Alckmin diz que “acordão” da eleição indireta ainda não está na agenda do PSDB

Resultado de imagem para alckmin candidato charges

Charge do Aroeira (Portal O Dia/RJ)

Deu em O Tempo
(Agência Estado)

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), negou neste sábado (dia 27) que haja um acordo entre diferentes partidos em utilizar uma eventual eleição indireta para eleger um nome e colocar o Congresso Nacional contra a Operação Lava Jato. Uma das principais lideranças nacionais tucanas e que pretende concorrer às eleições gerais em outubro do ano que vem, Alckmin afirmou que nenhum acordo desse tipo está na agenda e que é preciso garantir o encaminhamento das reformas antes de conversar sobre eleição indireta.

“Hoje a pauta é trabalhar, tentar acelerar as reformas, acredito que possamos rapidamente no Senado aprovar a reforma trabalhista”, disse o tucano quando perguntado sobre o suposto “acórdão”.

APOIO A TASSO – Nos bastidores, Alckmin articula o nome do presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), para uma eleição indireta, garantindo em troca o apoio a sua candidatura em outubro de 2018.

Na sexta-feira, o governador tucano chegou a defender publicamente o nome do senador e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para um eventual colégio eleitoral. O ex-presidente, no entanto, já afastou a possibilidade de concorrer.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A matéria requer tradução simultânea, porque as aparências enganam. Alckmin simula estar apoiando Tasso, mas não é verdade. Ele sabe que, se Tasso for eleito indiretamente, será candidato à reeleição em 2018. Nessa hipótese, Alckmin teria de ir mudar de partido para ter legenda, mas o PSD já está fechado com Henrique Meirelles, que sonha em disputar com apoio dos banqueiros e grandes empresários, o que significa muita grana, e o ministro Kassab, “dono” do PSD, vai apoiá-lo. Por isso, Alckmin na verdade prefere FHC, que não será candidato à reeleição em 2018, pois estará com quase 88 anos e prestes a se submeter ao juízo final, como se dizia antigamente. (C.N.)

4 thoughts on “Alckmin diz que “acordão” da eleição indireta ainda não está na agenda do PSDB

  1. Como se estivesse falando para o Pais, apenas se dirige ao poder da hora. Não passa de artimanha política para enxugar gelo. Expertamente, joga mais combustível na fogueira, quando fala em acelerar as reformas.

  2. CIRO E PDT NÃO ARTICULAM ESCOLHA INDIRETA https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1436760043050040&id=100001481743106

    Ciro Gomes deu entrevista à Rádio Gaúcha e algumas pessoas, de forma apressada, disseram que ele apoiava as indiretas e a candidatura de Nelson Jobim – como informa a notícia deste link. http://felipevieira.com.br/site/37930-2

    O título do link é desfocado da essência política sustentada por Ciro, vejam: Defensor de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que permita a realização de eleições gerais, Ciro Gomes sustenta que Temer deve deixar o Planalto: “Nos precisamos exigir que essa interinidade tenha dois compromissos e somente dois: garantir a sanidade, saúde e estabilidade da economia e segundo, preparar o País para as eleições de 2018”.

    A notícia espalhafatosa reforça consenso amplamente noticiado em torno de FHC e Lula (não negado por ele), sobre eventual escolha de presidente por via indireta que Ciro e o PDT rechaçam, como fica claro mesmo reconhecendo a força de tais manobras: “Eu tenho nojo de conchavo e conspiração. Estava até afastado da política e o que está acontecendo no Brasil é uma conspiração do baronato… Eu não me prestaria a um serviço destes em nenhuma hipótese”.

    Chamo atenção dos amigos para os cinco minutos iniciais deste vídeo, gravado na noite de terça-feira (23/05). Observem como as posições de Ciro Gomes são as mais coerentes e lúcidas diante das turbulências que estamos vivendo. O presidente impostor Michel Temer está nas mãos do TSE, entendo que se ‘cair’ sairá blindado e outra vez a culpa recairá sobre a presidente deposta Dilma Rousseff.

    E quem ganhará com isto, sabendo que será outra sucessão forçada, é o conservadorismo outra vez em detrimento do conjunto da população. Que se resolvam no Congresso ou nos tribunais, às claras, os implicados em falcatruas que buscam autodefesa nessas conformações golpistas. As reformas é que precisam ser travadas, mas essas os construtores da ‘unidade nacional’ se mostram desinteressados em interromper e de qualquer forma o enfrentamento deve ser feito independente do governante de plantão. http://www.facebook.com/cirogomesoficial/videos/1292607500859926

    TESE CONSERVADORA: Grande erro, uma quartelada parlamentar legitimando golpismo. Apoiar antecipação de eleições presidenciais isoladas, sem que o Congresso seja renovado junto, é mera dispersão que em síntese pode legitimar o golpe à Constituição. A defesa dessa tese, sugerindo prioridade para outra PEC que foi deixada pra trás, soa no mínimo estranho. A TV Globo aplaude como tem demonstrado em seus telejornais, pois isto causa confusão e coopera para derrubar o mandato usurpado mas depois o conservadorismo improvisa a escolha de outra impostura por via indireta. http://www.facebook.com/gleisi.hoffmann/videos/774634432713812

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *