Agrava-se a crise Banco do Brasil/Previ e um ex-vice-presidente é acusado de corrupção.

Carlos Newton

Parece que este mar de lama que emporcalha a política não vai acabar nunca. Enquanto se agrava a disputa entre os presidentes do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, e da Previ (fundo de pensão dos funcionários), Ricardo Flores, surge a denúncia de que o ex-vice-presidente Allan Toledo, que até dezembro ocupava uma das áreas mais importantes do banco, está sendo investigado por ter recebido quase R$ 1 milhão numa conta bancária no ano passado.

Reportagem de Andreza Matais, publicada na Folha desta terça-feira, revela que, além de abrir uma sindicância interna para apurar o caso, o banco também notificou a Polícia Federal.

O executivo recebeu em sua conta depósitos mensais no valor de R$ 953 mil. O dinheiro foi transferido para a conta dele pela aposentada Liu Mara Fosca Zerey, de 70 anos.

Toledo alega ser procurador da aposentada e que abriu a conta no banco para administrar o dinheiro dela. Segundo ele, o valor é proveniente da venda de uma casa da aposentada, localizada no Novo Brooklin (São Paulo), para o empresário Wanderley Mantovani.

Certidão da Prefeitura de São Paulo, porém, mostra que a casa continua em nome de Liu Mara Fosca Zerey. Também não há registro em cartório de compra e venda do imóvel e a aposentada continua morando na casa um ano e dois meses após a transação alegada.

###
BRIGA COM A PREVI

A disputa de poder no Banco do Brasil vai obrigar o ministro da Fazenda, Guido Mantega, a arbitrar até sobre as aposentadorias do alto escalão da instituição. O presidente do BB, Aldemir Bendine, é homem de confiança de Mantega e acusa Ricardo Flores, da Previ, tentar derrubá-lo. Já o grupo de Flores diz que Bendine quer um aliado à frente do fundo de pensão dos funcionários do banco. e da Previ (fundo de pensão dos funcionários do banco),

É em meio a essa disputa que Mantega terá que decidir sobre o aumento de cerca de 30% nas aposentadorias do presidente, de vice-presidentes e de diretores do BB, considerado irregular pelo Ministério da Previdência. A discussão poderá ir à Justiça.

Desta vez o impasse é com a Previc, instituição ligada ao Ministério da Previdência que regula os fundos de pensão fechados do país. A entidade contesta, em parecer, o pagamento de aposentadorias considerados irregulares pelo órgão aos executivos do banco que saíram da ativa recentemente.

O que era para ser uma discussão técnica se tornou embate entre o presidente do Banco do Brasil e o titular da Previc, José Maria Rabelo, ex-vice-presidente do banco. Rabelo foi um dos vice-presidentes demitidos por Bendine quando este assumiu o banco, em 2009. Ele é ligado justamente a Ricardo Flores, desafeto de Bendine e personagem da atual disputa, vejam só que confusão. O problema, é claro, só vai acabar na Justiça, pois Mantega não tem poderes para decidir assuntos internos da Previ.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *