Advogado diz que denúncias contra Lindbergh Farias são embasadas em relatório rejeitado de CPI

Mariana Jungmann Agência Brasil

O advogado do senador Lindbergh Farias (PT-RJ), Celso Vilardi, vai protocolar, nos próximos dias, petição no Supremo Tribunal Federal (STF) com a qual pretende esclarecer ao ministro Antonio Dias Toffoli informações relacionadas ao processo em que foi concedida a quebra dos sigilos bancário, fiscal e bursátil (sobre transações na Bolsa de Valores) do senador.

Vilardi disse que pretende informar ao ministro “fatos que não foram apontados pelo Ministério Público” ao pedir a quebra dos sigilos e investigação sobre o senador. Segundo o advogado, a autorização concedida por Dias Toffoli foi embasada por relatório que não foi aprovado de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) da Câmara de Vereadores de Nova Iguaçu.

“Não é um relatório aprovado por uma CPI, é um relatório rejeitado. É a opinião de um vereador de oposição que foi rejeitada pela maioria dos vereadores”, disse Celso Vilardi. “Não tenho nenhum objetivo de reverter a quebra. O que quero é que a investigação ocorra nas balizas corretas”.

DOCUMENTOS

O advogado também disse que apresentará documentos que comprovam que a maior parte da dívida da prefeitura de Nova Iguaçu quando Lindbergh Farias era prefeito foi contraída antes de ele estar à frente do cargo. Segundo Vilardi, dos cerca de R$ 350 milhões da dívida com o Instituto de Aposentadoria dos Servidores Municipais de Nova Iguaçu (Previni), R$ 321 milhões são de gestões anteriores. “Além disso, a prefeitura de Nova Iguaçu parcelou o débito e, segundo as regras vigentes, quando o débito é parcelado, o processo sobre ele deve ser sobrestado”, disse.

De acordo com denúncia do Ministério Público, houve transações suspeitas entre a prefeitura de Nova Iguaçu e o Instituto de Aposentadoria dos Servidores Municipais de Nova Iguaçu (Previni) em valores que passam de R$ 300 milhões. Para o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, o único meio para apurar se os desvios realmente ocorreram é a quebra dos sigilos solicitados.

Além de Lindbergh, o ministro Dias Toffoli também autorizou a quebra de sigilo dos então dirigentes da Previni Gustavo Falcão Silva e Luciano Otávio Dutra Leite, da própria instituição previdenciária e da empresa Casual Dining.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “Advogado diz que denúncias contra Lindbergh Farias são embasadas em relatório rejeitado de CPI

  1. O dever do advogado é defender seu cliente, mas relatório rejeitado de câmara de vereadores não faz sentença julgada. Aliás, o curto período político desse rapaz já demonstrou, ao beijar a mão do Lula e pedir penico, que o caso dele era se arrumar pessoalmente, dinheiro mesmo, patrimônio. Ele nunca teve respeito pelos eleitores, aqueles ingênuos que acreditavam na firmeza ideológica dos efêmeros e fabricados carapintadas. Desde que foi eleito pela primeira vez e para a câmara federal, nos anos 90 pelo Rio, quando se ausentava de Brasilia era para passear e paquerar na Paraíba. Nem dava as caras no Rio. Passou 4 anos na de maravilha viver (royalties pro Helio) e consta que deu até rasteira do PCdoB de mentirinha que o criou. E posteriormente cuspiu no prato do PSTU que o acolheu, porque aí não tinha futuro eleitoral. Ainda garotão e já com esse currículo.

  2. BABOU GERAL!

    Julgamentos demorados.

    Contra Garotinho, Benedita da Silva e grana da Cedae está correndo lado a lado com lindeberg. Na Cedae o valor é próximo disso R$350.000.000.00 Lá já existia uma empresa fantasma e um empresário que financiava às camphas. Garotinho comprou o direito de disputar a aleição para presidente.

    Aí, tomou uma volta algo em torno de R$250.000.000,00. Partiu para greve de fome. Não cortou os pulsos por que não deixaram faca perto dele.

    Mais, que tomou volta tomou. O minitério público e o tribunal de justiça ainda até hoje, não julgou nada disso.

    Quando veremos esses bandidos atrás das grades das penitenciárias?

  3. Não vou aqui defender nem A nem B, mas me soa um pouco estranho essa atitude do então Ministro Tófoli, antigo advogado do PT, autorizando a quebra de sigilo do Senador Lindberg, que é candidato do PT ao governo do Rio, após o Governador Cabral esbravejar que se o PT não apoiar o seu candidato Pezão, aliás o Rio adora votar nesses caras “pintadas” como Juruna, Garotinho, Rosinha e quem sabe Pezão, não irá apoiar a reeleição da Presidente Dilma. Isso tá me cheirando “fogo amigo”!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *