chagas

Tem gente que se julga acima e além da lei. É horrível, ainda que os exemplos se multipliquem nos governos e fora deles. Mas tem pior, quando certas pessoas entendem estar acima e além da sociedade, da multidão, quer dizer, do mundo à sua volta. Com todo o respeito, acabamos de verificar um exemplo dessa distorção. O ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, acaba de declarar no plenário daquela corte que “não julga para a multidão”, isto é, suas  sentenças são exaradas sem que ele se preocupe com os jornais do dia seguinte.

O jovem constitucionalista confunde opinião publicada com opinião pública. Não liga para nenhuma das duas, mas  mesmo admitindo-se  a existência de  jornais que  exageram e distorcem os fatos, como aceitar esse  efeito atingindo a coletividade? Esta não erra nunca. É a expressão do sentimento geral. Como alijá-la de qualquer ação humana, mesmo a sentença de um juiz?

Barroso tem se esmerado em pronunciamentos variados, não deixando passar qualquer oportunidade de expor seus pontos de vista. Trata-se de  defeito ou  virtude de quantos ingressam em  nova atividade, sentindo-se intimidados ou imaginando-se  superiores ao colegiado que passam a integrar. Tanto faz, mas a verdade é que o novato integrante da mais alta corte nacional de Justiça corre o risco de transformar-se no “Mão Santa” do Poder Judiciário. Com as homenagens ao médico que virou senador e dava palpites até sobre o café requentado servido a seus pares, salta aos olhos o exagero de um e do outro.

Começa que o novo ministro, assim como seu colega Teori Zavascki, deveriam ter-se considerado impedidos para participar do julgamento do mensalão. Não  integraram  o colegiado que aceitou as denúncias do Ministério Público,  analisou a ação dos acusados, tomou-lhes os depoimentos e ouviu-lhes as defesas, num trabalho  estendido por seis meses, até as sentenças finais. Caíram ambos de pára-quedas no processo, afastando-se por impertinente o fato de que com seus votos favoreceram o PT, partido da presidente que os indicou.

O que não dá para entender é o açodamento de ambos  em envolver-se num julgamento já concluído, procurando retificar seus rumos. Ministros como Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Rosa Weber dispuseram de experiência e de  razões jurídicas para votar como votaram. Barroso e Zavascki, não. Mesmo se tivessem  se pronunciado contra os embargos infringentes, faltar-lhes-iam argumentos.

Certas coisas, só no Brasil. Depois de tanta discussão, os mensaleiros encontram-se na dependência de uma só sentença. Se conseguirem um segundo julgamento,  como parece que vão conseguir,  deverão a benesse às concepções de um só juiz. Será muita areia para um só caminhão, por mais qualidades que ele possa apresentar. Agora, pelo que se escuta nos corredores do Supremo, correm o risco de ser atropelados. Apenas terão adiado a execução de suas condenações.

MELHOR ISOLAR O SUPREMO

Começaram as redes sociais a exortar a população de Brasília para,  quarta-feira,   concentrar-se no entorno do Supremo Tribunal Federal. Caso a massa venha a  ser sensibilizada,  atendendo  ao chamamento impessoal, poderemos assistir a cenas inusitadas, depois de  o ministro Celso de Mello oficializar  o seu voto.  Porque não faltarão  protestos pela continuação da impunidade dos réus já condenados.  A estátua da Justiça, serena e cega, já se encontra   cercada de grades. Montes de agentes de segurança  estão mobilizados, ignorando-se apenas se o presidente Joaquim Barbosa admitirá convocar a polícia militar.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

10 thoughts on “Acima e além da multidão

  1. Da decisão dos Embargos Infringentes, eu tenho medo de que os mais de 1 milhão de desiludidos que foram as ruas em junho, passem a se tornarem 1 milhão de raivosos. o black bloc sera inflado de maneira absurda, sera um descontrole total e com certeza a penas a policia não conseguira controlar.

  2. É oportuno lembrar a exortação de Ruy Barbosa: “SENHORES JUÍZES, VÓS QUE SOIS ALEVANTADOS DO POVO PARA JULGAR SEUS ATOS, LEMBRAI-VOS QUE ESTE MESMO POVO JULGARÁ A VOSSA JUSTIÇA”.
    JORGE BÉJA

  3. ENQUANTO HOUVER INDICAÇÃO POLÍTICA PARA OS QUE SERÃO JULGADOS O RESULTADO SERÁ DE IMPUNIDADE.E OS SRS. DO STF PENSAM QUE NA FALTA DE DEUS AQUI NO BRASIL ELES RESOLVEM.
    QUE SACRILÉGIO.

  4. Não há outra evidência: o STF já perdeu seus créditos e deixa dúvida de ser a mais alta corte, depois que virou politicamente uma extensão do PT. Moral, consciência e responsabilidade pelo dever não são mais seu forte, ressalvadas as exceções de sempre, claro. Aos dois novatos – nomeados como “companheiros” – faltou decência, honestidade e senso de responsabilidade, já que não participaram do julgamento e por isto estariam, se não juridicamente, moralmente impedidos de participar. Os outros dois, amiguinhos dos pilantras em julgamento… esses já mostraram que estão pouco cagando para o desejo da multidão, e um deles não poderia sequer participar, já que advogou para um dos julgados. O nomeado agora mais recentemente, deixou claro que não está nem aí para o que diz o povão – igualzinho aquele Deputado mal caráter há uns tempos atrás, lembram-se?. Forçoso reconhecer o valor intrínseco de uma bolsa com “trinta dinheiros”.

  5. Puxas sacos burros, sem pensamento estratégico, funcionalistas como o Toffoli e o Lewandowski levam ao risco de tornarem eunucos, infertéis a quem bajulam, pois aguaram-se tanto e sem noção de quando parar de puxar o saco que acabem por arrancarem-lhes as bolas.

    Embora Dilma não os tenha, sua reeleição ficará em altíssimo risco com a procrastinação do julgamento da bandidagem mensaleira.

    Deve tá morrendo de medo de ter que aturar Zé Dirceu nos palanques.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *