Acredite se quiser: Gilmar Mendes almoçou com Padilha e jantou com Temer

Resultado de imagem para temer e gilmar chargesCarlos Newton

A promiscuidade institucional no Brasil é alto estarrecedor. Apesar da repercussão altamente negativa da carona que pegou no avião presidencial para viajar a Portugal, o ministro Gilmar Mendes aceitou novo convite do presidente Michel Temer na noite deste domingo, dia 22, e foi recebido em jantar no Palácio do Jaburu. No encontro, que não constava na agenda oficial do presidente, os dois tiveram “conversas de rotina”, de acordo com a assessoria de imprensa do ministro do Supremo, que é também presidente do Tribunal Superior Eleitoral, responsável por julgar o processo de cassação do chefe do governo, por crimes eleitorais cometidos pela chapa de Dilma Rousseff e Michel Temer, na eleição de 2014.

Na tarde de domingo, em Porto Alegre para participar do velório e sepultamento de Teori  Zavascki, o ministro Gilmar Mendes almoçou com o ministro-chefe da Casa Civil e um dos homens fortes do governo Temer, Eliseu Padilha, que responde a vários processos, está com bens bloqueados e foi citado na delação da Odebrecht como operador do caixa dois do PMDB, que recebia propinas em dinheiro vivo.

PROMISCUIDADE – Fica demonstrado, mais uma vez, que as autoridades brasileiras não se importam nem mesmo em manter as aparências. Pelo contrário, fazem questão de exibirem sua promiscuidade, ao arrepio da lei, pois o Código de Processo Civil determina que magistrados não podem atuar em processos do interesse de parentes e amigos.

No caso de Gilmar Mendes, ele admite publicamente ser amigo de Temer há mais de 30 anos. Mesmo assim, não se considera suspeito para atuar no julgamento da chapa Dilma/Temer.

E ainda se relaciona intimamente com um elemento nebuloso como Eliseu Padilha, réu em vários processos, acusado inclusive de grilagem de terras públicas e devastação de 1,3 mil hectares de reserva ambiental no Mato Grosso, com bloqueio de bens e apreensão de 18 armas de fogo em sua propriedade rural, inclusive fuzis de mira telescópica.

###
PS
Como dizia o grande jornalista e historiador Capistrano de Abreu, para consertar o Brasil é fácil. Basta que a Constituição tenha apenas dois dispositivos: “Art. 1º – Todo brasileiro deve ter vergonha na cara. Parágrafo único: Revogam-se as disposições em contrário”. Infelizmente, a sugestão dele não foi aceita. (C.N.)

17 thoughts on “Acredite se quiser: Gilmar Mendes almoçou com Padilha e jantou com Temer

    • Capa do O Globo , outro que decretou o acidente da Mata Hari.
      ” Ministros são contra Carmen Lúcia homologar a delação “.
      Ze fini….

  1. Tofoli liberta o ladrão Paulo Bernardo, seu amigo petista;

    Lewandowski preside o impeachment de Dilma e não lhe retira os direitos políticos;

    Barroso omite dados do Regimento da Câmara e altera as regras do jogo durante a cassação de Dilma;

    Celso de Mello o que diz pela manhã não confirma suas palavras à tarde;

    Gilmar Mendes viaja de carona no avião de Temer para Portugal;

    Zavascki viaja no avião de seu amigo, enredado em vários processos na Justiça, acompanhado de duas mulheres alheias à sua função e posição como magistrado do Supremo, e perde a vida, inclusive;

    Gilmar Mendes almoça com o grileiro Padilha e vai jantar com Temer, ambos envolvidos na Lava-Jato …

    Bom, quando escrevo que o STF é um apêndice do Executivo e se transformou em assessor jurídico do Congresso, tenho lá minhas razões!

    • Bem, pelo menos o Gilmar não almoçou em jantou escondido. Diferente do outro que se escafedeu numa viagem prá lá de estranha, tipo sonho de verão. E o morto ainda tinha dito que voltava antecipadamente das férias para trabalhar. Eta trabalhinho bom!

    • Caro Bendl
      Na realidade, você tem TODAS AS RAZÕES para afirmar que o STF é apêndice do Executivo e assessor jurídico do Congresso. Nem mais nem menos.
      A maior prova é a politização do STF, com os sinistros defendendo seus “amigos” ou idéias próprias que não encontram respaldo na Lei, como o estupro da nossa Carta Magna pelo ex-presidente Lewandowski, em conluio com o réu Renan.
      A politização fica mais evidente a partir do momento em que o STF opera como uma quadrilha (como a ORCRIM), defendendo os seus membros, mesmo sabendo que cometeram um crime.
      A única solução para o Brasil é acabar com as três quadrilhas!
      Abraço,
      Yulo

      • Yulo,

        Não me agrada constatar que a minha afirmação de tempos atrás – o STF é apêndice do Executivo e assessor jurídico dos parlamentares -, que eu tinha plena razão!

        Ou faltou discrição aos ministros do STF em seus relacionamentos com os dois outros poderes ou não se importam mais sequer com as aparências, então explícitas e abertas as intimidades até mesmo com gente de comportamento não só duvidoso como CRIMINOSO!

        Em outras palavras:
        As mortes violentas a cada ano, que atingem em torno de sessenta mil vidas anuais, decididamente os governantes brasileiros não estão distantes do Estado Islâmico, mas os imitam mo aniquilamento do povo e nos roubos contra o cidadão e trabalhador, basta que não professe a religião que hoje domina as autoridades dos Três Poderes:
        Ou pertencer a um partido político, portanto um ladrão em potencial ou, então, ser um corruptor, que terá os beneplácitos da Justiça, apelidado de “delação premiada”.

        Olha, Yulo a situação não está feia, ela está PAVOROSA!

        Um abraço.
        Saúde e Paz!

  2. o presidente indireto(royalties para hélio Fernandes) deve ter consultado o amigo,sobre a conveniência de indicar o chefete de polícia,para o supremo tribunal federal.

    • Prezado Bendl,

      Dependendo do enfoque devemos falar em “Poderes promíscuos e simbióticos entre si”.

      No caso de Gilmar e Temer, a falta de vergonha e tamanha que eles nem fazem questão de disfarçar…..

      Um grande abç

  3. Lamentável sob todos aspectos essa promiscuidade, que não é de hoje. Faz parte da politicalha, para rimar com canalha, como dizia Rui Barbosa. A pior de todas é a que ocorre na justiça criminal, notadamente agora com as operações sempre batizadas com nomes sugestivos. Juizes, promotores/procuradores e delegados se reúnem para combinar o que fazer contra os investigados. A defesa, ora a defesa, que se dane. São três contra um. A constituição e a lei, ora, são detalhes. Tudo em nome do combate ao crime, sob os aplausos da maioria. Um dia essa maioria vai compreender que aprovando o pau em Chico também estará legitimando o pau em Francisco. Aí pode ser tarde demais.

  4. Em tempo:

    Padilha tem acompanhado Temer em viagens e encontros bastante importantes….. Nada mau para quem está sendo fritado/cozinhado, não???

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk xD

Deixe uma resposta para Gilson Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *