Além de recados, cúpula militar precisa manifestar claramente repúdio a golpes e AI-5

Bolsonaro participa de manifestação no quartel general do Exército ...

Jair Bolsonaro, ao discursar diante do Quartel-General do Exército

Eliane Cantanhêde
Estadão

Enquanto Jair Bolsonaro fazia discurso inflamado em manifestação não só contra o Supremo e o Congresso, mas a favor de um golpe militar e a volta do famigerado AI-5, um de seus filhos divulgava o vídeo de uma fila de sujeitos praticando tiro, alguns metidos em camisetas pretas com o rosto do presidente e todos gritando: Bolsonaro!

No mesmo domingo, o presidente e seus três filhos mais velhos, um senador, um deputado federal e um vereador licenciado, postavam a foto do café da manhã familiar com uma curiosidade: o quadro na parede não era de uma natureza morta ou da tradicional Santa Ceia, tão comuns nos lares brasileiros, mas de uma metralhadora AK-47, deveras inspiradora.

VÍDEO DE SOLDADOS – No dia seguinte, circulava um vídeo em que várias dezenas de soldados corriam num calçadão da zona sul do Rio e no fim se aglomeravam, ainda na praia, à luz do dia, gritando “Bolsonaro” e “Mito”. Fariam isso sem orientação de superiores? Esses superiores pediram autorização ao Comando Militar do Leste? O comandante consultou o Comando do Exército em Brasília? Afinal, pode?

O que mais impressionou civis e até militares, porém, foi o local onde Bolsonaro discursou para militantes pró-golpe e AI-5: o Setor Militar Urbano, com o Quartel-General do Exército ao fundo. Um oficial pergunta: e se os políticos decidirem fazer protesto ali? Eu acrescento: e se a CUT e o MST também?

Aboletado na carroceria de uma caminhonete, vestido e agindo como vereador em campanha para a prefeitura de Cabrobó e liderando um ato ostensivamente antidemocrático, Jair Bolsonaro esquecia-se de que, além de presidente da República, eleito por 57 milhões de brasileiros, ele é também comandante em chefe das Forças Armadas – ambas as funções exigem decoro e compostura.

DÚVIDA ASSUSTADORA – O episódio – que estressou o domingo e que o ministro do STF Luís Roberto Barroso chamou de “assustador” – deixou uma dúvida perturbadora: os comandos militares compactuam com pedidos de golpe e AI-5? Acham normal o uso do SMU e do QG – ou seja, da imagem das FFAA – para atos golpistas? Na primeira reação, generais do governo demonstraram “desconforto”, depois falaram em “saia-justa” e no fim do dia passaram a admitir “irritação”, enquanto discutiam como “reduzir danos”.

E os danos são muitos. As Forças Armadas, instituições de Estado, não de governo, durante décadas mantiveram-se profissionais e imunes à política e a governos que vêm e vão. Consolidaram-se assim no primeiro lugar de prestígio junto à sociedade, sem concorrentes. Vão jogar tudo fora em favor de um presidente, e logo de um que só faz o que lhe dá na veneta?

Há, ainda, a questão da hierarquia. Bolsonaro expõe Exército, Marinha e Aeronáutica a um velho fantasma: as divisões internas.

FIM DA HIERARQUIA – Como já me ensinava o general Ernesto Geisel, quando a política entra por uma porta nos quartéis, a hierarquia se vai pela outra. Tendo como fato que a cúpula militar realmente considerou “péssimo” o teatro antidemocrático de Bolsonaro no domingo, a pergunta seguinte é: e as bases, os capitães, majores, sargentos – e suas famílias – acharam o quê?

O vice Hamilton Mourão já disse marotamente que “está tudo sob controle, só não sabe de quem”, e nós, meros mortais, ficamos sem entender nada. É uma grande enrascada e remete à entrevista do então comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, em dezembro de 2016, em que ele me relatou como respondia aos civis “tresloucados” que vinham bater à sua porta pedindo intervenção militar: “Chance zero!”

Em nota, nesta segunda-feira, o Ministério da Defesa foi mais suave, mas disse que as FFAA trabalham pela “paz e a estabilidade”, “sempre obedientes à Constituição”. Logo, contra o golpe. É o que se espera dos líderes militares, diante não apenas da Nação, mas da história.

25 thoughts on “Além de recados, cúpula militar precisa manifestar claramente repúdio a golpes e AI-5

  1. Essa imprensa desonesta até o último fio de cabelo ainda se ilude como formadora de opinião fake, como era seu costume há mais de 50 anos.
    Ainda não absorveu o fato e e fato não e com ela mesmo, de que Bolsonaro, atacado sistematicamente por ela, com suas mentiras e pesquisas falsas, antes das eleições , foi eleito presidente.
    Parece que o editor aqui também não desconfia de que o mundo mudou com a internet, apesar dele a usar para repassar panfletos de uma imprensa que mais parece a gráfica de uma malandragem sindicalista.

  2. “,,, as FFAA trabalham pela paz e estabilidade, sempre obedientes à Constituiçao” Só que nossa Constituiçao muda segundo os interesses vigentes. Pode advir após um distúrbio militar. São Periódicos Constitucionais.

    • Depois que o STF DECRETOU que dois homens ou duas mulheres se igualavam a um casal (família) para todos os direitos civis, degringolou tudo. Só esqueceram que agora o país paga mais pensão e os “casais” modernos ficaram mais arrogantes ainda. Dependendo do destino, o verdevaldo poderá mais à frente requerer pensão por morte de cônjuge.

  3. Esta figura escreve sobre o que não sabe.
    Falar a verdade, tão somente.
    Jornalista de ocasião.
    Fraca.
    Houve excesso. Mas, a famigerada esquerda optou pela luta armada.
    E tiveram o retorno.
    Se necessário, terão, de novo.
    Ou acham que a esculhambação do
    ladrão e da imbecil virá, novamente?

  4. Rejeito com todo o ânimo de meu ser a iniciativa do Carluxo ou qualquer outro de incitar o povo a fazer revolução. Isso não é aceitável. Ademais, o que ele fez para se sentir o dono da quitanda? Criou a internet, descobriu a penicilina, o laser, descobriu a estrutura do DNA? Não, é claro. Ele deve dar graças ao Espírito Santo, que faz muitos milagres, de ser normal. Se for.
    Mas gostaria de ver a mesma repugnância da senhora Catanhede quando o Toffoli, Lewandowsky e Gilmar agem de forma a prejudicar frontalmente a sociedade com suas decisões para beneficiar amigos.
    Faca deve ter só um gume e é o que espero dessa brilhante jornalista.

  5. Os militares estão certíssimos, quem disse besteira que se aguente pelo que disse. Nesta hora é melhor esperar e ver se o circo pega ou não fogo. Se pegar os militares saem dos quartéis para a pagar o fogo, daí para frente só Deus sabe se eles voltam ou não para o quartel. Este boçal faz tanto tempo que não usa farda que já se esqueceu de que os ex-companheiros cultuam o respeito à ordem e às instituições acima de tudo. Se o boçal com a demagogia de subir em cima da caçamba do caminhão e pedir um golpe de estado, quebrou a cara.

  6. Os militares não são mais treinados para serem destemidos – não há conflitos em que eles precisem atuar. E faz tempo e isso enfraquece a fibra que lhes devia ser peculiar.
    Fazer o quê. Há alguns que até se prestam a ser lacaios. Fazer o quê.

  7. Como está veiculado na Imprensa estrangeira, agora os militares são até consultados sobre nomeação e demissão. Se eles (militares) precisam desmentir é porque tem coisa aí, sim.
    Se não houver uma grande aliança política, como deixado claro no artigo alemão, barões do agronegócio, nazofascistas empresarial do sul e outros como milícias do sudeste, lembrando bem Fujimori (Peru) e Vargas nos anos 30 (Brasil) periga causar uma nova fase ditatorial aqui.

    https://www.spiegel.de/politik/ausland/brasilen-jair-bolosnaro-nutzt-corona-um-die-demokratie-zu-demontieren-a-ebcb7645-e526-458f-95b3-d424b0e69eec-amp?utm_source=dlvr.it&utm_medium=%5Bfacebook%5D&utm_campaign=%5Bspontop%5D&__twitter_impression=true

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *