Acredite se quiser: Temer está tentando se descolar da bancada da corrupção

Resultado de imagem para temer CHARGES

Charge do Luscar, reprodução da Charge Online

Murilo Ramos
Época

O presidente Michel Temer está angustiado com a tramitação no Congresso do projeto que trata do abuso de autoridade como juízes e integrantes do Ministério Público. Por isso, fará todos os esforços para enterrá-lo ainda no Senado e antes de chegar à mesa dele. O cálculo de Temer é o seguinte: se o projeto passar no Congresso e ele sancionar, ficará bem com os parlamentares e mal com a população, que defende investigações como a Lava Jato. Se vetar, Temer ficará bem com a população e mal com os parlamentares, de quem depende para aprovar projetos importantes.

Poucas horas antes de chamar a votação em caráter de urgência do pacote aprovado pela Câmara na quarta-feira, os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Congresso, se reuniram a portas fechadas. O cálculo de ambos não levava em conta que senadores do PSDB e DEM não apoiariam o caráter de urgência do pacote das dez medidas.

Interlocutores afirmam que o senador Renan ficou “irritado” com a coletiva dada por procuradores no Paraná ameaçando deixar a condução da Lava Jato, caso o projeto passe no Senado. A coletiva jogou pressão sobre os senadores.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Muito importante a informação do colunista Murilo Ramos, porque demonstra que o presidente Temer mesmo pisando em ovos, como se dizia antigamente está tentando se descolar da bancada da corrupção. Ou seja, ainda há alguma possibilidade de Temer se recuperar. Vamos aguardar. (C.N.)

27 thoughts on “Acredite se quiser: Temer está tentando se descolar da bancada da corrupção

  1. Mas não tinham pressa em divulgar as gravações do Calero ???

    Temer cogita afastar diretor-geral da PF no começo de 2017.

    Presidente não gostou de saber que ex-ministro da Cultura contou com orientações de “amigos da PF”.

    BÁRBARA LOBATO
    03/12/2016 – 10h00 – Atualizado 03/12/2016 10h00.

    Assessores de Temer dizem que o presidente está amadurecendo a ideia de afastar o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, nos primeiros meses de 2017 em meio a uma pequena reforma ministerial. O presidente não gostou da declaração do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero dizendo ter feito gravações no Planalto sob orientação de “amigos da PF”. Daiello está no comando da PF há quase seis anos e ganhou força com a Lava Jato.

    http://epoca.globo.com/politica/expresso/noticia/2016/12/temer-cogita-afastar-diretor-geral-da-pf-no-comeco-de-2017.html

  2. Caro Anunnaki (03/12/2016, 11:01),

    A título de informação, brasileiros naturalizados (inicialmente estrangeiros ou apátridas que adquiriram nacionalidade brasileira) podem ser presidentes das casas legislativas municipais, estaduais e distrital.

    Não é o caso da Câmara e do Senado Federais, em que somente brasileiros natos podem presidi-las, por envolver questões atinentes à soberania, especialmente a sucessão do Presidente da República (v. vedação da CF, art. 12, § 3º).

    Em regra, quem não detiver o “status” de cidadão (brasileiro nato ou naturalizado no gozo dos direitos políticos – CF, arts. 14-16) não pode sequer concorrer à eleição para cargos no Legislativo ou Executivo. Ressalva-se a hipótese dos portugueses residentes no Brasil, os quais são equiparados a brasileiros natos, desde que amparados por eventual reciprocidade de tratamento em relação aos brasileiros residentes em Portugal (CF, art. 12, § 1º).

    Espero tê-lo auxiliado, ainda que modestamente. Perdão por qualquer erro/impropriedade.

    Cordialmente,
    Christian.

    • Caro Christian. Penhoradamente agradeço a gentileza do esclarecimento. Como não sou versado nos meandros da legislação, fiquei intrigado ao ouvir comentário apontando o Presidente da Câmara como nascido no Chile! Se verdadeiro, será chileno nato, não é?
      Abçs
      Anunnaki

  3. “MACHADO – Rapaz, a solução mais fácil era botar o Michel [Temer].

    JUCÁ – Só o Renan [Calheiros] que está contra essa porra. ‘Porque não gosta do Michel, porque o Michel é Eduardo Cunha’. Gente, esquece o Eduardo Cunha, o Eduardo Cunha está morto, porra.

    MACHADO – É um acordo, botar o Michel, num grande acordo nacional.

    JUCÁ – Com o Supremo, com tudo.

    MACHADO – Com tudo, aí parava tudo.

    JUCÁ – É. Delimitava onde está, pronto.”

  4. Caro Annunaki (03/12/2016, 13:18),

    Ainda a título de esclarecimento, os sistemas de atribuição de nacionalidade levam em conta diversos critérios (“jus sanguinis”/sangue, “jus solis”/solo etc.), os quais são aplicados de modo heterogêneo nos ordenamentos jurídicos do mundo.

    Leio no portal da revista Época (reportagem de Talita Fernandes e Murilo Ramos, 13/07/2016) que o atual Presidente da Câmara é natural do Chile, filho de pai brasileiro e mãe chilena (http://epoca.globo.com/tempo/expresso/noticia/2016/07/nascimento-no-chile-quase-atrapalha-rodrigo-maia.html).

    Tentando agora responder à sua pergunta à luz das Constituições Brasileira (CF/88) e Chilena (CPR/1980): o Presidente da Câmara é “brasileiro nato” por ser filho de pai brasileiro e ter sido registrado no Consulado de Santiago do Chile, atendendo-se ao disposto na CF/88, art. 12, I, “b”; e também é chileno (nacionalidade originária, a Constituição Chilena não utiliza os termos “nato” para a nacionalidade originária e “naturalizado” para a derivada), por ser filho de mãe chilena e ter nascido em solo chileno (CPR, art. 10, 1º – https://www.leychile.cl/Navegar?idNorma=242302). O Presidente da Câmara aparenta, portanto, gozar de dupla-nacionalidade brasileira-chilena.

    Importante ressaltar que os ordenamento jurídicos procuram evitar o caso extremo de não atribuição de nacionalidade (apatridia) em relação aos filhos de seus nacionais. Por outro lado, reconhece-se, em regra, a atribuição de mais de uma nacionalidade a uma mesma pessoa. Há, no entanto, certas restrições em casos sensíveis (e.g. quando o nacional de um país pretende ser naturalizado e incorporado às Forças Armadas de outro país, costuma-se impor o requisito de renúncia ao vínculo da nacionalidade originária etc.).

    Agradeço as considerações e renovo as escusas por qualquer impropriedade.

    Cordialmente,
    Abs!
    Christian.

  5. Temer se livrar da turma da corrupção? Infelizmente ainda não acredito em duendes, em Papai Noel, nem em coelhinho da Páscoa!
    Sei que ele se encontra numa posição delicada, conforme bem explicitado no artigo, mas a sua relação com os bandidos do Congresso é umbilical. Se fosse uma pessoa que pensasse no Brasil, já teria deixado claro que não admitiria qualquer manobra que pudesse comprometer o combate à corrupção, ainda que isso estremecesse a relação com o Congresso. Se não o fez, é por compactuar com a idéia.
    Como um lobo da política, Temer apenas aguarda para medir as manifestações populares. Se esmorecermos, não tenho dúvidas que ele estará feliz, enterrando a Lava Jato ao lado dos corruptos. Se não dermos trégua, pode ser que ele, mesmo a contragosto, assuma uma posição em favor do Brasil.
    Lembro aqui que na entrevista sobre o caixa 2, Temer foi bem claro, dizendo que vetaria o projeto em função da “voz das ruas”, e não por ser, de fato, um crime. Ele mostra que se sente à vontade para aprovar projetos criminosos, desde que não tenha uma rejeição popular. Mostra que é igual a tantos outros que o cercam.
    No final das contas, Temer já mostrou que não é uma pessoa confiável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *