Afirmação gradual

Carlos Chagas

Mesmo sem citar os países mais ricos da Europa, a Dilma vibrou tacape e borduna em todos eles, no discurso feito em Caracas, sexta-feira. Tendo como mote a importância de os países economicamente mais desenvolvidos da América do Sul e do Caribe “não absorverem, subordinarem ou tutelarem seus vizinhos, como estamos vendo com países até então ditos os mais civilizados do mundo”, a presidente brasileira deixou clara sua discordância com o que Alemanha, França, Inglaterra, Itália e outras nações vem praticando com Portugal, Grécia, Irlanda e tantos mais.

 A crítica vem depois de recente comentário de Dilma a respeito de as crises econômicas não poderem ser combatidas com aumento de impostos, demissões em massa, redução de salários e aposentadorias e supressão de investimentos sociais. Pelo contrário, deveria ser enfrentada com crescimento, ela acrescentou dias atrás, em Brasília. A política externa do atual governo vem sendo definida aos poucos, projetando-se acima e além daquela realizada no governo Lula. Não se trata da reedição do terceiro-mundismo, mas abre perspectivas para o Hemisfério Sul.

É bom lembrar que a presidente ressaltou a evidência de a América do Sul e o Caribe formarem uma zona de paz, sem armas de destruição em massa. Sobrou para os Estados Unidos, também, com respingos para a China e a União Soviética. Dúvidas inexistem a respeito de ser o Brasil a nação mais desenvolvida do bloco reunido na capital da Venezuela, funcionando as palavras da chefe do governo brasileiro como um compromisso de que não pretendemos absorver, subordinar ou tutelar outras economias. Caberá a nossos vizinhos responder se à teoria reúne-se a prática. Diante da declaração peremptória será preciso aguardar.

***
AS HORAS FINAIS

 Tudo indica estar Carlos Lupi vivendo suas últimas horas de ministro. Até a presidente Dilma anunciou que segunda-feira resolverá a questão. O PDT dá sinais de exaustão e o presidente da Comissão de Ética da presidência da República, Sepúlveda Pertence, promete para aquele dia a remessa das razões que levaram os conselheiros a sugerir a exoneração do ministro. Só falta mesmo que Lupi caia em si, isto é, decida entregar sua carta de demissão. Poderá alegar incompreensão, perseguição ou sucedâneo, mas em nome da preservação de seu partido, outra saída não há.

***
DEPOIS DO TELEX

Roberto Campos discorria, em seus tempos de todo-poderoso czar da economia, que depois da invenção do telex tornara-se dispensável a existência de embaixadores nos demais países. Tudo poderia ser decidido em Brasília e participado segundos depois. De lá para cá a tecnologia evoluiu horrores, com satélites, internets, celulares e toda a parafernália que não para de crescer. Sendo assim, há quem estranhe o fato de a presidente Dilma deixar para o seu retorno ao Brasil a iniciativa de resolver a questão Lupi. Porque resolvida, já está.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *