Alckmin defende que Temer não seja derrubado e cumpra o mandato-tampão

Alckmin

Alckmin e Temer agora têm interesses comuns

Deu no Estadão

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), reuniu prefeitos aliados de cidades importantes do Estado, como São Bernardo do Campo e Santo André, para discutir a posição do diretório estadual do partido, que se reúne próxima segunda-feira, 5, sobre um possível desembarque do governo de Michel Temer.

O tucano ofereceu um jantar no Palácio dos Bandeirantes na noite de quinta-feira, dia 1º, para passar a orientação de que defender a saída da base não é a decisão mais acertada neste momento, diferentemente da posição adotada pelo presidente estadual do PSDB, Pedro Tobias, e pela ala jovem da legenda. O recado passado por Alckmin a aliados foi acertado com o presidente do PSDB, Tasso Jereissati, e com o próprio Temer.

Aos prefeitos, Alckmin teria dito que uma eleição indireta agora desorganizaria todo o processo de sucessão em 2018, no qual o tucano é declaradamente parte interessada.

Segundo interlocutores do governador, delegar para o Congresso a escolha de um eventual sucessor de Temer antes da eleição do ano que vem seria abrir caminho para a vitória do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia, já considerado o nome mais forte para um pleito indireto. Como ele é deputado e já tem o controle da Casa, a avaliação de Alckmim é de que mesmo Jereissati não conseguiria vencê-lo.

Se a orientação de Alckmin for seguida à risca, a reunião de segunda-feira deve terminar sem uma posição clara dos tucanos paulistas a respeito do governo Temer. É esse o acordo que o presidente espera fechar nesta noite.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Esta noite de sexta-feira, estava marcado um jantar de Temer e Alckmin no Palácio Bandeirantes. Em tradução simultânea, Alckmin quer evitar a possibilidade de que Tasso Jereissati seja eleito indiretamente, porque seria candidato à reeleição na Presidência em 2018 pelo PSDB. Com isso, Alckmin teria de mudar de partido para disputar a sucessão. Por sua vez, Jereissati diz que apoia Temer e Alckmin, mas quer mesmo é ser presidente. Para tanto, terá de derrotar Rodrigo Maia e isso depende de uma grande negociação envolvendo o PMDB e os partidos de médio porte (PR, PSD, PSB, PRB, PP, PTB etc.), para que o apoiem, e com o compromisso de que a oposição (PT, PCdoB, PDT, Rede e PSOL) se negará a votar em eleição indireta. Mesmo assim, é difícil vencer Rodrigo Maia, que já tem o apoio do baixo clero e de deputados do centrão, mas não é impossível derrotá-lo. (C.N.)

4 thoughts on “Alckmin defende que Temer não seja derrubado e cumpra o mandato-tampão

  1. De um lado, Luladrão e o povinho pensando em tirar Temer para assumir, novamente, os cofres públicos. E são os cofres e não o poder para tirar o país da situação.
    Do lado da atual situação (ex-oposição) a disputa por uma candidatura para 2018. Para esta turma no fundo, bem lá no fundo, a manutenção de Temer é para “ajeitar as coisas para 2018” e não para o bem do país.
    Quando cada um quer o bem próprio e na população, cada um espera pelo sacrifício do outro, a saída do país é trocar de nome e de povo!
    E tem gente que acha que eu sou, tão somente, pessimista!
    Fallavena

  2. E lamentável que a questão do Temer sair ou ficar não seja vista uma questão legal, mas de conveniência política.

  3. Olhe os comunistas pedindo derramamento de sangue. Realmente, os petralhas não enganam mais ninguém, querem o comunismo no país. Infelizmente, o Exército terá que intervir para acabar com essa raça. Lamentável, mas eles são violentos e irão partir para o derramamento de sangue, será triste se isto vier a acontecer. Parece que mais uma vez o Presidente Figueiredo tinha razão na sua profecia.

    https://www.youtube.com/watch?v=JQk69Dn7ny4

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *