Além de Dilma e Lula, STF investigará ministros por obstrução da justiça

Cardozo e Mercadante já estão na alça de mira do Supremo

Deu na Folha

O pedido de abertura de inquérito feito pela Procuradoria-Geral da República ao STF (Supremo Tribunal Federal) para apurar a suspeita de que o governo Dilma Rousseff tentou obstruir a Justiça, diante de tentativas de atrapalhar os desdobramentos da Lava Jato, também pode levar à investigação de integrantes do Judiciário. Segundo a Folha apurou, são citados no pedido de inquérito o presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Francisco Falcão, e o ministro Marcelo Navarro Ribeiro Dantas. Além deles, há referências ao ex-ministro Aloizio Mercadante, que ocupou a chefia da Casa Civil e o Ministério da Educação.

O pedido de apuração é mantido em sigilo no STF. Entre os alvos da Procuradoria estão a presidente afastada Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro José Eduardo Cardozo, que chefiou a Advocacia-Geral da União e o Ministério da Justiça.

OBSTRUÇÃO DA JUSTIÇA

O documento narra as ações do governo Dilma para embaraçar as investigações e o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato, definirá quem vai figurar como investigado no inquérito a partir dos indícios apresentados pela Procuradoria.

A linha de investigação leva em consideração a delação do ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS), a tentativa de evitar que o parlamentar fechasse acordo de delação com o Ministério Público Federal, a nomeação do ex-presidente Lula para a Casa Civil e a nomeação de ministro Marcelo Navarro Ribeiro Dantas para o STJ.

Delcídio ainda afirmou que Falcão teria negociado a indicação do novo integrante do tribunal em troca de controlar a maioria do colegiado que julga casos da Lava Jato.

OFENSIVA NOS TRIBUNAIS

Em sua delação, Delcídio contou que o governo da petista deflagrou uma ofensiva nos tribunais superiores para influenciar nos desdobramentos da Lava Jato e garantir, por exemplo, a liberdade de grandes empreiteiros. A nomeação de Marcelo Navarro Ribeiro Dantas para o STJ faria parte dessa trama. E Cardozo teria auxiliado nessas ações.

Em relação a Mercadante, o ex-senador afirmou que Dilma teria tentado interferir na Lava Jato por meio de uma oferta do ministro. Mercadante foi gravado em reuniões com Eduardo Marzagão, assessor de Delcídio, oferecendo ajuda financeira e lobby junto a autoridades por sua soltura e sugerindo que o político não fechasse acordo de colaboração com a Justiça.

As gravações foram feitas pelo próprio Marzagão e constam da delação de Delcídio, que foram homologadas pelo STF.

O ex-senador afirmou que Mercadante, ex-ministro da Casa Civil, agiu como “emissário da presidente da República e, portanto, do governo”, uma vez que o ministro “é o principal vetor de relacionamento político de Dilma”.

TODOS NEGAM…

Procurada, a assessoria do STJ afirmou que aguarda uma comunicação oficial da PGR para se manifestar sobre Falcão e Navarro. Marcelo Navarro já afirmou que não se comprometeu a tomar decisões para libertar empreiteiros ao ser indicado para o STJ. Falcão nega as afirmações.

A época dos fatos, a assessoria de Dilma negou as declarações de Delcídio e informou que o envio do termo de posse a Lula não tinha por intenção obstruir as investigações e ocorreu porque o ex-presidente não sabia se poderia comparecer à cerimônia de posse. Dilma também rebateu as acusações da delação de Delcídio, negando a tentativa de interferir na Lava Jato.

A defesa do ex-presidente afirma que a nomeação de Lula já vinha sendo discutida desde o ano passado e que a posse não teve nenhum objetivo de alterar seu foro de investigação.

Mercadante admitiu ter oferecido ajuda a Delcídio, mas disse que não teve a intenção de impedir sua delação premiada. O ex-ministro sustenta que “jamais tentou impedir a delação do senador Delcídio do Amaral e que, lamentavelmente, trechos essenciais das gravações foram omitidos por grande parte da imprensa.”

3 thoughts on “Além de Dilma e Lula, STF investigará ministros por obstrução da justiça

  1. O indivíduo ao não querer ser investigado, passa a ser quase réu confesso no caso.
    Investigação é apenas a apuração, de que o investigado possa ter cometido alguma ilegalidade.
    Quem esta ciente de ter vivido dentro da lei, não pode ter medo de investigação.
    Porém quando o sujeito já começa mexer os “pauzinhos” para fugir da curiosidade da polícia, é sinal bem nítido de que algo pode aparecer.
    A investigação tem que ir a fundo, justamente quando o cidadão demonstra medo de ser investigado.
    O receio já é um bom indício.

  2. As coisas estão mudando em velocidade supersônica na sociedade brasileira. Delcídio como senador da república é apanhado casualmente engendrando planos para tirar Cerveró da prisão e dar-lhe fuga para outro país. Um plano mirabolante que passaria por acertos com ministros do STF. Principal interessado no depoimento de Cerveró ao ser flagrado, envolveu todos aqueles que ele julgava no dever de no mínimo mandar um advogado para defendê-lo. Em todas entrevistas Delcídio comporta-se como um espectador que gravou tudo (com que intenção ninguém sabe). Apresenta-se como um menino ingênuo que, segundo ele caiu na esparrela. Se ele gravou tudo como afirma só podemos imaginar três coisas: 1) Deixar as gravações para os seus netos saberem que ele tinha pendores de espião, investigador ou cdurioso. 2) Escrever um livro futuramente com um título sugestivo, quem sabe: “O Alcaguete”.3) O então o que é mais plausível: Chantagear alguém ou alguns. Depois de tudo isso é o INFORMANTE GERAL DA NAÇÃO. Ninguém precisa investigar nada, é só perguntar ao Delcídio. Está ganhando bom dinheiro com entrevistas, as mais sugestivas, ele sempre como inocente.

  3. ZÉ DA ZICA, você me faz lembrar Brizola. O PDT elegeu Colares em 1982 para governador do Rio Grande do Sul. Brizola elegeu-se governador do Rio de Janeiro. Colares passou a receber uma oposição ferrenha do PT. Batiam panelas em frente a casa de Colares faziam passeatas dizendo havia corrupção no governo. Pediam CPI, que nã passava porque o PDT tinha maioria na Assembléia. Brizola tomou conhecimento de tudo e foi ao RGS. Perguntou a Colares se era verdade as acusações de corrupção. Colares respondeu: Não existe nada governador, isso são acusações mentirosas do PT. Fala com o presidente da Assembléia e manda abrir uma CPI. Dá a presidência e a relatoria ao PT. Assim foi feito. O PT revirou, mecheu, rebuscou e ficou com a CARA DE TACHO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *