Afinal, para que existe uma organização como a OAB?

Francisco Bendl

O problema brasileiro atual tem sido a intenção dos governos em reescrever a História. Olha o caso da presidente Dilma, que pegou em armas para lutar contra brasileiros de modo a implantar uma ditadura nos moldes da cubana e não para retorno da democracia, como alegam seus áulicos.

Se queremos mesmo saber sobre a escravatura no Brasil, Londres possui livros e documentos que relatam com fidelidade como era o tráfico de negros da África para nosso País, até a forma como eram tratados pelos seus “senhores”.

Ora, uma comissão criada pela Ordem dos Advogados do Brasil para estudar como foi este processo dantesco, que nos envergonha pela maneira como escravizamos seres humanos no passado, simplesmente é algo demagógico, interesseiro e mal intencionado!

Como apurar a verdade após tanto tempo? Devemos é impedir que a escravatura continue mesmo dissimulada através do trabalho infantil, dos que labutam no campo, os cortadores de cana, na construção civil, enfim, nos setores econômicos em que o Brasil não possui interesse em fiscalizar com propriedade os casos que se multiplicam. Neste particular é que a OAB deveria se fazer presente de forma incisiva, mas ela se omite, e agora vem com esta proposta ridícula e sem sentido.

ONDE ESTÁ A OAB?

E os presos ainda detidos e que já pagaram as suas penas, onde está a OAB? E os presídios caindo aos pedaços, onde está a OAB? E as matanças entre os presos, onde está a OAB? E os assaltos às estatais pelos seus diretores nomeados politicamente, onde está a OAB?

E quanto aos precatórios que os Estados não pagam ou que levam anos e anos para ressarcir a vítima de seus erros, onde está a OAB? Por que a OAB não cria uma comissão para estudar a fundo o transporte coletivo no Brasil? E as licitações com as empresas de ônibus? Por que o sistema de transportes ele é tão mal servido à populaçao?

E quanto aos voos domésticos, onde está a OAB na proteção dos passageiros que têm suas viagens canceladas ou que não conseguem vagas no avião mesmo com o assento comprado? Por que a OAB não analisa os custos das passagens dos metrôs, por exemplo?Por que a OAB não estipula uma comissão permenente para analisar a gasolina e suas alterações? Por que temos de ter uma gasolina com 25% de álcool, e este combustível não baixa o preço? Por que a gasolina custando mais de 3,00 reais o litro?

Por que a OAB não tem uma comissão que analise o leite, constantemente adulterado? Os culpados de crimes contra o interesse público foram punidos?

Aliás, para que mesmo existe a OAB?!

37 thoughts on “Afinal, para que existe uma organização como a OAB?

  1. Bom, Bendl, a escravatura no Brasil pode até ter sido um processo dantesco, mas, toda escravatura que se preze é um processo dantesco. Não fomos nem “mais ruins” ou “mais bons” que qualquer outro povo nesse aspecto.

    Quanto ao resto (a OAB é o resto sujo do que já foi) estou de acordo.

    • Fróes,
      Por isso mesmo que resgatar o que foi a escravatura e, agora, mais de cem anos depois, haver a presunção que se escreverá a verdade definitiva a respeito, por favor!
      Aliás, concordo contigo quanto à escravização de seres humanos, independente da forma como é praticada, e dei alguns exemplos atuais que a OAB deveria se preocupar, e que não deixam de ser provas de existir ainda a escravidão em pleno século XXI.

      • Sempre houve escravidão, Bendl. Eis aqui:

        Gênese 12:
        13 Dize, peço-te, que és minha irmã, para que me vá bem por tua causa, e que viva a minha alma em atenção a ti.
        14 E aconteceu que, entrando Abrão no Egito, viram os egípcios que a mulher era mui formosa.
        15 Até os príncipes de Faraó a viram e gabaram-na diante dele; e foi levada a mulher para a casa de Faraó.
        16 E ele tratou bem a Abrão por causa dela; e este veio a ter ovelhas, bois e jumentos, servos e servas, jumentas e camelos.

        Se, ao menos, fossem “cervos & corças”, tudo bem. Até representantes do PT estavam lá, como se vê.
        Depois, bem, depois dizem que os egípcios eram os escravizadores … Capite ?

  2. Francisco Bendl, com argumento convincente mostra o que é a OAB hoje.
    A OAB está preocupada com coisas de menor importância: O presidente da
    comissão de proteção e defesa dos animais da OAB – RJ. sustentou que o combate ao sacrifício de animais em rituais religiosos, será uma das bandeiras
    do próximo ano. Sacrificar é matar, tanto faz em ato religioso como nos matadores
    oficiais. Não tenho religião, mas sou contra qualquer tipo de perseguição religiosa.
    UM grande abraço, e saúde meu amigo.

    • Jacob, meu amigo,
      Obrigado pelo comentário.
      A intenção foi esta mesma, de mostrar ao público que nos lê diariamente, o desperdício de uma organização de tanta importância quanto à OAB, que deveria estar se preocupando com o momento atual, e não sobre o pretérito.
      Um abraço, Jacob.

  3. Senhor Bendl, saudações,

    Deu para notar o esforço de vossa senhoria, em sua esplêndida análise, clareando a imensa demagogia perseguida sob o holofote da escravidão e a tentativa de cooptar a OAB para objetivos tanto mais dignos e nobres, mais adequados – como se um Robin Hood jurídico – consertando com o Direito, os muitos estragos detectados pelo ilustre articulista, com que concordamos e, infelizmente, só nos envergonham.
    .
    Sei não, senhor Bendl… na minha humilde opinião, como a UNE ,e outras entidades que já mereceram a confiança do povo brasileiro, a Ordem dos Advogados do Brasil, é hoje, mais um ramal, mau disfarçado, do governo e do Partido dos Trabalhadores… um retrocesso..

    Grande abraço.

    • Andrade,
      A meu ver, toda e qualquer entidade de representação classista deveria ter em seu estatuto a proibição de ser política e partidária.
      Pois a OAB, lamentavelmente, tem dado esta impressão, de o PT ser mais interessante que as questões brasileiras, onde ela deveria agir com rigor da sua representativivdade e significado junto ao estado democrático de direito e democracia!
      Obrigado pelo comentário.

  4. O Sr. FRANCISCO BENDL tem toda razão. A OAB deveria lutar para que o País desse a suas CRIANÇAS AFRO-DESCENDENTES, a melhor Educação possível. CIEPS nelas ( Nutrição – Instrução – Esportes, em 2 Turnos ), que é o melhor contra-veneno para a antiga praga da Escravidão. E melhor ainda, estender esse BENEFÍCIO, CIEPS , para todas as Crianças Brasileiras, principalmente as mais Pobres. Só assim haverá MOBILIDADE SOCIAL e construiremos um grande País de VERDADEIRA CLASSE MÉDIA.

    • Bortolotto, meu caro,
      Pois foi a minha intenção registrar a dispersão da OAB para fatos do passado, que não servirão para resolver os problemas do presente, e negligenciando as questões atuais, com graves consequências à vida nacional.
      Grato pelo teu comentário, sempre pontual e procedente.
      Um forte abraço, meu caro.

  5. Eu respondo: a OAB existe para avançar a moral gramscista de Direitos Humanos.
    A noção de Direitos Humanos é antiga e bem anterior ao comunismo. Vem da revolução francesa em 1889 onde publicou-se a carta com os direitos universais do homem.
    Mas dentro do comunismo, os “Direitos humanos” assumem uma roupagem inteiramente mágica e mentirosa.
    Dentro dessa categoria “mágica” criada pelos comunistas reside a armadilha que paralisa o cidadão de bem. Por que, afinal de contas, quem é contra os “Direitos humanos” é um monstro, correto? Aquele que comete crime contra os direitos do homem é um criminoso “ediondo”, este é o entendimento jurídico. De fato, o nosso código penal foi moldado dentro dessa concepção desde a aprovação da nova Carta em 1989.
    Ai reside o verdaedeiro Cavalo de Tróia da esquerda: quando o comunista fala em “Direitos humanos”, ele não está falando a mesma coisa que você, Ele está roubando um termo, uma idéia, uma concepção para subverte-lo dentro de uma lógica revolucionária comunista.
    Assim, por exemplo, para o comunista existem plenos Direitos humanos em Cuba, na Coréia do Norte, na China, por mais que para nós esses sejam de fato regimes brutais e ditatoriais.
    Por que a “lógica” de “Direitos humanos” do comunista pode incluir de fato qualquer coisa que o comunista julgue moralmente superior. Ele de fato está tentando implantar uma nova moral dentro da sociedade.
    Por exemplo: seu amigo gay brigou com você e você deu uma surra nele. Dentro da lógica dos “direitos humanos” comunista, você não cometeu crime de agressão somente: você cometeu um crime contra os “direitos humanos” por bater num homosexual, ainda que ele também tenha tentado te agredir.
    Dentro dessa lógica, pode também ser considerado “crime ediondo” o simples acender de um cigarro, o homem que bateu na mulher ou deu uma palmada no filho e, claro, o traficante de drogas que assassinou e destruiu vidas passando drogas mas levou um bofetão do Policial Militar.
    Por que se existe uma categoria que o comunista, especialmente o militante dos “direitos humanos” odeia é o militar que não é comunista.
    Ele sente ódio fulminante da farda que não é cubana, não é venezuelana, não é chinesa nem norte coreana.
    Assim sendo, coitados dos PMs brasileiros na mão da OAB e dos “Direitos humanos”
    Os “Direitos humanos” também servem para resguardar o comunista e o socialismo de qualquer tipo de criminalização. Dentro dessa lógica, o nazismo é uma abominação contra “os direitos humanos” (claro que é), mas o socialismo é louvável e digno de um “patamar superior” por perdoar os crimes do comunista em função da sua dignidade revolucionária.
    Você nunca verá a OAB pedindo Impeachment de um presidente comunista como a Dilma, por mais que seu governo seja o mais corrupto da história mundial (não estamos nem falando da história brasileira mais). A Dilma está desculpada por ser comunista.
    Mas ai do burguês maldito que “ouse” mexer com secretária ou com a recepcionista!

    • Ibis Luzia,
      Abordagem interessante fizeste com relação ao comunismo e a OAB.
      De fato, faz tempo que as vítimas da violência acusam os “Direitos Humanos” de defenderem o bandido, mas se esquivam quando precisam apoiar o policial que tombou morto em combate à delinquência.
      Nitidamente se constata uma inversão de valores neste aspecto, ao mesmo tempo que se percebe a tendência política de estar junto ao “povo” que, na ótica socialista/comunista, eternamente injustiçado.
      Quando alguém das forças repressoras e de combate ao crime é vítima de criminosos, venceu o povo que foi sempre perseguido, porém, o contrário, quer dizer que o sistema continua massacrando a população.
      Resultado:
      Aumento do tráfico de drogas;
      Aumento do contrabando de armas;
      Aumento da violência urbana:
      Impunidade para crimes de colarinho branco porq

      • Perdão, sigo com a minha resposta, agora completa:
        Ibis Luzia,
        Abordagem interessante sobre a relação entre o comunismo do PT com a OAB.
        De fato, contata-se há tempos que os Direitos Humanos inverteram seus valores. Tem dado muito mais importância à morte de bandidos que de policiais quando estes tombam na luta contra a delinquência.
        Tratar como corriqueiro o assassinato de elementos das forças repressoras e de combate ao crime, tem sido o desempenho dessas organizações que se dizem defensoras dos Direitos Humanos, contrariamente à solidariedade que empregam quando um bandido é morto porque enfrentou a polícia.
        Nitidamente há uma inversão de valores.
        Resultado:
        Aumento da violência urbana;
        Aumento do tráfico de drogas;
        Aumento do contrabando de armas;
        Aumento da violência doméstica;
        Aumento da violência nas escolas e dentro das salas de aula;
        Aumento da violência no trânsito;
        Aumento da impunidade nos crimes de colarinho branco porque são estes que financiam os partidos quando em eleições;
        Desrespeito às leis e às autoridades.
        Pois este quadro caótico seria exatamente aquele onde a OAB deveria intervir e veementemente, no entanto, opta de forma inexplicável e injustificável por cavar fatos centenários, enquanto faz ouvidos moucos à realidade atual, que subverte os valores e princípios de uma sociedade aturdida e confusa com os episódios políticos calcados na corrupção e desonestidade.
        Obrigado pelo comentário de grande valia para aumentar este debate sobre a Ordem dos Advogados do Brasil.
        (Eu pediria ao Newton que deletasse o comentário acima incompleto por erro meu, ao apertar uma tecla indevida, obrigado)

  6. Para cobrar anuidade! Até o dia 10/12/14 terei de pagar algo em torno de R$ 800,00. Baratinho, não? Sinceramente, me sinto assaltado quando pago a minha anuidade. Posso dizer com tranquilidade que, para mim, como advogado, a OAB não faria a mínima falta caso acabasse hoje. Ao contrário. Me aliviaria de ter de contribuir para com o nada. Contudo, anualmente sou obrigado a pagar o valor acima noticiado – algo bem contraditório para uma instituição que diz defender as liberdades!

    • Bruno,
      Obrigado por comentares sobre o tema em questão.
      Na condição de advogado, tu, melhor do que eu, claro, tens condições de abordar a OAB com propriedade.
      Se a criticas desta forma, então fico mais aliviado por me intrometer em uma organização que não é minha, pois não sou advogado, mas que o povo (então é onde me incluo) a considera negligente perante os problemas nacionais.
      A OAB é muito importante à estabilidade jurídica do Brasil, que se encontra desequilibrada com a atuação do STF, nitidamente petista!
      Deveria estar havendo protestos, ações na Justiça, publicações, reportagens protagonizadas pela OAB com referência à atuação do governo, que tem de todas as formas driblado a Constituição, cometido suas falhas graves, indo de encontro às leis vigentes porque está seguro quanto à sua impunidade.
      A OAB dá as costas para esses acontecimentos; não se importa com a ordem jurídica que, imagino, seja também a sua obrigação; não lhe aflige uma Suprema Corte amordaçada pelo Executivo.
      Nessas alturas, e foi a pergunta que deixei pendente, ela serve para quê?!

    • 99,99% dos profissionais liberais, atrelados obrigatoriamente as ENTIDADES CLASSISTAS COMO A OAB, não se sentem representados por elas e sonham o dia em que SERÃO LACRADAS FOREVER.

      PS.:
      Eleição na OABÊ tem
      CAMPANHA NO RADIO, TV, JORNAL e INTERNET.
      MARQUETEIRO.
      AGITADORES DE BANDEIRA PAGOS
      COMICIOS
      CORPO A CORPO (linguagem emprestada dos politicos)
      E MUITO, MAS MUITOOOOOO DINHEIRO E TRAFICO DE INFLUÊNCIA.

  7. Essa entidade já contribuiu, secundariamente, à reconquista da democracia, quando sob o comando de democratas íntegros.
    Hoje, é como a sociedade civil, vê tudo passivamente e nada faz. Mas com uma diferença pois, sua posição privilegiada, e mesmo por que existe, incumbe-lhe função de ímpar utilidade civil: vanguarda da sociedade, ora.
    Sua olímpica omissão de hoje é fardo imperdoável: inutilidade civil.
    Só serviria, como tarefa precípua, desobstruir o bloqueio dos três poderes contra nossa sociedade, a qual ainda não tem um único sequer canal de impor suas mais comezinhas necessidades , a saber: transporte, saúde, segurança, educação.

    • Prezado Gilson Costa,
      Muito bom comentário.
      A transformação da OAB é visível quanto a ter optado por caminhos que não vão ao encontro da sociedade, mas a favor de interesses e conveniências da entidade.
      Uma lástima, diante da importância e história desta Organização.
      Obrigado pela tua excelente participação.
      Um abraço.

    • Perdão. Efetuei um comentário equivocado ao seu comentário. Era para ele ter constado no comentário da sra. Dorothy. Em razão deste erro, me vejo obrigado a comentar o seu post. É que não concordo muito com ele. Não vejo a OAB como um órgão precípuo de defesa da democracia, da saúde, da educação e da segurança como o senhor afirma. Creio que este deveres seja do próprio Estado. Até porque, a OAB não recebe verba pública. Ao contrário. É mantida por meio do pagamento de anuidade “tomadas” dos advogados.

      • Bruno,
        Acredito que seja obrigação de todo o cidadão brasileiro e de movimentos organizados, entidades de classes, sindicatos, associações, buscarem pela ordem institucional, pela legalidade.
        Não há uma organização como a que representa os advogados, OAB, que tenha mais poderes legais e conhecimentos específicos no âmbito civil para defender a sociedade, independente de somente pertencer aos seus associados, que pagam as suas anuidades.
        A meu ver, a OAB deve indicar o caminho correto a ser trilhado pelo governo e sociedade organizada, não individualmente, mas como um todo.
        Se o povo está sendo enganado e ludibriado por medidas antidemocráticas (vivemos em pleno estado de mocrático de direito, portanto, em democracia), cabe à OAB nos alertar e indicar como impedir a burla à Constituição ou atos que mais interessem ao governo que à população.
        É neste sentido que uma entidade como a OAB precisa ser o esteio de uma população, quando existe a ameaça flagrante de desequilíbrio jurídico, de impunidade, de tendenciosidade no Judiciário, que lhe interessa diretamente, até porque seus associados dependem fundamentalmente de uma Justiça imparcial, isenta politicamente, o mesmo acontecendo para este órgão que representa os advogados, permentemente à procura de soluções no judiciário para si e seus clientes.
        Se o debate está sendo calcado na atuação da OAB, que poderia questionar certas questões no âmbito judicial por conta de problemas que o governo não soluciona, ao contrário, os agrava, é porque ela representa a liberdade, a legalidade, a lei a ser cumprida, e qual entidade mais categorizada para esta finalidade que não seja a OAB?
        Quem mais aciona a Justiça?
        Quem mais depende de sentenças prolatadas?
        Quem mais se notabiliza quando seu trabalho é reconhecido pela sua capacidade jurídica?
        Quem impõe que a Justiça seja cumprida mediante provocação aos julgadores?
        Quem impede que a injustiça se estabeleça como padrão e subverta a ordem legal mencionada na Constituição?
        Então, meu caro Bruno, no meu entendimento, a OAB tem o dever de se pronunciar quando existe esta inversão, quando a ordem está sendo descumprida, quando as leis são desobedecidas.
        Obrigado pela tua participação e por teres discordado de mim, pois somente desse jeito é que nos entendemos, através do diálogo.
        Um abraço.

        • Obrigado. Mas ratifico minha discordância. Existem órgãos próprios na estrutura democrática imbuídos de conter àquilo de negativo que o senhor comenta. Não vejo a OAB. Sugiro cobrar igual postura do CRM, do CREA, do CRECI, enfim… Acho injusto colocar este peso somente nas costas da OAB. Pimenta no dos outros é refresco!

          • Percebi que a tua discordância não é com os meus argumentos, mas porque discordas, simplesmente.
            Ao alegares as razões pelas quais outras entidades representativas de classe não são criticadas como faço com a OAB, atribuo ao teu desconhecimento que nenhuma outra entidade poderia ingressar na Justiça se não fosse através de um advogado!
            Prá teu governo, a OAB é o quinto poder no Brasil.
            Teríamos o Legislativo, Executivo, Judiciário, Ministério Público e … OAB.
            Quanto ao final do teu comentário, melancólico, eu diria que a pimenta arde nos olhos do povo, e não das organizações classistas juntas ou isoladamente, portanto, a OAB teria as condições necessárias – e somente ela, sem depender de contratar advogados – de questionar o que está visível quanto à injustiça, à ilegalidade, de reparar o Direito de cada um de nós usurpado como está sendo pelo governo petista, inclusive de seus próprios associados!

          • Ih… partiu para agressão. Tentou até me ofender alegando que me falta conhecimento. Saiba que ao me chamar de ignorante tu não me ofendes. Até porque, sobre qualquer assunto, utilizo a máxima de Sócrates: “só sei que nada sei”. Não creio que eu seja o sabidão. E outra, nunca foi minha intensão te contra-argumentar. Se fosse, minha abordagem seria outra. Só quis emitir minha modesta opinião. Percebi que o senhor gosta de se valer dos advogados mas não gosta de pagá-los. Bem, sugiro que procure a defensoria pública – quer para demanda pessoais; quer para demandas coletivas. Ressalto, ainda, que a OAB não é o quinto poder, tampouco o MP o quarto. Aliás, tal afirmação me causou espécie. Afinal, a constituição – àquela que o senhor sugere deva ser defendida – reza em seu artigo 2º: “São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário”. Só. Academicamente, já li sobre teses defendendo o MP e ou a imprensa como sendo quarto poder. Mas apenas de fato, não de direito. Confesso que o senhor inovou clamando a OAB como um quinto poder e o MP como o quarto. Calma, não vou lhe ofender chamando-o de ignorante como o senhor fez comigo. Mesmo porque, entendo que um erro não justifica o outro. Por fim, ratifico que existem órgãos próprios na estrutura democrática imbuídos de conter àquilo de negativo que o senhor comenta. Não sendo razoável a passividade das pessoas e das demais entidades de classe, diante dos problemas apontados no comentário principal, sob a alegação de não terem carteirinha da OAB, não podendo, assim, propor demandas judiciais. Em tempo, vale lembrar que existem meios de solução de conflitos e de problemas que passam longe do Judiciário. Lembrando ainda que, qualquer um pode contratar advogado e buscar a tutela jurisdicional do Estado, inclusive interpondo ação popular. Se não quiser ou não puder pagar diretamente pelo trabalho do advogado, pode procurar as defensorias públicas dos Estados ou mesmo o MP, dependendo do caso. O que eu não acho legal é apontar o dedo apenas para OAB quanto TODOS possuem capacidade e meios para agir, de um jeito ou de outro.

  8. Que artigo excelente de Francisco Bendl !

    A OAB ultimamente tem se omitido perante várias questões ultrajantes. No entanto tem se manifestado de forma aguerrida, quando a causa lhe interessa ideologicamente.

    Aliás eu cheguei aonde desejava: a OAB destes últimos tempos tem agido de forma cada vez mais motivada por ideologias (e até por partidarismos), e cada vez menos com imparcialidade.

    Acabo ficando feliz por eu ser cirurgião-dentista e não advogado, pois assim não preciso estar inscrito nessa cada vez mais duvidosa autarquia em regime especial.

    • Meu amigo Juca,
      Então o senhor é cirurgião-dentista?!
      Que bela profissão, e que requer muitos estudos, talento e vocação, pois também fazes cirurgias.
      Parabéns, e ótimo comentário.
      Agradeço a tua participação, que tem se notabilizado ora pela fina ironia ora pela crítica ferina e bem feita ora porque conveniente as tuas palavras e pontuais.
      Um abraço forte e caloroso, meu caro.

  9. Olá Bendl,
    só agora li o seu post. E só não digo “faço minhas as suas palavras” porque as suas estão escritas com mais competência.
    Parabéns pelo post.
    Um abraço do
    Wilson

    • Wilson, meu amigo,
      Por favor, não me deixa encabulado!
      Eu apenas me esforço para fazer jus à companhia dos amigos e frequentadores deste blog incomparável.
      Tu não tens idéia dos esforços que faço para poder escrever frases que se liguem às demais, e dar um certo sentido ao comentário postado.
      Obrigado pela tua gentileza e incentivo, que muito me ajudam para continuar ao lado de pessoas que tanto admiro, e tu, inegavelmente, és uma delas!
      Um forte abraço, meu caro.

  10. Caro Bendl, parabens pelo artigo, e aos comentariStas, infelizmente, “já não se fazem OAB como antigamente. A OAB, está contaminada pelo “virus PT”, e só uma junta médica, pode tentar curá-la.
    Cremos que a “função da OAB” seja fazer com que a LEI SEJA CUMPRIDA, HONRANDO A SRª JUSTIÇA, E NÃO SERVIR A INJUSTIÇA “BERRANTE” EM QUE ESTAMOS MERGULHADOS, (STF É EXEMPLO GRITANTE).
    RUI BARBOSA, deveria ser exemplo de ‘DIGNIDADE JURIDICA”, A SER PERSEGUIDA PELA OAB, EM DEFESA DA CLASSE E DA CIDADANIA.
    NÃO VI NA MÍDIA, PRONUNCIAMENTO SOBRE O “CAOS” JURIDICO EM QUE ESTAMOS MERGULHADOS, DOS PRAZOS LONGOS PARA SER FEITO JUSTIÇA, (TRIBUNA DA IMPRENSA, MAIS DE 35 ANOS, CHEGARÁ AO CENTENÁRIO!??), DAS BENESSES DOS JUÍZES, COM SEUS TITULOS DE DESEMBARGADORES OU MINISTROS, COMO SE “DEUS” FOSSEM, TEMOS O CASO DA FUNCIONÁRIA DO DETRAN, QUE ENVERGONHA ATÉ SANTO DE PEDRA, E A OAB, ONDE ANDA!???, CEGA E SURDA, NÃO SE PRONUNCIA À FAVOR DA LEI! JUSTIÇA QUE NÃO FAZ JUSTIÇA, O QUE É????? RESPONDA QUEM SOUBER!!
    SENHORAS E SENHORES, ONDE VAMOS PARAR, SEM CUMPRIMENTO DOS PARÂMETROS DE DIGNIDADE!!!?
    SÓ NOS RESTA: “DEUS” SOCORRO.

  11. Bendl, gosto de você, mas, misturar Dilma com armas e escravidão é dose. Dilma deve ser combatida por seus adversários no que fez e fizer de errado. Seu passado pouco importa. Quanto a escravidão é outro tema já tão desgastado que, eu pelo menos, acho despiciendo sua abordagem. Mesmo porque, quem escravisou índios e negros foi a Monarquia Portuguêsa. Com a Proclamação da República ouve um corte na história. Rompemos institucionalmente com Portugal e deixamos de ser súditos e escravos (a República manteve a Abolição), para sermos cidadãos com direitos e deveres. A Proclamação da República e o MARCO ZERO DO BRASIL MODERNO. Em nenhuma de nossas Constituições os negros foram excluidos de direitos. O Brasil permanece aberto para qualquer cidadão, de qualquer orígem, raça, credo religioso posição ideológica ascender socialmente. Se a República ainda não deu a seus filhos escola de qualidade para que todos tenham oportunidades iguais, devemos exigir. Agora ficar repetindo a exaustão o problema da escravidão é perpetuar na consciência do povo um crime que não cometemos. Ficarmos como policiais do passado, querendo por no “banco dos réus” a história é uma perda de tempo. Temos que olhar para frente e apresentar soluções e não criar desconfiança entre nós, buscando no passado elementos para o ódio, QUE PODE NO FUTURO NOS LEVAR A UMA LUTA RACIAL.

    • Aquino,
      Tenho admiração por ti, pelo teu Trabalhismo, tua história com Brizola, e não te afastaste dos teus princípios e convicções políticas, razão pela qual a minha reverência.
      Li e reli o meu comentário, que o Newton gentilmente transformou em artigo, e não encontrei esta mistura que alegas, de a presidente Dilma com armas e escravidão (sic)!
      Fixei-me na OAB e seu farol desregulado, que visualiza o acostamento, menos a estrada.
      Na minha ótica, a sociedade precisaria atualmente de uma entidade organizada, importante, que conhecesse as leis do País, de modo a orientá-la e defendê-la de medidas governamentais ou omissões, e impedir que o poder Judiciário não cometesse tantas injustiças com relação aos petistas envolvidos em ilicitudes.
      Pois, a OAB, escolheu outro caminho, uma trilha exclusiva, mais calma, menos comprometida com as suas próprias funções.
      Se o Ministério Público é o fiscal da Lei, a OAB deveria ser o Farol da sociedade quando em mares bravios como agora, e impedir que o barco se quebre nas pedras perto da costa porque jogado por fortes ondas ou encalhe.
      Neste aspecto do judiciário, especificamente do STF, a sociedade brasileira vive momentos de absoluta insegurança, diante do trabalho árduo de Juízes federais em primeira instância, e da anulação desta obra pelo Supremo, em uma queda de braço onde o principal prejudicado é o povo.
      Peço-te perdão se não encontrei a mistura heteregênea que me acusas, Aquino, mas apenas afirmei uma aproximação muito estranha e que não deveria existir entre a OAB e governo central, e porque a entidade dos indispensáveis advogados optou por criar uma comissão que estudasse e resgatasse a verdade sobre o pior período da nossa História, a escravidão, como se tal tarefa pudesse compensar os que já morreram, deixando de lado compromissos muito importantes atualmente.
      Obrigado pela tua participação, Aquino, que muito me honra e me deixa alegre.
      Um abraço.

  12. Meu querido Theo,
    O teu comentário é simplesmente brilhante, pois resgata uma das maiores injustiças que temos conhecimento, e que a OAB se mostra negligente e irresponsável, com relação à reparação de Hélio Fernandes!
    Um verdadeiro escãndalo que mancha de forma indelével a Justiça brasileira, e que deveria ter a OAB tomado à frente desse absurdo para resolvê-lo de vez.
    No entanto, não dá um pio sobre esta questão gravíssima e que compromete a estabilidade jurídica do nosso País, demonstrando inequivocamente haver dois pesos e duas medidas no âmbito judiciário, e que macula de maneira condenável e odiosa princípios de nossa Carta Magna!
    Hélio Fernandes deveria ser atualmente a figura clássica da vítima produzida pela injustiça, da omissão, da irresponsabilidade do poder Judiciário, do seu descaso pela pleito de um cidadão, e que tem na OAB a cumplicidade inaceitável por parte da sociedade consciente, que vem sendo violentada através de medidas que seria obrigação da OAB impedir que fossem levadas a efeito, e não se calar perante fatos tão deprimentes no aspecto legal.
    Agradeço, Theo, por nos lembrares deste exemplo deplorável de como a Justiça no Brasil tem sido tão próxima do governo petista, e o quanto este partido tem sido ao mesmo tempo tão inimigo do povo!
    Um abraço carinhoso, Theo, simplesmente a tecla da experiência da Tribuna da Internet!

  13. Amigo Bendl
    A OAB já era!
    Quando assistimos as figuras que representam-na em alguns estados e suas posições atuais, custa a acreditar que é a mesma de duas décadas atrás.
    Apenas para exemplificar: é enorme o número de denúncias de advogados às comissões de ética. E alguns resultados estão na mesma linha do que ocorre no congresso nacional e no judiciário. A linha de produção e condução é a mesma.
    Assino embaixo e bato palmas.
    Abraço saudoso e fraterno.

  14. Bruno,
    Vamos por partes:
    Quando aleguei que te faltava conhecimento, na verdade quis te isentar sobre um tema que possivelmente não tivesses todas as informações necessárias.
    Jamais usei a palavra ignorante, conclusão tua a respeito de ti mesmo.
    A tua percepção, sim, além de errada é maldosa, caluniosa, ofensiva e desaforada!
    Quanto às tuas explicações querendo minimizar a responsabilidade da OAB com relação aos problemas jurídicos que o Brasil hoje possui, ela são meramente pessoais, e não se fundamentam como tentaste em código algum, principalmente constitucional.
    Por último, percebe-se que és advogado, aliás, já mencionaste acima o valor que pagas à OAB de anuidade, que contradiz de forma cabal o teu comentário final, demonstrando que és um profissional cuja capacidade pode ser discutida não somente pela maneira como te expressas (“só sei que nada sei” – mas até na tua profissão?), mas diante do que afirmas inicialmente, para depois tentares anular com explicações pífias os teus próprios registros:

    “Para cobrar anuidade! Até o dia 10/12/14 terei de pagar algo em torno de R$ 800,00. Baratinho, não? Sinceramente, me sinto assaltado quando pago a minha anuidade. Posso dizer com tranquilidade que, para mim, como advogado, a OAB não faria a mínima falta caso acabasse hoje. Ao contrário. Me aliviaria de ter de contribuir para com o nada. Contudo, anualmente sou obrigado a pagar o valor acima noticiado – algo bem contraditório para uma instituição que diz defender as liberdades!”

    Não é mais necessário discutirmos a respeito deste tema, pois já deste o final adequado, doutor Bruno.

  15. Humanos como eu, vítimas dos comunistas como eu. Graduado em Direito devo obrigatoriamente ser um Operador do Direito, pelas doutrinas em módulos, que não permitem ciência. Modificar depende de interesses políticos, não sociológicos. Assim, a Lei 9.096/95, Lei dos Partidos Políticos que Dispõe de Partidos Políticos e REGULA os art. 14, § 3º, inciso V e o 17, da CONSTITUIÇÃO, com a aprovação do exame de ordem em outra lei (lembrando que ambas revogaram as suas leis orgânicas), numa troca de favores: A OAB não incomoda a Lei que viola a Constituição, pois somente por emenda regula-se, o que não foi feito, enquanto os Poderes se mantém, como querem, indistintamente e dão à OAB a prerrogativa de ser o que quiser ser. Agora, depois do pronome de tratamento ser trocado por um Título acadêmico (doutor), a direção da OAB lucra com a prova do exame e o imposto cobrado anualmente. Acredito seja esse o motivo pelo qual a OAB existe. Depois, a Lei 8.096/94 DECLARA INSTITNTO A CLASSE DE MISERÁVEIS. É a oligarquia de partidos que se instala para criar deuses que denigrem a alma, pois se trata do Estatuto dos Advogados e da OAB, pergunto: como uma outra entidade? Ajudem-me a encontrar essas razões!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *