Afinal, o que Joaquim Barbosa pretende ao condenar o impeachment?

Quem consegue entender as oscilações de Barbosa?

Francisco Bendl

A política brasileira foi tão violentada pelo PT, tão humilhada, que os inimigos imperdoáveis que o partido tinha antes de assumir o poder, após a primeira eleição de Lula, acabaram se tornando aliados, amigos íntimos e até mesmo conselheiros. O ex-presidente José Sarney, por exemplo. Ou o ex-governador Paulo Maluf, que era o demônio em pessoa e depois se aliou (?!) a Lula e ao PT, ajudando a eleger Fernando Haddad à prefeitura de São Paulo, Sem falar no ex-presidente Fernando Collor, que passou a apoiar o partido que mais exigiu seu impeachment em 1992.

E os banqueiros? O PT os considerava a elite mais perniciosa, mas acabou se associando a eles, sem qualquer pudor, e o partido tido como esquerdista se vendeu ao liberalismo mais doentio e odioso, representado pelas grandes empreiteiras.

ALIANÇAS ESPÚRIAS

Não de pode esquecer que o PT celebrou as alianças mais espúrias com partidos antes inimigos, com os quais os petistas jamais sonhariam em dividir o governo, como fizeram depois de terem chegado ao poder.

Nessas alturas, deve ser normal assistir ao o ex-presidente do Supremo Joaquim Barbosa alegar que a presidente Dilma Rousseff é inocente e o impeachment representa uma violência contra democracia.

E por que isso está acontecendo?! Simples, No início, o PT apostava em gente nova, além de Lula. Agora, o ex-presidente vai para a cadeia. Fernando Haddad tem a sua popularidade abaixo do rabo de cachorro. A senadora Gleisi Hoffmann está sendo acusada no Supremo junto com o seu esposo, o ex-ministro Paulo Bernardo.

O QUE BARBOSA QUER?

O PT não renovou os seus quadros e está sem candidato. Portanto, um nome como Joaquim Barbosa, ex-ministro do STF e com um bom conceito junto à sociedade, sacudiria as próximas eleições. Ou alguém pode me dizer as razões pelas quais o ex-ministro Joaquim Barbosa deu estas declarações tão sem sentido, contra o impeachment de Dilma Rousseff?

Ou Barbosa quer entrar na política ou está tomando os mesmos medicamentos de tarja preta receitados para sua amiga Dilma.

62 thoughts on “Afinal, o que Joaquim Barbosa pretende ao condenar o impeachment?

    • Caro Lionço,
      Tudo bem contigo?
      E a saúde?
      Te cuida, meu!
      Obrigado pelo comentário, mas eu também não entendi a decisão de Barbosa afastar-se imediatamente do STF.
      A meu ver, não suportou as pressões do PT, as críticas pesadas que o partido e dirigentes lhes faziam, então deu no pé!
      Não foi covardia, não, mas omitiu-se de se envolver mais amplamente no processo político do Brasil após o julgamento do mensalão, deixando que a sua imagem perdesse uma boa parte da confiança que a sociedade nele depositara.
      Um abraço, Lionço.
      Saúde e Paz!

      • Desculpe discordar, caro Bendl, mas ele foi covarde traiu a confiança que o povo depositava nele. Num momento em que necessita vamos de aliados nas altas esferas, ele nos abandonou.
        Mas o mal dele é o mesmo que condenou a Dilma, a arrigancia, do contrário vetua o ridículo das últimas declarações.

        • Minha querida Teresa,
          Aceito as tuas explicações para qualificar a atitude de Barbosa como covardia.
          No entanto, apesar de o povo confiar no magistrado, também deve compreender que ele poderia ter outros compromissos consigo mesmo, que o impediram de levar adiante o desejo de seus admiradores.
          Agora, certamente Barbosa perdeu o cavalo encilhado que estava à sua espera para ser montado, indiscutivelmente.
          Por outro lado, minha cara, entenda que usei um eufemismo, de modo a não ser tão direto.
          E, mais uma vez concordo contigo quanto à arrogância do ex-ministro, conforme inclusive relatos do Pimentel, abaixo, que dão conta que Barbosa era mesmo um tanto truculento e agressivo quando não gostava de algumas perguntas ou de pessoas.
          Obrigado pela tua participação, Teresa.
          Um abraço caloroso.
          Saúde e Paz!

  1. CARO BENDL, ASSINO EM BAIXO, Fica dificil compreender, foi sacaneado pelos ministros do stf, representantes do PT, e vem com essa!?
    Mais uma ESPERANÇA enterrada, o PT é DELETÉRIO, inocentar DILMA, que usou e abusou da governança, que colocou o BRASIL a beira do abismo, busco entende, mas….não consigo, a que ponto pode chegar o ser humano, com cabedal juridico, que um dia Presidiu o stf.

    • Meu querido Theo,
      Diz aquela máxima de Pascal que, o coração tem razões que a própria razão desconhece.
      Sabe-se lá o que não está passando pela cabeça de Barbosa para ele vir em defesa de Dilma!
      Na verdade, meu caro amigo, a política é a arte do engano, da mentira – pelo menos a nossa, a brasileira -, e quem pode dizer que o ex-ministro do STF não tenha sido contagiado pelas emoções que esta “arte” proporciona?
      Agora, demonstrar tanto interesse pelo PT é de surpreender, ainda mais depois de tantos guascaços que Barbosa sofreu dos petistas, pois foi humilhado, ofendido, agredido, e surgir repentinamente com declarações tão discutíveis como estas.
      Um forte abraço, meu caro.]Obrigado pelo comentário, Theo.
      Saúde e Paz, meu amigo.

      • Virou petista! Ou já era? Saudades grandes dos holofotes.
        Na ocasião do mensalão era bom para ele se posicionar contra o PT – tinha holofotes. Agora é preciso ir contra o Temer para ter holofotes. Mas está desacreditado. Não acredito em perseguição, ameação de morte, sacaneio, nada disso!

        • Querida Carmen,
          Bom Dia!
          Pois é, quem diria!
          Barbosa parece que se bandeou para o lado daqueles que mais o maltrataram, ofenderam, agrediram e o repudiaram na sua vida, o PT!
          E, agora?
          Ainda bem que desistiu na hora “H” em ser candidato à presidência, haja vista que seria eleito facilmente, e teríamos outra grande decepção.
          Por outro lado, também pode ter sido falta dos “spots”, então nada melhor que declarações bombásticas, polêmicas, que sacodem a opinião pública.
          Obrigado pelo comentário, Carmen.
          Um abraço.
          Saúde e Paz!

    • Caro Guilherme,
      Barbosa se notabilizou no processo do mensalão.
      Agiu com rigor e determinação, inclusive teve célebres confrontos com alguns de seus pares escancaradamente simpáticos ao PT.
      Fora desse caso, Barbosa jamais se mostrou um juiz diferente dos demais.
      No entanto, não podemos deixar de lhe atribuir a isenção e imparcialidade enquanto membro da nossa Alta Corte, o que lhe assegura o respeito de todos nós pela qualidade da função desempenhada.
      Muito obrigado pelo texto.
      Um abraço.
      Saúde e Paz!

  2. O cavalo passou encilhado pela frente do Barbosa e ele não montou.
    Agora que o cavalo disparou, passou a correr atras. É muito tarde, com essas opiniões extravagantes, só vai conseguir queimar o próprio filme. Já era, não vai arrumar mais nada.
    Vai se tornar o “beato salu” da política.

    • Zé da Zica,
      Concordo plenamente com as tuas observações, pelas quais agradeço.
      Barbosa perdeu o trem da história e, agora, com esta entrevista, demonstra estar confuso em seus conceitos, inquestionavelmente, logo, foi até bom que não fosse passageiro deste comboio, como dizem os meus amigos lusitanos, pois poderíamos ter um político como os demais, que hoje dizem sim e outro dia irão dizer não, alterando seus comportamentos de acordo com seus interesses e conveniências.
      Um abraço.
      Saúde e Paz!

    • Pois é…
      E será que será investigada a origem dos U$$$ usados na abertura de contas com a Mossad Fonseca no chamado Panama Papers, cuja parte foi utilizada para compra de um apto na Florida?
      Na época o juiz disse que o dinheiro saiu de sua conta do Banco do Brasil (só que não apresentou provas disso – ou porque não quis ou porque considerou que não deveria) mas o Jornal Miami Herald dá outra versão
      http://www.miamiherald.com/news/business/real-estate-news/article69248772.html

      A reportagem do jornal Miami Herald afirma, que Barbosa pode ter *ganho* o apartamento num condomínio de luxo e diz que sua transação foi totalmente inusual. O jornal chega a essa conclusão porque não houve pagamento de nenhum imposto na transferência – que seria no valor de U$ 2000. O Miami Herald faz a ressalva de que o vendedor apresentou a cópia de um contrato com pagamento em espécie de US$ 335 mil.
      Vai saber o que tem na sombra de tudo isso…

      • Hierofante,
        Não abordei essa questão.
        Mantive-me limitado sobre as declarações a respeito do impeachment e de querer nova eleição para presidente da República.
        Problemas particulares de Barbosa não foram alvos dessa entrevista.
        Obrigado pelo comentário.
        Saúde e Paz!

  3. …bão, até que trazia duas pastas/arquivos acompanhando este ex-ministro e uma futura eterna candidata à presidência(marina); mas, pelo andar da carruagem, meus burricos ficaram mancos, a carroça entortou e tive que deletá-los…plausível pensar que o PT possa vir a fazê-lo sassá mutema, salvador da pátria

    • Pois foi a minha ideia, Jerico, diante da falta de candidatos pelo PT, a maioria ou presa ou absolutos incompetentes.
      Assim, os petistas precisam urgentemente de pessoas novas em seus quadros, e que sejam conhecidas nacionalmente.
      Ora, como os parlamentares estão mais “sujos” que pau de galinheiro, a saída é recorrer àquelas pessoas que não são políticas profissionais, e Barbosa se encaixa perfeitamente neste particular, CASO o ex-ministro esteja pensando em se eleger e, o PT, o tenha lhe convidado, claro.
      Agradeço o comentário.
      Um abraço.
      Saúde e Paz!

  4. Micha Elis,
    Verdade absoluta que, “muitas vezes, o inferno é possuir um talento que não se poder usar”.
    Perfeito.
    Barbosa teria o talento que se esperaria dele, caso eleito presidente da República?!
    Ou sucumbiria aos políticos matreiros deste Brasil?!
    Com essas declarações, certamente o ex-ministro se Chefe do Executivo fosse, teríamos uma administração muito insegura, instável, sem confiança.
    Assim, talento e vocação devem estar a serviço da virtuose, e não como mera propaganda pessoal como se houvesse capacidade para desempenhar qualquer tarefa, mesmo que desconhecida.
    Exemplo:
    O nosso caro dr.Béja é um pianista, pois teve talento e vocação para estudar piano, ler as partituras, entender a música em suas notas, compreender o instrumento e funções das teclas brancas e pretas e, desta forma, nos deliciar com os acordes belíssimos das canções advindas do som incomparável do piano (ainda vou ouvir pessoalmente o dr.Béja tocando Claire de Lune, de Debussy).
    Igualmente, o célebre advogado se tornou um dos melhores profissionais do ramo, exatamente pelo seu talento e vocação para o Direito.
    No entanto, não poderíamos afirmar que o eminente dr.Béja teria sido um excelente piloto de carros de corrida, pois nunca o vimos pilotar um “bólido”.
    Mal comparando, se Barbosa foi um excelente juiz no STF, tínhamos somente a esperança que, no Planalto, desempenharia com a mesma capacidade a presidência da República.
    Como vimos, ainda bem que apenas imaginamos esta possibilidade, pois em seguida o magistrado iria nos decepcionar com as suas mudanças de ideias e pensamentos neste sentido, conforme a entrevista de agora.
    Um abraço.
    Saúde e Paz!

  5. Sinceramente, pouco me interessa a opinião de alguém que poderia ter feito muito pelo país e não quis. Seu nome estava sendo pedido pelos brasileiros de bem. Preferiu não ser mais vidraça, ok, direito dele, mas não me queira exigir a crença de que está preocupado com a nação.

    • Ângelo Nunes,
      Perfeita a tua colocação!
      Barbosa não se mostra preocupado com o Brasil, mas quer deixar a sua interpretação sobre o impeachment que, além de absurda, não tem respaldo logo na Constituição, que é a eleição para presidente nesse meio tempo de se julgar no Senado o afastamento de Dilma em definitivo.
      Decididamente não é contestando AS LEIS, que Barbosa será ouvido, ao contrário, se antes era o PT quem lhe fazia uma odiosa oposição, nesse momento é o povo que lhe faz objeções por esta forma de pensar a respeito de tão grave momento, e que se está seguindo À RISCA o rito sobre o impeachment da senhora Dilma Rousseff.
      Grato pelo texto.
      Um abraço.
      Saúde e Paz!

    • Tarciso,
      Foi exatamente o que escrevi acima.
      Se imaginávamos que Barbosa poderia ser um bom presidente da República por conta da sua atuação no STF, teríamos errado solenemente.
      O ex-ministro não seria um político que esperaríamos, decente, honrado, probo, competente. Não que fosse desonesto e corrupto, não, longe disso, mas não saberia como agir na função que exigiria talento e vocação para acordos, diálogos, discussões, debates, tolerância, renúncia, em prol do bem comum e do Estado.
      Portanto, vê-se claramente com essa entrevista, que Barbosa meteria os pés lelas mãos se tivesse sido eleito, e estaríamos hoje impedindo Barbosa de seguir presidente, no lugar de Dilma.
      Obrigado pela participação.
      Um abraço.
      Saúde e Paz!

  6. Barbosa não suportou as pressões e agressões do Komintern Petista. Direito dele claro. Não se pode negar a eficiência do estrago que ele fez na máquina de corrupção do governo, no julgamento do mensalão. Cansou dos ataques e voltou para a vida intelectual e assumiu o papel de pensador. Porém, para ter sucesso neste métier é necessário uma guinada à esquerda, caso contrário será boicotado e, nos teatros, vernissages e afins, não terá sorrisos e luzes da burguesia iluminada. É a lei monocórdia da nossa academia gramsciniana.

  7. Prezado José Aranha,
    Tens plena razão.
    Independente do fracasso da esquerda pelo mundo, esta tendência política domina o Brasil atualmente.
    Na hipótese de Barbosa sonhar em ser um parlamentar ou que já tenha sido até convidado por alguma agremiação, a sua plataforma e divulgação pessoal deverão obedecer esta guinada à esquerda, se quiser aspirar alguma chance política.
    Entretanto, assim como foi pulverizado pelo PT por ocasião do mensalão, possibilitará que algum opositor que deteste a esquerda, o acuse de defensor de desonestos, ladrões, corruptos, traidores do Brasil, pois são essas as características dos petistas, dos comunistas aliados do PT, que quebraram a Petrobrás e quase faliram com o País!
    Se por um lado a ultrapassada esquerda virou moda no Brasil, por outro também é sinônimo de bandidagem, de predadores do erário, de roubar fundos de pensão, e transformar estatais em fontes de receitas para o partido e dirigentes petistas!
    Em outras palavras:
    Se da direita ou da esquerda, as críticas são contundentes. A solução é se apresentar fora deste círculo vicioso, cuja história confere que muito mais importante é ser honesto, condição que ambas as formas de política não se mostraram ainda capazes de exercer este pressuposto fundamental à presidência da República, razão pela qual entra e sai Chefes do Executivo e continuamos nesta mesma situação decepcionante.
    Obrigado pelo comentário.
    Um abraço.
    Saúde e Paz!

  8. O Barbosa pensara quando aposentou-se que desvendara e condenara os membros do que seria o maior caso de corrupção da história do Brasil, assim poderia entrar “prela” ao sair do STF.

    Embora tenha assertivado que o PT era uma organização criminosa, ou achou que matara a jararaca de 13 cabeças, ou que, pelo menos, a enfraquecera.

    Ledo engano, nem ele entrou pra história, nem a jararaca fora morta, mas tão somente levemente ferida.

    Creio que a explicação seja no âmbito do “Freud explica”: inveja dos jurisconsultos mais graduados pela eficiência, firmeza e desprendimento da velha (in)justiça das elites criminosas e, ainda, pelo corolário fim das mordomias dos que são ou poderiam vir a ganhar o dindim fácil por defender bandidos bilionários “meretissimamente” perdoados pelos mais elevados e dotos juizes, notadamente, das últimas instâncias, cuja cegueira é de um olho só: o que vê os menos afortunados e praticantes de crimes típico do populacho.

    Creio que o Joaquim viu frustrados seus planos futuros em todos os 13 sentidos.

    Quem, hoje, face ao Moro, quer Joaquim presidente!?

    • Prezado Delcio Lima,
      Se compararmos Barbosa com Moro, apesar de ambos serem juízes – Barbosa agora está aposentado -, o paranaense se destaca como o magistrado que desenrola o novelo da corrupção, que mostra ao Brasil os apertados nós existentes entre empresários ladrões e sonegadores com membros do Legislativo e Executivo corruptos e desonestos, ambos a serviço da deterioração do País e do povo!
      Indubitável que Moro precede Barbosa, se ambos se candidatassem à presidência, apesar de não sabermos se nesta função teriam a qualidade que mostram como magistrados, é bom lembrar.
      Obrigado pelo comentário.
      Um abraço.
      Saúde e Paz!

  9. Creio que a explicação seja no âmbito do “Freud explica”: inveja dos jurisconsultos mais graduados pela eficiência, firmeza e desprendimento da velha (in)justiça das elites criminosas explicitada na teoria e na práxis, pelo Moro,e, ainda, pelo corolário fim das mordomias dos que são ou poderiam vir a ganhar o dindim fácil por defender bandidos bilionários “meretissimamente” perdoados pelos mais elevados e dotos juizes, notadamente, das últimas instâncias, cuja cegueira é de um olho só: o que vê os menos afortunados e praticantes de crimes típico do populacho.

    • Martinelli,
      A NOSSA lista é pequena, e cabe na palma da mão.
      Concordo que essas declarações de Barbosa o excluíram da minha lista de “espera”, pois não era efetivo, e agora muito menos.
      Eu o tive em pensamento como candidato enquanto havia o mensalão, mas a sua aposentadoria mais cedo que o necessário, apesar de ter direito à concessão, apresentou um cidadão que não se envolveria com o país e povo, deixando a desejar neste sentido.
      E corrobora que eu o tivesse deixado de lado esta entrevista, contrária às leis e à própria Constituição Federal.
      Obrigado pelo texto e participação.
      Um abraço.
      Saúde e Paz!

  10. O pior, caro Bendl, foi Barbosa usar dizer que “Temos um problema sério de proporcionalidade, pois a irresponsabilidade fiscal é o comportamento mais comum entre nossos governantes em todas as esferas. Vejam a penúria financeira dos nossos Estados, o que é isso senão fruto da irresponsabilidade orçamentária dos governadores”, como argumento, como o fez semana passada em um evento em São Paulo.

    Ora, ele, mais que ninguém, sabe perfeitamente que “irresponsabilidades orçamentárias” são crimes e que não é pelo fato delas serem corriqueiras que vão deixar de sê-lo.

    • Caro amigo Froes,
      Barbosa foi contraditório nesta entrevista.
      O que antes defendia, agora ataca e, o que antes criticava, agora elogia!
      Concordo plenamente contigo que roubar dez reis ou dez milhões o crime foi o mesmo, apesar da diferença abismal de valores.
      Assim, os bilhões de Dilma e os milhões dos governadores devem ser punidos, e se ainda os Chefes de Executivos estaduais continuam soltos, que investiguemos profundamente os Tribunais de Contas de cada Estado, simples.
      Agora, querer minimizar os crimes de responsabilidade da presidente afastada porque os demais não foram sujeitos ao processo de impeachment, definitivamente estamos diante de uma falácia, que deve ser contestada séria e plenamente, o que estamos fazendo, meu caro amigo Froes.
      Obrigado pelo comentário, sempre oportuno e adequado.
      Um forte abraço.
      Saúde e Paz!

  11. Caro Francisco Bendll, Estranho muito estranho,esse posicionamento Drº Joaquim Barbosa……
    Mas,com todo respeito ao seu brilhante comentário. Quem está tomando remédio tarja preta,sem ironia,
    somos nós,e faz tempo,que estamos tomando……
    Pior,os doutores Temer/Meireles,promete doses cavalar. ,
    ao pessoal do andar de baixo,(estado pobre),estado rico
    continuará próspero com as mesmas benesses….
    Pelo,jeito PLATÃO era um alienígena,com suas teoria das idéias,princípios e demiurgo,sua “a república”..

    • Meu amigo e conterrâneo Luiz Fernando,
      Obrigado pelo texto e participação.
      De fato é estranho o posicionamento político de Barbosa, que desconsidera o rito do impeachment e da forma como se encontra na Constituição, que está sendo obedecido à risca.
      Assim, o ex-ministro agride seus pares, ofende o Legislativo, e nos deixa perguntando qual seria a sua intenção a respeito de suas declarações!?
      Se foi em busca de holofotes, conseguiu.
      Se foi para criar polêmica, obteve sucesso.
      No entanto, a meu ver, de nada lhe foram úteis tais considerações, pelo contrário, Barbosa se mostra confuso e uma pessoa que muda de opinião facilmente.
      Um forte abraço, meu caro.
      Saúde e paz!

  12. O ex-Presidente da Suprema Corte de Justiça Dr.JOAQUIM BARBOSA, apesar de Temperamento muito forte, a meu ver, é uma das cabeças Políticas mais lúcidas do Brasil.
    Ele sempre criticou nosso caríssimo e ineficiente SISTEMA POLÍTICO, indutor de muito de errado do que está aí. Ele sempre propugnou antes, uma REFORMA POLÍTICA nos moldes de: Voto Distrital Puro, Voto Facultativo, Cláusula de Barreira dura, Mecanismo de recall de Eleitos, etc,etc. Mas ninguém “dá bola para isso”. O POVO foi as ruas pedindo “Troca de chefe do Executivo”, e nenhum cartaz de REFORMA POLÍTICA PARA MELHOR, ANTES.
    Então ele viu que mesmo na hipótese de ser eleito Presidente da República, dentro desse SISTEMA POLÍTICO, seria completamente REFÉM dos +- 32 Partidos Políticos na Ativa e de mais uns 30 na linha de montagem, e se não praticasse “com vontade” a Política do “É dando que se recebe, e tudo o que vem junto” , seria Impeachado em 2 tempos.
    Ele sabe que nossa situação Política é semelhante a disputar uma corrida de Fórmula UM com um VW-1200 ano 1970. Não é trocando a Pilota, sem antes trocar de carro, que temos chance de ganhar a corrida. Abrs.

    • Mestre Bortolotto,
      Obrigado pelo comentário e participação notadamente importante, haja vista as tuas manifestações indiscutivelmente pertinentes e oportunas.
      Deixando de lado esta entrevista e críticas de Barbosa sobre o impeachment, além de sua ideia sobre eleições a presidente sem que haja respaldo legal para tanto, concordo contigo quanto à pessoa do ex-ministro e sua inteligência.
      Justamente pela sua lucidez que comentaste, que estranhei as declarações do magistrado, pois contrariam suas qualidades e posicionamentos antes conhecidos e elogiados.
      Ainda mais, mestre, se Barbosa mudar os seus conceitos para disputar uma corrida de de carros onde os pilotos não obedecem regras algumas, caracterizando-se como sujos e agressivos, traiçoeiros e pouco se importando se ocasionarem acidentes mesmo com vítimas!
      Ora, as convicções de Barbosa deveriam servir como balizas para não competir com desonestos nas formas e maneiras como esses partem para as disputas, mas manter-se mesmo dentro de um fusca 70 e motor de 1.200 cilindradas, pois a questão não é potência e velocidade, mas honestidade e caráter!
      E, inversamente à tradição de corruptos disputarem a presidência, Barbosa mesmo a bordo de um carro ultrapassado e lento, chegaria à frente de seus opositores.
      Mas não pode mudar seus conceitos, sob pensa de ser mais um a nos enganar, a mentir, e nos iludir.
      Um forte e caloroso abraço, mestre Bortolotto.
      Muita saúde e paz!

  13. Amigo Bendl,
    Para começo de conversa creio que ao Brasil, como relator da AP370 ,Joaquim Barbosa demonstrou ser possível acreditar no fim da impunidade. Em segundo lugar , ele nos faz acreditar em meritocracia como mainstream da sociedade , pois sozinho, queimando as pestanas sobre livros em bancas públicas , venceu a maior das desigualdades brasileiras :
    a educacional. Ao ser indicado, em 2003, para a mais alta corte do país, não teve padrinhos além do currículo, onde graças ao próprio esforço era fluente em quatro idiomas , doutor em direito público pela Universidade de Paris II e com especializações nos EUA .
    Porém Joaquim acumulou polêmicas no tribunal ,com vários colegas ,entrou em confronto com entidades de magistrados e manteve uma tensa relação com advogados e jornalistas durante sua trajetória na ribalta.
    Lembro que Marco Aurélio, acusado pelo atrevido de desconhecer o vernáculo quase o convidou para um duelo, que Gilmar Mendes
    ” mantinha capangas em Matogrosso”, que o Peluso foi chamado por ele , em uma entrevista, de caipira , corporativista e tirânico.
    Durante o Mensalão , enquanto acabava com os bandidos petistas, nos lavava as almas acusando o Lewandowski de deslealdade e – é claro ! – se negando veementemente a se retratar. Dá-lhe , Joaquim! E olhe que ainda teve tempo , antes de jogar a toalha , de chamar de “votos políticos ” algumas das obscenidades fora da curva que passaram a serem proferidas por Luís Roberto Barroso , mais especificamente quanto aos embargos infringentes e ao crime de quadrilha dos mensaleiros petistas sem chefia.
    Porém, o Barbosa já não nos pareceu tão equilibrado ao expulsar do plenário o advogado Luiz Fernando Pacheco, que defendia o José Genoíno, nem ao criticar ,em diversos momentos , magistrados e advogados, os quais, em
    ” conluios” e agiam de forma “sorrateira” para a aprovação daquela Proposta de Emenda à Constituição que autorizava a criação de novos tribunais no país, abominados por Joaquim por acreditar que gerariam gastos desnecessários ao Judiciário.
    Questionado por associações de magistrados e pela imprensa por ser sócio de uma empresa nos Estados Unidos , usada por ele para comprar um apartamento em Miami, respondeu que o comprara com o seu dinheiro, legalmente , mas fez questão de acrescentar que não tinha contas a prestar a esses “politiqueiros”
    En passant acusou o Itamaraty de ser uma das instituições mais discriminatórias do Brasil – fora reprovado no concurso para diplomata – e apelidou o TCU de ” playground de políticos fracassados que querem uma boquinha”.
    De todas os exageros retóricos , nenhum me chocou mais nos famosos entreveros com
    jornalistas do que ouvir Joaquim Barbosa mandando um repórter do jornal Estadão “chafurdar no lixo como você faz sempre.Palhaço!”
    Menos! Muito menos! Graças a Deus os heróis neste país têm vida breve!
    Em nada me surpreendi com as recentes declarações do jurista sobre o impeachment.Afinal , desde o início do processo, no Twitter ele vem classificando como arbitrário o ato de Eduardo Cunha ao acatar o pedido mesmo que , do ponto de vista jurídico, ressalte que não vê problemas no andamento do procedimento.Como assim?
    Joaquim Barbosa passou a emitir opiniões políticas – um inegável direito – só que por “politiqueiras” , elas passaram a ser ambíguas e de natureza , por óbvio , popular.
    Ele afirma que o impeachment é uma bomba ,
    , que o impeachment é destituído de “legitimidade profunda” , que não é assim que se governa um país, que a palavra deve ser dada ao povo, que os brasileiros não são boçais.
    Só que , na mesma bathora e no mesmo batcanal , o nosso ex-herói da capa preta declara alto e bom som:
    ” O meu pensamento não acompanha o pensamento da turba”.
    Oi?
    Barbosa não nos convence com suas dúvidas sinceras sobre o impeachment , ou nas analogias que faz entre o processo e a ditadura militar , “quando o povo só assistiu”.Parece que estava em Marte quando seis milhões de membros do coletivo povo, pintou de amarelo o asfalto do Oiapoque ao Chuí.O jurista defende eleições imediatas que sabe não serem constitucionais , acusa sem citar nome , o presidente interino Temer – o adversário oculto – de “tirar a presidente do cargo”, chama a votação na Câmara de bizarra, chora de vergonha ,e não perdoa o novo governo , que mesmo sendo a solução constitucional, trata-se de uma anomalia patética, que ele terá que engolir nos próximos dois anos até sair candidato seja lá para o quê.
    Joaquinzão está com vontade de politicar? Provavelmente sim. Para o PT? Aí não vai dar.
    Os adversários iriam buscar no Youtube todos os cumpanheiros esculhambando o seu candidato. Mas não lhe faltarão legendas.
    No meu entender , Joaquim começa mal o voo rasante para caçar sufrágios.Depois de tão longa sexta-feira 13 , o Brasil ficou com uma legião de pulgas atrás das orelhas em pé e com os dois pé atrás. Desconfia de quem faz a louvação de ditadores e torturadores , dos que cospem na cara de outros seres humanos, dos que gritam golpe e palavras de ordem , dos que rodam bandeiras , dos que queimam pneus e destroem o asfalto.
    Cansados e empobrecidos não mais queremos salvadores da Pátria , santinhos milagreiros, super heróis, monopolistas do bem e da justiça. Hoje desacreditamos em vestais.Cansam-nos a retórica e as promessas .Tivemos que encarar seus resultados trágicos .
    Precisamos de políticos honestos e equilibrados que falem sério,que nos digam coisa com coisa – de preferência concordando o sujeito com o verbo – que sejam bons gestores e administradores competentes , capazes de nomear os quadros certos para todos os cargos técnicos.De que outra forma nos devolveram sob a forma de serviços decentes os nossos altos impostos?
    Queremos governantes que conheçam a Constituição que juram cumprir, que tenham a noção de que a Lei é o limite da civilização. E – muito importante! – que odeiem e persigam e punam exemplarmente todo e qualquer liberticida.
    Finalmente preferimos que nossos dirigentes sejam absolutamente destituídos de carisma. O tal do carisma é uma praga abaixo do Equador! Quem tem carisma , via de regra, só pensa naquilo, na sua próxima eleição e não está nem aí para o futuro do supostamente tão querido povo.Chega de blábláblá.

    • Caro Pimentel,

      Muito obrigado pelo comentário ímpar, esclarecedor, uma resenha da trajetória de Barbosa quando no mensalão e suas posições e declarações de lá para cá, além do seu comportamento questionável em várias situações. Afora tu teres concordado comigo nas minhas observações, porém ampliando-as com as qualidades e propriedades que tu as têm, muito mais que este humilde escrevinhador.

      Dito isso, aplaudo e elogio a tua frase, que basta de salvadores da pátria e carismáticos, pois sabemos o resultado desses epítetos para o povo e Brasil!

      E não mais me estendo em elogios ao teu texto porque desnecessário, ratificando meus agradecimentos pela participação e relato sobre Barbosa, que dá mais sentido ao artigo e o complementa sobremaneira.

      Um forte abraço.
      Saúde e paz!

  14. Paulo2,
    Grato pela solidariedade, mas o comentarista acima não pensa diferente de mim, ele tem é birra comigo há muito tempo.
    Sei de quem se trata, pois a sua intenção não é criticar, mas atazanar, perturbar, e isto ele não consegue.
    Obrigado pelo texto, Paulo2.
    Um abraço.
    Saúde e Paz!

    • Jua,
      O momento de Barbosa passou, é isto?
      Pelo menos este, desta entrevista, não lhe foi promissor, quem sabe o futuro?
      Obrigado pela participação.
      Saúde e Paz!

  15. Um dia é sim, no outro é não, para em seguida voltar ao sim… Se fosse estudado como eletricidade, poderia ficar conhecido como: BARBOSÃO O CORRENTE ALTERNADA.

  16. Diniz,
    Esta tua comparação foi hilária e muito adequada ao mesmo tempo, de modo que possamos entender a posição atual de Barbosa sobre a política brasileira!
    Obrigado pela participação, e definição divertida a respeito.
    Um abraço.
    Saúde e Paz!

  17. Caro Bendl,
    Talvez você tenha razão. o Joaquim Barbosa sabendo que o PT não vai ter ninguém a altura para disputar as eleições, esta preparando terreno para 2018, começou a costear o alambrado, como dizia o inigualável Leonel Brizola.
    Abraços e saúde

    • Caro Jacob,
      Nesta área, da política, tudo é possível e impossível ao mesmo tempo!
      Muito obrigado pela participação e comentário.
      Um forte abraço, meu caro.
      Saúde e Paz!

  18. A que ponto chegamos, um ex-Ministro do Supremo ao dizer o que pensa vira alvo de criticas. Será que imaginam um pensamento único para o Brasil? Estou falando para o ar não me refiro a niguém.

  19. Sem eu me referir a quem quer que seja, mas tecer um comentário que não se pode criticar o pensamento alheio ou de um ministro ou de um advogado ou de um Juiz ou de um jornalista ou de uma pessoa como eu, sem beira nem beira, trata-se de uma enorme falácia!

    Interessante que o conceito de democracia para esses “críticos de críticos”, é amplo, e inclui a liberdade de se pensar diferente, de se ser irônico, e de usar palavras até mesmo mais contundentes!

    Evidente que esta concessão é exclusiva “deles”, mas proibida para o resto dos mortais, que se deve calar e não emitir uma palavra sequer sobre o enunciado de uma personalidade que veio a público externar as suas ideias sobre … política!

    Bom, se não se pode discordar de quem expõe seus pensamentos sobre esta arte do engodo e da mentira no Brasil, que é a política, então calemo-nos sobre democracia e liberdade de expressão, mesmo educada e respeitosa, não interessa.

    Agora, causa curiosidade extrema que, na razão direta que se critica quem ousou tecer comentários sobre conceitos os mais variados postados, portanto públicos, que o autor pode dizer o que pensa, mas não pode fazer o mesmo quem dele discorda!

    Então alegam e de forma pueril, que se quer o pensamento único, como se isto fosse possível em se tratando de seres humanos e políticos, justamente quem menos se deve ter confiança em suas palavras!

    E pouco me importa se o entrevistado foi membro do Supremo Tribunal Federal, a meu ver, pois tal distinção não lhe outorga INFALIBILIDADE, em consequência pode errar e de maneira clamorosa por que não?!

    Ou, lá pelas tantas, talvez esta crítica velada não seja em decorrência de Dilma estar sendo impedida de governar, e Barbosa discorda dessa prática CHANCELADA PELA CONSTITUIÇÃO, e acena com novas eleições, igualmente uma ideia que não encontra guarida legal?!

    Ou quem pode afirmar que esta reprimenda não tem vínculo com aliados da presidente afastada, e que a escolha em permanecer ao lado de uma Chefe do Executivo incompetente, e que se deixou levar pela corrupção e desonestidade do seu partido, o PT, tenha encontrado no ex-ministro – este crítico que fala para o ar, sem se referir a quem quer que seja – o apoio à sua tese que Dilma era honesta, e não deveria sofrer o impeachment?!

    Mutatis mutandis, e com a devida vênia, ratifico que Barbosa está errado quanto ao afastamento da presidente, e peca imperdoavelmente quanto a sugerir novas eleições para presidente da República, diante da falta absoluta de amparo legal às suas pretensões!

    Confirmo, desta forma, a inexistência de pensamento “único”, salvo se somente prevalecesse as ideias do ex-magistrado, no entanto, tais palavras não encontram o eco necessário para que o tom seja mais alto que a maioria de quem dele discorda, felizmente!

    E viva a legítima democracia, não a petista e de seus aliados, mas aquela que, “Democracia é o governo do povo, para o povo e pelo povo”, conforme assim ensinou Abraham Lincoln, no seu célebre Discurso de Gettysburg, em 19 de novembro de 1,863, e não do PT, para o PT e pelo PT.

    • Grande Bendl,
      O Orwell concordava com você:
      “Se a liberdade significa alguma coisa, será sobretudo o direito de dizer às outras pessoas o que elas não querem ouvir.”
      Vale para todos. Ponto parágrafo!
      E quem não sabe brincar , não deveria descer para o play.
      Abraço

      • Grande Pimentel,

        Muito obrigado!

        Ajudaste muito ao ampliar o conceito de democracia, que não é silenciar sobre a exposição de ideias mesmo de pessoas importantes, mas questioná-las com indagações pertinentes às mudanças que apresentaram depois de se conhecê-las através de posicionamentos políticos bem definidos.

        Caso de Barbosa, que investe contra seus pares e afirma não considerar legítima a posse de Temer mesmo em exercício, e não efetivo, e pede por novas eleições à presidência.

        Ora, não há por que haver silêncio ou deixar de contestá-lo, ainda mais que suas opiniões são pessoais, e não em nome do Supremo ou de qualquer outra instituição ou movimento.

        Outro abraço.
        Mais saúde e mais paz!

  20. Os militantes petistas detestam Joaquim Barbosa. Ou pelo menos detestavam até pouco tempo atrás, acusavam-no de condenar sem provas, de inventar o ‘inexistente’ mensalão, de estar agindo a mando de FHC, etc.. Infernizaram a vida dele até ele se afastar do STF. Agora estão encantados pelas críticas dele ao impeachment, feitas na condição de cidadão comum. Não seria surpresa se esquecerem de todos os ataques que fizeram a ele, e até dos livros escritos para provar a ‘inexistência’ do mensalão, para fazerem dele uma figura heróica. Coerência anda muito em baixa na política brasileira.

    • Pedro,

      Exatamente esta questão abordei no artigo em tela, a incoerência petista quando antigos opositores passam a ser aliados por interesses ou conveniências.

      Foi assim com Maluf, Sarney, Collor, e tantos outros “inimigos” do PT que, repentinamente, passaram a ser amigos íntimos!

      E será o caso de Barbosa, que de algoz dos petistas no mensalão será transformado em herói do PT, se continuar afirmando que discorda do impeachment, e alega ser correta nova eleição para presidente da República, e não reconhecer como legítima a administração de Temer, surpreendentemente!

      Obrigado pelo comentário, Pedro.
      Saúde e Paz!

  21. Realmente, como diz a garotada, ele “se acha”. Mas não é tudo isso, não. Deixou-nos na mão, no momento mais importante, sabendo que eles (não preciso dizer quem) não iam repetir o erro cometido em seu próprio caso e, principalmente, no do Fux. E foi o que levou à aceitação dos esdrúxulos embargos infringentes e à consequente revisão do julgado, no tocante ao crime de quadrilha, que, óbvio, existiu. Ou não houve mais um crime cometido por várias (mais de três) pessoas, em circunstâncias praticamente idênticas?
    Mas, não. Seu ego não lhe permitiu ficar um segundo que fosse sob a presidência de Lewandowski, como se este lhe pudesse fazer algum mal (nem a relatoria do “Mensalão” ia poder tirar de suas mãos).
    No mais, é bom que não exageremos na valorização de seu desempenho no julgamento, que foi apenas correto, tão firme quanto o caso estava a exigir.
    A rudez, as grosserias, fossem com jornalistas, advogados e até colegas ministros, eram perfeitamente dispensáveis. A dureza do tom, “idem”. “Fortiter in re, suaviter in modo” é a receita para autoridade não se converter em autoritarismo.
    A título de comparação, e sem pretender canonizar ninguém, muito mais efetivo o atuar do juiz Sérgio Moro. Este, sim, merece elogios pela discrição e sobretudo pela firmeza, principalmente quando se tem em conta que se trata de um simples magistrado de primeira instância (não um ministro do Supremo), em face de gigantes do mundo da Política e dos negócios.
    Enfim, melhor faria o rapaz se, bom mineiro, num momento tão complicado como o atual, guardasse a boca para comer farinha. Ideias tolas e tortas temo-las às toneladas.

    • Prezado Luiz Carlos Andrade,

      Obrigado pelo comentário.

      Concordo que Barbosa se expôs em demasia, e sem necessidade.

      E antes que venha alguém e me critique injustamente, não quero dizer que devesse ficar calado diante desta situação que nos encontramos, não é isso, mas o ex-ministro NÃO poderia criticar o processo do impeachment porque absolutamente constitucional e dentro das exigências do STF, e muito menos sugerir novas eleições se não constam em leis esta possibilidade.

      Se Barbosa fosse um cidadão que não tivesse sido do Supremo, seu Presidente, inclusive, tudo bem, mas o ex-magistrado foi da Alta Corte e continua sendo uma voz que devemos ouvir, diante da expectativa que falará de forma sensata, lúcida, e não da maneira como criticou o que está sendo feito legalmente, sem qualquer possibilidade de propiciar erros no rito do impedimento.

      Então, a minha crítica a quem deveria se portar com mais isenção e imparcialidade pelo que representa como personalidade, de um juiz, mesmo aposentado!

      Nessas alturas, vejo-me obrigado a concordar contigo que, se compararmos Barbosa e Moro – apenas quanto às suas atuações como juízes, evidentemente -, o paranaense não só tem sido mais efetivo contra o crime como tem sido mais discreto, mantendo-se longe da imprensa ou de declarações bombásticas.

      Um abraço, Luiz.
      Saúde e Paz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *