Advogado revela que Santana e Mônica se contradizem sobre o aviso de Dilma

Resultado de imagem para alberto toron

Toron levantou uma dúvida consistente

Mônica Bergamo
Folha

O advogado Alberto Toron, que já defendia para Dilma Rousseff no caso em que ela é acusada de obstrução de Justiça ao nomear Lula ministro, assumiu nesta terça-feira (dia 16) a defesa da petista no caso em que é acusada de avisar o casal de marqueteiros João Santana e Mônica Moura de que seriam presos na Operação Lava Jato.

O casal, na delação premiada, não coincide no relato de como foi avisado de que seria preso. Mônica diz que Dilma, além de enviar e-mail cifrado, telefonou a Santana na noite do “dia 20 ou 21 de fevereiro (eles foram presos no dia 23)”. Segundo ela, “fomos avisados que foi visto um mandado de prisão assinado contra a gente”.

Já Santana diz que, depois do e-mail de Dilma, “deduziu” que “já havia uma medida cautelar” tomada contra o casal. Afirma, no entanto, que “nunca veio um alerta de ninguém do governo dizendo ‘olha, saiu o decreto’. Não. Nós soubemos pelas notícias, eu soube na madrugada, vi pelas câmeras”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A contradição é evidente, até mesmo porque Mônica Moura foi enfática: O João [Santana] falou com ela [Dilma] por telefone, na noite do dia 20 ou 21 de fevereiro. Fomos avisados que foi visto um mandado de prisão assinado contra a gente“, disse a empresária, sem detalhar se foi Dilma quem ligou ou se Santana telefonou para ela. O procurador lhe perguntou se a então presidente Dilma Rousseff costumava telefonar a João Santana, e Mônica confirmou. Na mensagem por e-mail, segundo a delatora, Dilma dizia que precisava falar com ela ou com Santana em um telefone seguro. “Ela [disse que] tinha um telefone seguro, no Alvorada, e nós tínhamos o telefone da Dominicana, o fixo da Dominicana, o João falou com ela nesse telefone“, afirmou, referindo-se ao telefone da operadora de TV que atuava na campanha na República Dominica. De toda forma, a contradição é evidente e será necessário ouvir novamente os dois delatores e também periciar os computadores que Dilma e o assessor Giles Azevedo usavam, se é que ainda não sumiram. Além disso, o Google pode informar os IPs usados e logo se saberá quem usou o e-mail de Iolanda.  Como diz o lema da série Arquivo X, às vezes a verdade realmente está lá fora. (C.N.)

8 thoughts on “Advogado revela que Santana e Mônica se contradizem sobre o aviso de Dilma

  1. É só inquirir os dois sobre o equívoco, se houve. Ora, é muito comum a pessoa se equivocar em questão de tempo. O importante é que os dois confirmam a safadeza. Não adianta a Dilma Iolanda espernear, ela vai para a cadeia (João, versículo 2).

  2. Na dúvida pro réu. Assim é o direito. Se houve um desencontro nos depoimentos dos delatores, certamente o advogado vai requerer a anulação de todo o processo.
    Como para a acusação é exigido que todas as vírgulas e pontos estejam devidamente colocados,
    para a defesa qualquer pé de galinha, proporciona um banquete.
    É só pedir a ambos que esclareçam as dúvidas e dai sejam tiradas as conclusões.

  3. Na época o serviço secreto americano estava espionando a corrupção brasileira.
    -Quem sabe não terão alguma escuta gravada?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *