Agiotagem desenfreada eleva juros do cartão de crédito a quase 500% ao ano

Resultado de imagem para cartão de crédito charges

Charge do Dorinho, reprodução do Jornal Propmark

Alexandro Martello
Do G1, em Brasília

Os juros médios cobrados pelos bancos nas operações com cartão de crédito rotativo voltaram a subir em setembro deste ano, quando atingiram o patamar de 480,3% ao ano, novo recorde da série histórica do Banco Central, que tem início em março de 2011. Em agosto, estavam em 475% ao ano. O mesmo aconteceu com os juros bancários cobrados no cheque especial, que subiram 3,8 pontos percentuais em setembro deste ano, para 324,9% ao ano – novo recorde da série histórica, que neste caso começa  em julho de 1994. Em agosto a taxa do cheque especial estava em 321,1% ao ano.

SUBINDO SEM PARAR – No acumulado de 2016, os juros do cartão de crédito rotativo subiram 48,9 pontos percentuais – estavam em 431,4% ao ano no fechamento de 2015. Já a taxa cobrada nas operações com cheque especial avançou 37,9 pontos percentuais em 2016, pois somavam 287% ao ano no fim de 2015.

Os juros do cheque especial e do cartão de crédito rotativo estão entre os mais altos do mercado. Esses empréstimos, alertam os especialistas, só devem ser utilizados em momentos de emergência e por um prazo curto de tempo. No caso do cartão de crédito, a recomendação dos economistas é que os clientes bancários paguem toda a fatura no vencimento para não deixar saldo devedor e evitar pagar juros.

REDUÇÃO DA SELIC – O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel, disse que, com o início do processo de corte dos juros básicos da economia, por parte da autoridade monetária, a expectativa é de que isso tenha impacto nos juros cobrados pelos bancos, mas não soube dizer quando as taxas podem ser reduzidas. Neste mês, o BC baixou a taxa básica da economia de 14,25% para 14% ao ano no que foi o primeiro corte dos juros em quatro anos.

“A gente espera que movimentos da taxa básica sejam vistos nas taxas ativas [dos bancos]. Se você olhar em outros momentos, não tem uma coisa muito clara em quantos meses isso demora [para ser repassado pelos bancos às suas taxas]. Em alguns momentos, tem até antecipação nas taxas bancárias. Não se espera uma defasagem muito longa. Se reduz o custo de captação, isso contribui para redução de todas as taxas de juros”, declarou ele.

CONSIGNADO SOBE MENOS – No caso das operações de crédito pessoal para pessoas físicas (sem contar o consignado), a taxa média de juros cobrada pelos bancos somou 135,1% ao ano em setembro, contra 132,3% em agosto. Nesse caso, houve uma alta de 2,8 pontos percentuais em setembro, e no ano ocorreu um aumento de 17,4 pontos percentuais.

Ainda segundo o BC, a taxa média de juros cobrada pelas instituições financeiras nas operações do crédito consignado (com desconto em folha de pagamento) somou 29,3% ao ano em setembro – o que representa estabilidade em relação a agosto. No ano, a taxa para o consignado subiu 0,5 ponto percentual e, em doze meses, houve um aumento de 1,7 ponto percentual. A recomendação dos economistas é de que os correntistas substituam, se possível, os empréstimos do cartão de crédito e do cheque especial pelo crédito consignado.

Segundo o BC, a taxa média de juros para aquisição de veículos por pessoas físicas, por sua vez, somou 26,1% ao ano em setembro – com queda de 0,1 ponto percentual em relação a agosto deste ano. Na parcial de 2016, essa taxa subiu 0,1 ponto percentual.

“SENTIR VERGONHA” – Reportagem publicada pelo jornal norte-americano “The New York Times”, no fim de 2014, informou que os juros praticados em algumas linhas de crédito no Brasil “fariam um agiota americano sentir vergonha”, citando os cartões de crédito.

Estudo da consultoria Economática, divulgado em março de 2016, informa que a mediana da Rentabilidade sobre o Patrimônio (ROE) de todos os bancos brasileiros de capital aberto no ano de 2015 foi de 10,78%, contra 7,92% dos bancos dos Estados Unidos.

Quando se considera apenas os bancos com ativos acima de US$ 100 bilhões (Itau-Unibanco, Bradesco, Banco do Brasil e Santander), a média da rentabilidade sobre o patrimônio dos bancos brasileiros foi maior ainda: de 20,06% em 2015.

7 thoughts on “Agiotagem desenfreada eleva juros do cartão de crédito a quase 500% ao ano

  1. Tem mil agiotas em cada esquina no país de usurentos, egoístas, desesperados e desprepatados, que não sabem usar a aritmética e nem ouviram falar em educação financeira.

    Desequilíbrio humano evidente.

    Cobiça, egoísmo, vaidade e estupidez que multiplicam a miséria humana e nos distanciam do caminho da regeneração civilizatória

  2. O patamar de juros cobrados pelas empresas de cartões de créditos, comprova que não temos Justiça no Brasil, mas grupos escolhidos para proteger as elites, como sempre.
    E, por favor, calem-se quando mencionarem o nome da presidente do Supremo como referência, pois diante deste estelionato explícito e consentido, explorando e arrasando com o povo, que senhora é esta que não condena a usura, os juros extorsivos, que são verdadeiros crimes contra a economia popular?

  3. Não há governante com coragem para acabar com esta agiotagem permitida, é um absurdo o que se paga de juros dos consumidores, depois mostram os lucros astronômicos, é uma vergonha o sistema financeiro deste país.

  4. Muito trololó sobre as iniciativas e os resultados esperados para reativar a economia brasileira.

    Na minha modesta opinião, as regras dos sacríficos que estão armando para o povo, sobre o cidadão-contribuinte-eleitor, o consenso comum entre nós brasileiros, é que as novidades, na pior das hipótese, devem ser compartilhadas sem privilegiados.

    No fundo e no raso, o pau que cair em Francisco, também deve valer para os chicos.
    Sem distinções….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *