Advogados de Lula “inventam” que a ONU estaria apoiando o ex-presidente

Resultado de imagem para cristiano zanin advogado

Zanin, advogado de Lula, quer disputar o troféu Piada do Ano

Deu no UOL
(Agência Estado)

Advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) divulgaram nesta quarta-feira (26) uma nota afirmando que o Acnudh (Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos) aceitou, preliminarmente, uma petição que afirma que o petista teve seus direitos humanos violados pelo juiz federal Sergio Moro, responsável por processos da Operação Lava Jato na primeira instância. A petição foi protocolada pela defesa de Lula em julho deste ano.

Ainda segundo a nota, o governo brasileiro foi intimado a apresentar “informações ou observações relevantes” sobre o caso em até dois meses.

Entre as violações apontadas pela petição movida pela defesa de Lula estão a condução coercitiva à qual ele foi submetido em março deste ano, a divulgação de gravações de conversas telefônicas nas quais Lula, seus familiares e funcionários do Instituto Lula apareciam e a suposta antecipação de “juízo de valor” por parte de Moro em relação a Lula antes de um julgamento propriamente dito.

GROSSEIRAS VIOLAÇÕES – “Avançamos mais um passo na proteção das garantias fundamentais do ex-presidente com o registro de nosso comunicado pela ONU. A data é emblemática porque justamente hoje nos encontramos em Boston, para discutir o fenômeno do ‘lawfare’ com especialistas da Universidade de Harvard. É especialmente importante saber que, a partir de agora, a ONU estará acompanhando formalmente as grosseiras violações que estão sendo praticadas diariamente contra Lula no Brasil’, diz a nota assinada por Cristiano Zanin Martins, um dos advogados do petista.

PETIÇÃO REGISTRADA – O Instituto Lula, ONG chefiada pelo ex-presidente, também divulgou uma carta da ONU sobre o caso. A carta divulgada pelo instituto afirma que a petição movida pela defesa do ex-presidente foi “registrada”. O documento também informa que uma cópia da petição foi enviada ao governo brasileiro com o “pedido de que qualquer informação ou observação a respeito do tema da admissibilidade da comunicação” deve ser encaminhada às Nações Unidas em até dois meses.

Para Zanin, Lula está sendo vítima de uma espécie de “lawfare”, ou “arma de guerra”, em que é eleito um inimigo e a lei passa a ser usada ou manipulada contra aquele definido como tal. De acordo com o advogado, a estratégia prevê, entre outras práticas, a “manipulação do sistema legal”, a “promoção da desilusão popular” e a “acusação das ações dos inimigos como imorais e ilegais”– técnicas que, segundo Zanin, estariam sendo empregadas contra Lula e a família.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Os advogados de Lula certamente pensam que todos os brasileiros são imbecis. Querem que acreditemos que “a partir de agora, a ONU estará acompanhando formalmente as grosseiras violações que estão sendo praticadas diariamente contra Lula no Brasil”. É muita desfaçatez querer manipular uma nota oficial da ONU que não di absolutamente nada. Apenas informa que a denúncia foi recebida, somente isso. O resto é tudo invenção do advogado, genro de Roberto Teixeira, um “compadre” de Lula que também está sendo investigado pela Lava Jato. A nota do Instituto Lula foi muito mais comedida e verdadeira, sem manipulações. (C.N.)

6 thoughts on “Advogados de Lula “inventam” que a ONU estaria apoiando o ex-presidente

  1. ONU manda Lula para o fim da fila

    Brasil 27.10.16 06:40
    A ONU, nesta quinta-feira, desmontou a patacoada dos advogados de Lula.

    Leia a reportagem de Jamil Chade, do Estadão:

    “A ONU explicou que a decisão envolvia um ‘registro’ do caso.

    ‘Isso não implica uma decisão nem sobre sua admissibilidade e nem sobre mérito’, indicou uma nota enviada pela porta-voz da entidade, Elizabeth Throssell. ‘Significa apenas que o Comitê de Direitos Humanos olhará o caso’”.

    E mais:

    “Peritos da ONU admitem que o exame de conteúdo do ex-presidente pode ficar para o final de 2017. Um tratamento urgente poderia ter sido dado à queixa, mas isso não foi autorizado”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *